Virgil van Dijk: Por que o mundo demorou para acordar com o brilho do zagueiro?

Estamos falando de um dos grandes defensores do futebol hoje

Virgil van Dijk: Por que o mundo demorou para acordar com o brilho do zagueiro?

Tornou-se a visão mais emocionante do futebol moderno, que faz com que até mesmo observadores ociosos levantem os olhos de seus telefones e fixem suas atenções na tela da televisão, presos a um pressentimento semelhante ao de ouvir os primeiros acordes da música tema de “Tubarão”: Kylian Mbappe foi para o gol, com apenas um defensor barrando o caminho. Faltavam 13 minutos para o jogo da Liga das Nações entre Holanda França acabar, quando Virgil van Dijk assumiu o papel de defensor solitário.

Acompanhe a PL Brasil no Youtube

O passe de Paul Pogba deixou Mbappe frente a frente com van Dijk, e quando o avançado do Paris Saint-Germain cruzou a linha intermédia, o Stade de France rugiu como um expectador no Coliseu.

contratação mais cara

Quando van Dijk avançou em sua direção, o ritmo de Mbappe diminuiu e seu passo encurtou.

Ele deu três toques rápidos e depois passou por van Dijk pelo lado de fora do holandês, da mesma forma que passou por Marcos Rojo antes de receber o pênalti que colocou a França a caminho da vitória sobre a Argentina na Copa do Mundo.

Leia mais

Quiz: Que treinador da Premier League você é?

Mas van Dijk, que se colocou ao lado do francês, antecipou as intenções de seu oponente. Como Mbappe acelerou, o mesmo aconteceu com Van Dijk.

Ele colocou uma mão no braço esquerdo do adolescente para desequilibrá-lo, e quando o número 10 da França lançou um chute com o pé direito, van Dijk esticou sua longa perna para produzir um bloqueio impecavelmente cronometrado.

A Holanda acabou por perder o jogo pelo placar de 2 a 1 e van Dijk foi parcialmente culpado pelo gol da vitória de Olivier Giroud, mas o seu desafio contra Mbappe demonstrou as suas qualidades notáveis.

Ele foi creditado como a escolha isolada dos problemas defensivos do Liverpool sob o comando de Jurgen Klopp, e o comentarista da Sky Sports e a lenda do Liverpool, Jamie Carragher, o rotulou de “o melhor zagueiro da Premier League”.

Van Dijk foi a contratação mais cara da história do Liverpool (Foto: Getty Images)
Leia mais

Manchester United x Liverpool: quem leva a melhor no histórico de confrontos?

Aos 27 anos e com apenas 21 aparições pela seleção holandesa, ele está atrasado para um moderno zagueiro internacional. O francês Raphael Varane, dois anos mais novo que van Dijk, já teve 51 partidas por sua seleção.

Na idade de van Dijk, Sergio Ramos já havia feito mais de 100 de aparições internacionais, enquanto Gerard Piqué e Diego Godín estavam em torno da marca de 60 jogos.

É uma história semelhante na Liga dos Campeões. Ramos jogou futebol de Champions League a cada temporada desde que ele tinha 19 anos, Piqué desde que tinha 20 anos e Varane desde que ele era um sub-18.

Antes de Van Dijk se juntar ao Liverpool a partir do Southampton no meio da última temporada, os seis jogos da fase de grupos pelo Celtic em 2013/14 representou toda a extensão de sua experiência na competição fora das etapas de qualificação.

Então, o que levou van Dijk a esperar tanto tempo?

Pieter Huistra encontrou van Dijk pela primeira vez enquanto treinava nos reservas do Ajax em 2009. Van Dijk, então com 18 anos, começou sua formação no Willem II, e enquanto sua posição mudava a cada partida, sua habilidade já se destacava.

“Ele às vezes jogava na equipe reserva, às vezes no sub-19”, disse Huistra ao Bleacher Report.

“Às vezes ele era um defensor, às vezes ele jogava como atacante. Mesmo assim, ele tinha uma presença nele; sua altura, sua maneira de jogar. Poderíamos ver que ele não estava totalmente maduro. Ele ainda era um pouco desengonçado, mas chamou a atenção.”

Huistra foi nomeado treinador principal do Groningen no ano seguinte e ficou intrigado ao trabalhar com van Dijk, que deixou o Willem II depois de ficar frustrado com a falta de oportunidades na equipe principal.

A mudança foi um desafio para van Dijk, em vários aspectos. O Willem II fica na cidade de Tilburg, no sul da Holanda, que fica a 35 minutos de carro do distrito de Haagse Beemden, em Breda, onde Van Dijk cresceu, enquanto Groningen ficava há 160 milhas ao norte.

