O que esperar do treinador Frank Lampard no Chelsea?

ídolo dos Blues retorna ao clube do coração agora em nova função

1
302

À esta altura do campeonato, já se confirmou um grande rumor do futebol inglês neste verão europeu: Frank Lampard é o novo treinador do Chelsea. O inglês de 41 anos terá o maior desafio da sua curta carreira como treinador à frente do clube que é ídolo. Conhecemos bem o atleta, mas o que esperar do treinador Frank Lampard?

Em campo, Lampard teve vários treinadores de peso: Carlo Ancelotti e José Mourinho se destacam, mas o treinador também foi comandado por Sven-Goran Erikssen, Manuel Pellegrini e Fábio Capello. São treinadores importantes, com conquistas e reputação fort,e e o inglês sabe que esse histórico é importante, mas não suficiente.

“Ser manager é conseguir reunir tudo dos managers que você já trabalhou, seja bom ou ruim e construir algo próprio. Esse é o truque. Não é tentar copiar ninguém, é tentar pegar as informações e deixar aquilo com sua cara” – Frank lampard

A curta experiência como treinador do Derby County, na Championship, pode ajudar um pouco a clarear essa expectativa. Frank comandou a equipe por uma temporada completa, conseguindo importantes resultados. O acesso para a elite inglesa não veio – e nem era esperado, porém o time apresentou consistência e evidenciou algumas virtudes do agora treinador.

Os resultados

Como técnico Lampard quer manter a fama de vencedor que teve nos tempos de jogador (Foto: Twitter DCFC)

O Derby County foi sexto colocado na Segundona, chegando aos playoffs e perdendo o último jogo; foi eliminado na quarta rodada da Copa da Liga e na quinta rodada da Copa da Inglaterra.

Lampard conseguiu chegar mais longe com o Derby do que o seu antecessor Gary Rowett. Após bater o badalado Leeds United na semifinal dos playoffs, seus comandados caíram frente ao Aston Villa e ficaram longe da Premier League por mais um ano. Rowett havia também classificado a equipe para os playoffs, mas não conseguiu chegar ao jogo final.

Nas Copas, foi responsável por algumas surpresas. A maior delas na Copa da Liga, quando eliminou, nos pênaltis, o todo poderoso Manchester United, treinado pelo português José Mourinho. A desclassificação veio ante o Chelsea, na quarta fase da competição.

Na Copa da Inglaterra, também bateu um clube da elite: a vítima da vez foi o Southampton, também nos pênaltis. Após dois empates por 2 a 2, a equipe se garantiu nos pênaltis. Foi eliminado na quinta fase, pelo Brighton. 

Os desempenhos em Copas podem ser marcados por irregularidades e fatores aleatórios que decidem o jogo em apenas uma vaga. Porém era possível ver uma equipe que sabia jogar de acordo com o que o adversário propunha.

Quando inferior tecnicamente, jogava mais fechado esperando uma chance de reagir. Quando superior, sabia propor e tentava dominar as ações em campo.

O desempenho do treinador Frank Lampard

No campeonato mais longo do ano, a equipe se manteve sempre na briga por uma vaga nos playoffs. Se mantendo no pelotão intermediário e oscilando entre sexto e sétimo lugar, Lampard conseguiu tirar o melhor possível do seu elenco. Destaque para como soube trabalhar com os jovens Harry Wilson, emprestado junto ao Liverpool e Mason Mount, emprestado junto ao Chelsea.

O treinador utilizou majoritariamente dois esquemas ao longo do ano: 4-3-3 e 4-3-2-1. Os esquemas tinham como objetivo deixar sempre a defesa sólida, compacta e com opções para a saída de jogo pelas laterais. Os volantes se aproximavam dos zagueiros e buscavam distribuir junto aos laterais para realizar a progressão do jogo. Essa situação se repetia quando a equipe era superior ao seu adversário.

Quando o time adversário não permitia que o County propusesse o jogo, a equipe se portava de maneira diferente. Defendendo-se em bloco e congestionando a área central do campo para que o adversário fosse levado às laterais, onde volantes, junto dos laterais e dos wingers conseguissem minimizar os riscos do ataque rival.

Mesmo com ideias claras, às vezes a equipe falhava em alcançar seus objetivos, esbarrando na limitação técnica dos seus jogadores. Lampard conseguiu potencializar os jovens Wilson e Mount, mas tinha em mãos um elenco que não era dos mais fartos nem talentosos. Isso se mostrou presente ao longo da temporada, no momento em que era preciso mexer em uma das peças principais da equipe e a qualidade do coletivo caía.

Leia mais: As mudanças nos troféus ingleses ao longo dos anos

A principal dúvida envolvendo Lampard agora é outras: ele será capaz de tocar um grande clube? O bom trabalho com os jovens no County chamou a atenção e é algo que se mostra necessário no Chelsea, que não aproveita muito os próprios atletas da base.

O respeito no vestiário certamente existirá e caberá ao futuro mostrar como será a nova caminhada de Frank Lampard no Stamford Bridge.

1 COMENTÁRIO

Comments are closed.