United Trinity: as temporadas de ouro de Law, Charlton e Best

Trio de craques fez história com a camisa dos Red Devils

0
228
United Trinity: as temporadas de ouro de Law, Charlton e Best
(Foto: Christopher Furlong/Getty Images)

Há um seleto grupo de clubes no mundo que ostentam a capacidade de manter jogadores de nível “global”. Um grupo ainda menor mantém, dentre esses jogadores, aqueles agraciados com o título de “melhor do mundo”. E menos times ainda possuem mais de um jogador de tal calibre em seu histórico. E quase nenhum clube teve três deles jogando simultaneamente.

Mas o Manchester United obteve tal glória. Denis LawBobby CharltonGeorge Best, respectivamente, ganharam o Ballon D'Or. A premiação foi criada pela revista France Football. Devido à sua abrangência limitada, o prêmio também já foi chamado de Futebolista do Ano da Europa.

Sejamos justos: chama atenção na estante. (Foto: France Football)

O Rei

“Here comes a goal”, pensavam os devils ao verem isso.
(Foto: Don Morley/Allsport)

Denis Law foi o primeiro do trio vermelho a obter a tão sonhada Bola de Ouro. Na temporada 1963-64, o United ficou sem títulos.

Contudo, a temporada infeliz do clube de Manchester não abalou Law. O atacante escocês marcou um total de 46 gols em todas as competições, estabelecendo um recorde que ainda se mantém em Old Trafford.

Pela seleção escocesa, Law teve cinco presenças e marcou um tento. Entrou também para a “seleção do mundo” da revista inglesa World Soccer naquele ano.

O Maestro Sobrevivente

Em 1966, o segundo troféu dourado viria para Manchester. Mais precisamente nas mãos de Sir Bobby Charlton.

Como se respeitando uma tradição, a temporada 1965-66 terminou sem troféus novos em Old Trafford, mas um novo na estante de um inglês. Naquele período, Charlton fez 54 partidas e marcou 18 gols.

Muito mais talento do que cabelo.

O número pode parecer comum, até se levar em conta o fato de que Sir Bobby Charlton era um meio-campista. E 1966 ainda guardava mais para o inglês; aliás, para toda a Inglaterra.

Os ingleses disputaram a Copa do Mundo em casa naquele ano, e tinha em Charlton sua referência de criação e ataque. E em uma final que entraria para a história, o Red Devil garantiu que a taça internacional ficasse onde nasceu.

Pela seleção inglesa em 1966, Sir Bobby Charlton fez 15 jogos e marcou seis gols.

Além do Ballon D'Or, em 1966, ganhou também o Jogador do Ano da Associação de Jornalistas, o Melhor Jogador da final da Copa do Mundo e entrou para a seleção do torneio.

LEIA MAIS: Bobby Charlton: o craque que driblou a morte

O melhor

A fim de abrir este excerto, poderia citar aqui qualquer uma das incontáveis frases de efeito de George Best. Entretanto, preferi escolher palavras provenientes de outra pessoa, escritas em uma carta endereçada ao eterno ponta direita norte-irlandês:

“Do segundo melhor jogador de todos os tempos, Pelé.”

Diferentemente de seus colegas da United Trinity, Best levou o Ballon D'Or em uma temporada vitoriosa do Manchester United. Em 1967-68, os Red Devils levaram a European Cup (atual Champions League); a primeira do time e da liga inglesa.

No período, Best fez 53 jogos e anotou 32 gols. O Quinto Beatle encantou o mundo todo ao assumir a responsabilidade e eliminar o poderoso Benfica na final da European Cup.

Maradona's good, Pelé's better, George is the Best. (Foto: Rex/Shuterstock)

LEIA MAIS: George Best, ascensão e queda de uma lenda esquecida

Sem dúvidas, a década de 1960 provou-se mágica em Old Trafford. Podemos dizer até que o estádio foi um verdadeiro teatro dos sonhos… Não, preciso pensar em outra coisa. Sir Bobby Charlton já guardou essa.