Vencer por 1 a 0 é o caminho pro título? Leicester City acredita que sim

A quinta vitória do Leicester City por 1 a 0 nos últimos seis jogos disputados na Premier League 2015/16 trouxe à tona a pergunta: o quão importante são essas vitórias apertadas para uma equipe que briga pelo título?

É um claro sinal de que a defesa vai muito bem, embora o ataque do Foxes seja o terceiro melhor do campeonato, atrás somente do Tottenham Hotspur e do Manchester City.

Com o gol marcado pelo capitão Wes Morgan, o Leicester venceu o Southampton no último domingo (03) e chegou à marca de sete vitórias por 1 a 0 neste campeonato, o qual lidera por sete pontos em relação aos Spurs a seis rodadas do fim. O ex-zagueiro Jamie Carragher disse nesta semana:

“Pense no homem que ganhou o maior número de ligas, Sir Alex Ferguson, e veja quantas vezes você tem que ganhar jogos por 1 a 0”, disse o ex-defensor do Liverpool.

Mas será que as estatísticas e as histórias sustentam esta afirmação? Com ajuda da Opta, a BBC Sport fez um levantamento com equipes que venceram sete vezes ou mais por 1 a 0 numa edição de PL, procurando saber se isto acabou sendo decisivo na campanha das equipes.

ENTÃO SETE É O NÚMERO MÁGICO?

Desculpe-nos torcedores do Leicester, na verdade não. Apenas sete títulos da Premier League em 23 foram conquistados pela equipe que venceu mais vezes por 1 a 0 (30.4%). Em 2014/15, o Chelsea foi o primeiro campeão em cinco temporadas com mais vitórias por 1 a 0 do que as outras equipes.

E o Manchester United (7 vitórias) perdeu o título para o Blackburn Rovers (5) por apenas um ponto em 1994/95, enquanto o Newcastle United (7) foi superado pelo Man United (8) em 1995/96, que obteve cinco vitórias por 1 a 0 somente na arrancada para o título.

No entanto, sete vitórias por 1 a 0 ajudaram o Arsenal a conquistar o título de 1997/98 por um ponto sobre o Man United (4), o mesmo número de vitórias por este placar que os Red Devils precisaram pra se sagrar campeões em 2007/08 – dois pontos a frente do Chelsea (9).

Mas a mesma quantia (7) não foi suficiente para os Gunners pararem o Chelsea de José Mourinho em 2004/05, que venceu aquela Premier League com o recorde de 95 pontos.

NOVE É SUFICIENTE, CERTO?

Nove vitórias por 1 a 0 seriam quase 25% das partidas da temporada, e as próximas três partidas do Leicester, contra Sunderland, West Ham United e Swansea City podem dar aos Foxes a chance de chegar a tal marca.

No entanto, as três equipes que conseguiram noves êxitos por este placar não foram campeãs.

O Arsenal (9) ficou por um ponto do Man United (4) na campanha da tríplice coroa de 1998/99.

E o Chelsea, iniciando a era pós-Mourinho, ficou atrás dos Red Devils por duas temporadas consecutivas – 2006/07 e 2007/08 – apesar de ter mais vitórias por 1 a 0 (9 nas duas temporadas) do que os mancunianos (4 e 7, respectivamente).

OK, DEZ DEVEM SERVIR ENTÃO

Não.

É provável que o Leicester não atinja essa marca nesta temporada, mas incrivelmente, o Liverpool terminou em terceiro apesar de ter vencido dez vezes por 1 a 0 na temporada 2005/06, nove pontos atrás do campeão Chelsea (5) e um atrás do Man United (4).

E mais uma estatística que coloca em xeque a hipótese da influência das vitórias por 1 a 0 vem do Arsenal, que venceram o campeonato sem ser derrotado em 2003/04. Os Gunners venceram apenas três jogos por 1 a 0, mas terminaram 11 pontos a frente do Chelsea, que havia vencido dez vezes por 1 a 0 e era comandado por… Claudio Ranieri!

O mantra do “os campeões vencem não jogam bem” se apegou bem ao Manchester United de 2008/09, que conquistou dez vitórias por 1 a 0, ficando à frente do Liverpool (4) na tabela.

O impressionante é que os Red Devils conquistaram oito destes dez magros êxitos num espaço de apenas nove semanas, do fim de novembro ao início de fevereiro.

ALGUMA BOA NOTÍCIA PARA O LEICESTER?

Onze. Isso deve ser o suficiente para os Foxes. Onze vitórias por 1 a 0 não só igualariam o recorde do Chelsea registrado em 2004/05, mas matematicamente, garantiria o título da Premier League para o Leicester.

MATÉRIA ORIGINALMENTE PRODUZIDA PELA BBC SPORT. PARA CONFERIR A VERSÃO ORIGINAL, EM INGLÊS, CLIQUE AQUI.