Técnico do futebol inglês proíbe jogadores de comemorar gols: ‘Não vejo sentido’

4 minutos de leitura

Enquanto a Premier League está pausada para as partidas de data Fifa, a quarta divisão do futebol inglês segue normalmente. Nigel Clough, técnico do Mansfield Town, atual terceiro lugar da League Two, deu uma declaração curiosa em entrevista à BBC Radio Nottingham. 

Filho do lendário Brian Clough, o treinador, que venceu a Copa da Liga Inglesa com o Nottingham Forest quando ainda era jogador, disse que orientou seus atletas a pararem de comemorar gols de forma “entusiasmada”.

Jogadores do Mansfield Town não podem comemorar gols

O técnico contou que prefere que os jogadores reservem a energia para o jogo, sem perder a concentração por causa de um momento de euforia. Em vez disso, a equipe tem optado por apenas agradecer à torcida depois do apito final.

— Eu realmente não vejo sentido em comemorar gols quando o jogo ainda está equilibrado. Se você marca um gol da vitória no último minuto e sabe que é quase o último chute do jogo, então, com certeza. Mas comemore no final do jogo, e é por isso que nós [Mansfield] sempre recorremos à torcida.

A cautela do treinador evitaria momentos como o de Rodri, que comemorou efusivamente o quarto gol do Manchester City contra o Chelsea no último domingo (12), pela Premier League, mas viu Cole Palmer empatar a partida nos acréscimos, terminando em 4 a 4.

— Sim, você tem aquele momento individual quando marca, mas acho que é um pouco exagerado (comemorar). (…) No final do jogo, se você teve a sorte de vencer, então é hora de comemorar. Até no final da temporada, porque, sim, você comemora cada vitória, cada jogo de invencibilidade, mas se não conseguir nada, é um pouco desperdiçado.

Clough ainda usou como exemplo a época em que ainda jogava pelo Forest, entre 1984 e 1993, quando as comemorações dos jogadores eram mais reservadas e não havia a quantidade de câmeras gravando, transmitindo e tirando fotos que existe hoje.

— Você recebia um tapinha nas costas, um tapinha na cabeça ou alguém apertava sua mão – pessoas como Ian Bowyer ou Garry Birtles, que ganharam Liga dos Campeões. E mesmo quando você os vê marcando nas semifinais da Copa da Europa, ou mesmo na final, não havia a correria para a bandeira de escanteio e tudo mais. Eles sabiam que, uma vez reiniciado (o jogo), você precisa de toda a energia para recuperar a bola e tentar se manter na frente do placar, ou aumentá-lo.

Maria Tereza Santos
Maria Tereza Santos

Me formei em Jornalismo pela PUC-SP em 2020. Antes de escrever para a PL Brasil, fui editora na ESPN e repórter na Veja Saúde, Folha de S.Paulo e Superesportes.