Quem é Tom Davies, o menino que destruiu o Manchester City?

O jovem inglês mostrou ao mundo o seu potencial no melhor jogo da curta “Era Koeman”

2
323
Tom Davies
Média de posicionamento de Davis durante o jogo contra o City (Dados: SofaScore)

O que você estava fazendo com 18 anos? Um jovem loiro inglês estava destruindo um dos times mais ricos do mundo. Estamos falando de Tom Davies. A cria dos Toffees que, sempre usando os meiões arriados no meio da canela, trucidou o experiente time do Manchester City de Pep Guardiola, no dia 15/01/2017, no Goodison Park.

Tom Davies: futebol no DNA

Goodison Park on fire com o menino! (Photo by Alex Livesey/Getty Images)

Thomas Davies, nascido em em junho de 1998 (durante a Copa do Mundo da França), na própria cidade de Liverpool, entrou na academia de futebol do Everton aos 11 anos de idade. A partir desse momento foi ganhando notoriedade por seu trabalho sólido, por sua marcação firme e por sua energia que parece não acabar.

Tem sido convocado com frequência para as seleções de base da Inglaterra, desde a sub 16. Hoje em dia é capitão da seleção sub 19.

Pelo seu destaque, foi uma vez convidado por Roy Hogdson para treinar com a seleção principal no St James Park, quando ainda tinha 17 anos. Passados os treinos, ele revelou as palavras do técnico: “Continue ouvindo, continue aprendendo, continue fazendo o que você está fazendo”, aconselhou Hogdson.

Veja mais: 10 jogadores que passaram pelo Leicester que talvez você nem saiba
O jovem Tom Davies

O futebol faz parte da família de Davies. Ele é sobrinho do também ex-jogador do Everton, Alan Whittle.

Hoje com 66 anos, o inglês, também caracteristicamente loiro, atuou pelos Toffees entre 1967 e 1972, fazendo 74 jogos e anotando 21 gols. Whittle também veio da base do Everton e foi campeão da Liga na temporada 1969/70, sendo o terceiro artilheiro do time, com um gol atrás da lenda dos Toffees, Alan Ball (detalhe: Ball fez 12 gols em 41 jogos, já Whittle fez 11 gols em 18 jogos).

Como se não bastasse, ainda marcou um gol no derby contra o Liverpool antes de ser vendido para o Crystal Palace. O irmão de Tom, Liam Davies, também é jogador profissional e atua no Tranmere Rovers.

Seu tio, Alan Whittle, quando atuava pelo Everton

Início de Tom Davies no Everton

O jovem britânico assinou o seu primeiro contrato profissional em setembro de 2015, por um período de dois anos. Em abril de 2016 veio sua estreia como profissional, ainda sob o comando de Roberto Martinez. No Goodison Park, em um jogo que terminou 1 a 1 contra o Southampton, Davies saiu do banco para substituir Darron Gibson e jogar sete minutos.

Já no penúltimo jogo da temporada contra o Norwich (já sem Martinez), o inglês começou como titular e jogou os 90 minutos. No dia 3 de agosto de 2016, o jogador renovou o seu contrato com o Everton por mais 5 anos. Portanto, tem vínculo com os Toffees até 2021.

No dia 15/01/2017, Davies mostrou ao mundo o seu futebol e encantou os torcedores dos Toffees, ao ser o principal jogador da maior goleada já sofrida por Pep Guardiola em sua carreira.

Os números da atuação de Tom Davies não foram exuberantes, mas sua performance e entrega dentro de campo, sabendo fechar os espaços e puxando jogadas importantes foram decisivos no massacre ocorrido no Goodison Park.

Leia mais: 7 destaques sub-23 da Championship contratados para a Premier League

Durante a transmissão do jogo pela ESPN, o narrador Rômulo Mendonça até chegou a qualificar Tom Davies como “onipresente”. Foi seu o começo da jogada que resultou no primeiro gol dos Toffees.

Ao interceptar um passe no meio de campo, o atleta correu com a bola e tocou em profundidade para Mirallas que rolou para Lukaku marcar. No último minuto do primeiro tempo, Tom Davies salvou uma bola em cima da linha na cabeçada de Sagna.

E para completar o dia mágico, o jovem inglês pegou a sobra de uma interceptação de outro jovem, Mason Holgate, e disparou pelo lado do campo. Com um drible de letra tirou dois marcadores e tocou para Barkley que devolveu para Tom que teve calma suficiente para dar uma linda cavadinha e matar o goleiro Bravo. Golaço!

Média de posicionamento de Davies durante a             partida contra o City (Dados: SofaScore)

A joia do Goodison Park

Davies parece ter surgido em um momento propício para o Everton, quando este sofria mais com a transição defesa ataque, conforme já falamos em um texto anterior aqui. Davies tem personalidade, joga com a cabeça erguida. É agressivo no ataque, principalmente levando em conta seus passes longos e em profundidade.

Ele tem uma média de passes de 17 metros. Joga como um verdadeiro camisa 8. A dupla com Barkley (ambos ingleses) funcionou de maneira magnífica.

Além de tudo, é tenaz na marcação. Não desiste da jogada e é cheio de paixão pelo time que torce e que o acolheu. Tem muito a melhorar ainda em relação a precisão dos passes (sua média de acertos no último jogo foi de 67%) e precisa de mais calma na marcação, pois fez algumas faltas perigosas.

Mas nota-se nele uma grande bravura para substituir ninguém menos que Idrissa Gueye, que é o líder de desarmes do campeonato, tendo roubado a bola 92 vezes e com média de 84% de aproveitamento nos passes, sendo considerado por muitos a melhor contratação da janela e uma das melhores do Everton em muitos anos.

Passes corretos em verde e errados em vermelho                          (Dados: Squawka)
Leia mais: Modo Carreira do FIFA 20: 10 promessas sub-20 baratas para contratar

O futuro parece brilhante para o garoto! Há muito a amadurecer ainda, mas é um fato que trata-se de um jogador que tanto o Everton quanto a própria Inglaterra precisam cuidar com muito carinho. Davies mostrou, em um jogo, ter o espírito que guiou grandes lendas do Everton no decorrer dos anos: raça e paixão, aliadas a uma boa técnica. O dia 15/01/2017 ficará marcado na história dele pelo seu primeiro gol como profissional, além de ter recebido o prêmio de melhor jogador em campo. Tudo isso com 18 anos!

Ele aplicou em campo o mote dos Toffees: Nil Satis Nisi Optimum, ou seja, nada é suficiente, senão o melhor!

2 COMENTÁRIOS

  1. Olá! Muito bom texto, só gostaria de fazer uma correção:
    “Whittle também veio da base do Everton e foi campeão da Liga na temporada 1970-71” – O campeão da temporada 70-71 foi o Arsenal.

Comments are closed.