Leia mais

Liverpool do Boot Room, parte 2: Paisley, Fagan e o espírito do Boot Room

Van Dijk às vezes era relutante com os treinos, e Huistra trabalhou muito para melhorar sua “disciplina profissional”. Inicialmente restrito à equipe reserva do Groningen, ele teve que esperar até maio de 2011 para fazer sua estreia no time principal.

Van Dijk estabeleceu-se na primeira equipe na temporada seguinte, mas apesar de ter sido monitorado pelo Ajax e por outros grandes clubes da Holanda, nenhum deles fez alguma investida.

Huistra, no entanto, sente que as preocupações das principais equipes do país foram equivocadas e compara o caminho de desenvolvimento de Van Dijk ao do ex-zagueiro do Manchester United Jaap Stam.

Outro grande zagueiro holandês, Stam teve de navegar pelos remansos do FC Zwolle , SC Cambuur e, como Van Dijk, Willem II, antes de ter uma chance no PSV Eindhoven .

“Na Holanda, quando você não está na academia do Ajax, PSV ou Feyenoord, os olheiros tendem a ser céticos. ‘Por que ele está na academia do Willem II? Há provavelmente algo de errado.' Você pode comparar Virgil a Jaap Stam de uma certa maneira. Como Virgil, ele subiu devagar”, explica o antigo técnico do zagueiro do Liverpool.

Do Celtic e Premier League

Os grandes clubes da Europa poderiam estar se perguntando se van Dijk realmente valia alguma coisa, mas o Celtic não tinha dúvidas sobre seu potencial.

“De vez em quando você se depara com jogadores que fazem você ter uma atenção extra, e no caso de Virgil pude ver que ele tinha todas as ferramentas possíveis para ter uma boa carreira”, diz Neil McGuinness, um ex-olheiro do Celtic que começou a acompanhar Van Dijk em 2011.

McGuinness primeiro foi assistir van Dijk quando o Groningen viajou para se encontrar com o Vitesse Arnhem em fevereiro de 2013, e ficou impressionado com a “tranquilidade” com que lidou com Wilfried Bony, que terminaria a temporada como artilheiro da Eredivisie com 31 gols.

“Ele não ficou nervoso, e quando você é tão jovem e joga contra um cara como Bony, que estava em ótima forma na época, isso mostra um forte sinal de caráter”, lembra McGuinness.

Johan Mjallby, assistente do então técnico do Celtic Neil Lennon, foi despachado para assistir ao último jogo do Groningen e também voltou para casa com um relatório brilhante.

“Eu pensei que ele iria nos fortalecer, não apenas com sua liderança, mas porque ele era um menino grande e forte, ele era rápido para o seu tamanho e ele era um grande jogador de futebol”, diz Mjallby ao Bleacher Report.

Mjallby, um intransigente zagueiro-central durante os seus dias de jogo, ridiculariza a sugestão de que ele poderia ter desempenhado um papel significativo no desenvolvimento do futebol de van Dijk após a chegada do holandês ao Celtic Park, em junho de 2013. “Ele realmente não precisava de nenhum conselho meu”.

Virgil van Dijk, um dos pilares desse novo Southampton (Divulgação/BPI/Michael Zemanek)
Leia mais

Os 10 maiores holandeses da era Premier League

Mjallby está confuso sobre o porquê, depois de deixar o Celtic em 2015, Van Dijk foi capaz de passar duas temporadas e meia no Southampton antes de ser abocanhado por um dos principais clubes da Europa, mas ele acredita que o processo de aclimatação prolongado serviu muito bem para ele.

“Eu realmente não sei por que ele levou alguns anos no Southampton antes dele realmente brilhar, mas eu acho que foi inteligente da parte dele ficar pelo menos dois anos no Celtic e depois ficar no Southampton um pouco”, diz o treinador.

“Demorou algum tempo, mas talvez isso tenha acontecido porque ele estava se acostumando com a velocidade do jogo e jogando contra jogadores de classe mundial semana após semana.”

Carragher acredita que van Dijk pode um dia ser lembrado ao lado de lendas do Anfield Road, como Alan Hansen, e Mjallby acha que ele pode ganhar alguns grandes troféus com o Liverpool ou com a seleção.

“Se ele ganhar troféus, você tem que começar a falar sobre ele desta forma”, diz ele. “Ele tem todas as chances para isso.”

Matéria originalmente escrita por Tom Williams, do Bleacher Report. Para ler a notícia em inglês, clique aqui.