Balanço da temporada 2018/2019 do Manchester City na Premier League

Citizens conseguiram o bicampeonato com campanha impecável

0
302
Confira os 5 maiores argentinos na história da Premier League

Balanço da temporada 2018/2019 do Manchester City na Premier League

Pela primeira vez uma equipe foi bicampeã inglesa desde 2007-2008 com o Manchester United – e, dessa vez, foi exatamente o rival da cidade, o City. Depois de uma temporada que teve uma corrida pelo título memorável, os Sky Blues reinaram no fim por um ponto sobre o Liverpool – 98 a 97.

Os comandados de Pep Guardiola começaram lentos em relação ao intenso Liverpool. Em um dado momento, o City chegou a ficar sete pontos dos rivais, margem mantida por algumas rodadas. Mas, em outubro, no primeiro confronto direto em Anfield, os Citizens conseguiram segurar o empate por 0 a 0.

Leia mais: PL Brasil Press Awards: a opinião dos jornalistas sobre a temporada 2018/2019

No natal, o Liverpool liderava por nove pontos em relação ao City, mas com um jogo a mais. Logo na virada do ano, o time azul de Manchester enfrentou, no Etihad, os Reds pela segunda vez na temporada da Premier League.

E não deu outra. Vitória sofrida, mas merecida, e aproximação conquistada. Com um turno inteiro por acontecer, era possível ultrapassar os comandados de Jürgen Klopp, mas não era dependendo dos próprios esforços apenas.

Janeiro, inclusive, foi a última tropeçada do time na temporada. Derrota para o Newcastle no dia 29, pela 24ª rodada e desde então foram só vitórias. Catorze para ser mais preciso. Da 25ª até a 38ª contra o Brighton, fora de casa, no último domingo, 12. Dia de confirmação do título do City, que contou com alguns empates do Liverpool na sua caminhada para assumir a liderança.

A temporada impecável do Manchester City, aliás, pode terminar com o primeiro treble (tríplice coroa) nacional da história da Inglaterra – campeão da Premier League, Copa da Liga Inglesa e Copa da Inglaterra. A final da FA Cup acontece no próximo sábado, 18, contra o Watford. É o que falta, pois os outros dois já tem.

Destaque

Sterling of Manchester City celebrates after scoring the opening goal during Manchester City and Chelsea FC (Photo by Alex Livesey – Danehouse/Getty Images)

Desde que Sterling chegou ao Manchester City, o jogador entrou em uma crescente de desempenho. Com Pep Guardiola, essa melhora de performance só alavancou. E nesta temporada ele mostrou que, ao lado de Sergio Agüero, é o jogador mais fundamental do esquema do treinador catalão.

Sterling participou ativamente de 27 gols na Premier League, sendo 17 tentos marcados e 10 assistências. Ano passado foram 29 participações, mantendo a média no bicampeonato e calando a boca dos críticos. Em 2018/19, ficou apenas cinco gols atrás dos artilheiros na temporada.

A representatividade do inglês, aliás, aumentou bastante em 2019. Ele decidiu ser ainda mais ativo fora dos campos nas lutas pelas minorias. Expôs a diferença na forma de tratamento da mídia inglesa com os jogadores negros e os brancos e sabia que teria consequências.

Não se abalou. Foi para cima, assim como faz em campo. Sterling foi, de fato, o jogador e pessoa da temporada do Manchester City.

Decepção

Principal – e única – contratação da temporada do Manchester City, o argelino Mahrez chegou como um jogador de rotação, para ajudar na grande troca de pontas ao longo do ano. Mas, logo no primeiro jogo oficial, entrou como titular e mandou na partida. Era esperado, a partir dali, que o ex-Leicester aparecesse mais na temporada. Ledo engano.

Entrou em campo 27 vezes, das quais 13 foram como reserva. Marcou sete gols, incluindo o terceiro da vitória por 4 a 1 sobre o Brighton na última temporada. Assistiu seus companheiros sete vezes ao longo dessas aparições, participando apenas 11 vezes de gols de forma direta. Pouco para quem chegou 60 milhões de libras.

Revelação

Promessa ucraniana, Oleksandr Zinchenko provou o seu valor nesta temporada. Com as recorrentes lesões de Benjamin Mendy e a queda de rendimento de Fabian Delph, o jovem, de 22 anos, agradou Pep Guardiola atuando como lateral que infiltra por dentro – algo essencial no modelo de jogo do treinador.

O camisa 35, que é meio-campista de origem, cresceu de rendimento na segunda etapa da temporada, tomou a vaga de Delph e não saiu mais do time titular.

Prova disso é que ele encerrou a temporada 2018/19 com 28 jogos, um gol e cinco assistências na conta. Dados amplamente superiores aos da época passada, quando entrou em campo 14 vezes, não participou diretamente de nenhum tento dos Citizens e esteve à sombra de Delph.

Amadurecido e potencializado por Guardiola, cativou até Andriy Shevchenko, comandante da seleção ucraniana, que o colocou como titular nos últimos quatro partidas do selecionado.

ESTATÍSTICAS

Primeira posição com 98 pontos;

32 vitórias, dois empates e quatro derrotas;

95 gols feitos (melhor ataque) e 23 sofridos (segunda melhor defesa);

Artilheiros: Agüero (21 gols), Sterling (17), Sané (10), Gabriel Jesus (7) e Mahrez (7);

Líderes de assistências: Sané (10 assistências), Sterling (10), Agüero (8), David Silva (8) e Bernardo Silva (7).