Balanço da temporada 2018/2019 do Bournemouth na Premier League

Remontamos a temporada 2018/2019 do Bournemouth na Premier League!

0
190
37ª rodada da Premier League: confira o resumo dos jogos

Balanço da temporada 2018/2019 do Bournemouth na Premier League

Mais uma temporada se passou, e o Bournemouth ficou. Aliás, fez mais do que ficar. A de 2018/2019, a quarta consecutiva dos Cherries na Premier League, seguiu o padrão das últimas, com uma posição mediana na tabela e regularidade dentro de campo.

A temporada do Bournemouth foi de altos e baixos, como qualquer equipe. Talvez este seja o grande mérito do técnico Eddie Howe e seus comandados. Fazer de um dos menores investimentos na liga um projeto estável e de longo prazo, que cada vez mais se preocupa com o sucesso e menos com o possível fracasso.

Em sua quarta PL seguida, Cherries terminaram em 14º (Foto: Reprodução/Premier League)

Um dos reflexos disto é a manutenção do elenco, mesmo com “ativos” valiosos no mercado da bola, como Joshua King, Callum Wilson e Ryan Fraser. Dos jogadores mais utilizados na temporada 2017/2018, deixaram o clube apenas o atacante Afobe e o meia Max Gradel, e Jermain Defoe foi cedido ao Rangers de Steven Gerrard.

Na lista de chegadas, muitos jovens, como o atacante Solanke (21 anos), o zagueiro Mephan (21) e o meia Brooks (20), além do volante Lerma, a contratação mais cara da história do clube, e o lateral esquerdo Rico.

Se aproveitando do entrosamento da temporada anterior, o Bournemouth começou bem a Premier League, se mantendo colado no “G6” nas dez primeiras rodadas e chegando a ficar outubro inteiro invicto, sequência que rendeu a Eddie Howe o prêmio de melhor técnico do mês.

Com o deste ano, Eddie Howe soma três prêmios “Manager of The Month” na carreira (Foto: Reprodução/Premier League)

Leia mais: PL Brasil Press Awards: a opinião dos jornalistas sobre a temporada 2018/2019

Um novembro difícil, porém, com quatro derrotas em sequência jogou os Cherries mais próximos da realidade e com uma certa instabilidade após o baque.

No ano novo, a equipe se acertou. Nathaniel Clyne foi emprestado pelo Liverpool e deu um gás novo a um grupo que começava a sofrer com lesões, e experiência num normal período de turbulência dentro de uma competição longa.

Pressionado, Eddie Howe não mudou seu consagrado 4-4-2, mas conseguiu retomar a intensidade e o nível de jogo apresentado no início do campeonato.

Sua equipe emendou três vitórias em sequência em janeiro, incluindo a histórica goleada por 4 a 0 sobre o Chelsea, o grande momento dos Cherries no ano.

A vitória não serviu para impulsionar a colocação do time, até porque foi seguida novamente pela difícil sequência com Liverpool, Arsenal e City, mas consolidou sua regularidade pelo resto da competição, sem grandes momentos mas também sem perder pontos para adversários diretos.

Destaque 

Aos 25 anos, Fraser deve ser é cobiçado no mercado de transferências (Foto: TalkSport)

Atuando majoritariamente pela meia esquerda, Ryan Fraser foi o líder técnico do Bournemouth. Seus dribles em progressão foram essenciais para as transições velozes e dinâmicas armadas por Eddie Howe, e sua contribuição ofensiva foi fantástica.

Foram sete gols e quatorze assistências (segundo melhor da PL no quesito) do escocês em trinta e sete jogos, o que significa que participou diretamente de 40% da produção do ataque dos Cherries na Premier League, fora a criação de outras 28 chances claras de gol, segundo dados do SofaScore.

Leia mais: A surpreendente temporada de Ryan Fraser, destaque do Bournemouth

Decepção 

Ibe deixou o gol dele pra última rodada, na derrota por 5 a 3 para o Crystal Palace (Foto: Premier League)

O meia forte, insinuante e driblador não conseguiu ter o mesmo impacto na equipe como na última temporada. Ibe jogou apenas dezoito jogos na Premier League, fez apenas um gol, na última rodada, e contribuiu com apenas uma assistência.

Seu desempenho caiu praticamente pela metade. Em 2017/2018, jogou 32 partidas, distribuiu seis assistências e ainda marcou dois gols.

O número de duelos ganhos (3) e passes certos por partida (17) também foi superior no campeonato anterior (em 2018/2019 foram 2 e 10, respectivamente), indicando sua menor participação nas jogadas ofensivas.

Revelação 

Dinâmica, velocidade e poder de decisão: as armas de David Brooks, a revelação do Bournemouth (Foto: Premier League)

Contratado do Sheffield United por onze milhões de euros, David Brooks surpreendeu com a velocidade que se tornou peça-chave do ataque dos Cherries, podendo cair pelos lados ou jogar centralizado.

Aos vinte anos de idade, o galês não sentiu o peso de sua primeira Premier League. Marcou sete gols e deu cinco assistências em trinta e um jogos, tendo começado como titular em trinta deles.

Estatísticas da temporada do Newcastle 

  • 14ª posição com 45 pontos
  • 13 vitórias, 6 empates e 19 derrotas
  • 56 gols feitos (7º melhor ataque) e 70 gols sofridos (3ª pior defesa)
  • Artilheiros: Callum Wilson (14), Joshua King (12), David Brooks (7), Ryan Fraser (7)
  • Líderes de assistências: Ryan Fraser (14 – 2º melhor da PL), Callum Wilson (9), David Brooks (5), Joshua King (3)
  • Jogadores com mais partidas disputadas: Ryan Fraser (38), Nathan Aké (38), Joshua King (35), Steve Cook (31), David Brooks (30)