Tudo mudou para melhor no Tottenham, o futuro é promissor e o mundo já vê o clube com outros olhos

5 minutos de leitura

É impressionante como, hoje, o Tottenham é completamente diferente do que era um ano atrás. Dentro e fora de campo, tudo mudou. E para melhor, em todos os aspectos. Na última década, o normal era o clube não contratar ninguém na janela de inverno. Pior: em 2018, tornou-se o primeiro time da história do atual formato de transferências da Premier League (introduzido em 2002) a não assinar com nenhum jogador na janela de verão.

E, nas raras ocasiões em que contratava, era sempre sofrido, com negociações arrastadas, fechando o negócio nas últimas de mercado aberto, entregando para o técnico um atleta com pouquíssimo tempo para se adaptar. A realidade está bem diferente.

Radu Dragusin era desejado por diversos clubes europeus. O Napoli, atual campeão italiano, tentou. O Bayern de Munique, que venceu as últimas 11 edições da Bundesliga, fez uma investida pesada. O Tottenham foi mais rápido. Já havia apresentado o projeto para o zagueiro de 21 anos. Pesou também o desejo de Dragusin em disputar a Premier League, é claro.

Mas, se voltássemos um ano no tempo, alguém acreditaria que um jovem promissor e cobiçado escolheria o Tottenham ao invés do Bayern? Acho difícil…

Foto: Icon Sport

Os Spurs teriam gastado 30 milhões de euros (número não confirmado pelos clubes) para tirar o jogador romeno do Genoa, mais o empréstimo de Djen Spence, com opção de compra. Com 1,91m, é bom na bola aérea, tanto na defesa quanto no ataque.

Dará certo? Impossível saber.

Ele vem de uma temporada e meia atuando em excelente nível. Disputou todas as 57 partidas do Genoa neste período, na segunda e na primeira divisão. Só que antes teve passagens apagadas pela Juventus e Salernitana. Mas, de novo, o que chama a atenção é a postura.

Com as lesões de Romero e Van de Ven, o clube precisava desesperadamente de um zagueiro. Identificou as oportunidades no mercado, foi atrás sem perder tempo, fez a proposta, lutou e garantiu a contratação.

Timo Werner teve rendimento abaixo do esperado no Chelsea. Ficou marcado por uma enorme quantidade de chances perdidas. Voltou para o RB Leipzig, mas não conseguiu repetir a excelente forma da primeira passagem pelo clube, quando fez 113 gols em 213 jogos. Aos 27 anos, estava meio esquecido.

E de repente… Tottenham contrata Timo Werner por empréstimo, com opção de compra no final da temporada. Foi ainda mais rápido que a investida sobre o Dragusin. Trata-se do melhor atacante do mundo? Longe disso. Mas, acho eu, ser uma opção boa e barata para o que o time precisa.

Son ficará bastante tempo fora por causa da Copa da Ásia. Solomon ainda se recupera de cirurgia no joelho. Richarlison aos poucos começa a render. Brennan Johnson também. Com a lesão de Maddison, Kulusevski às vezes é utilizado no meio, abrindo vaga no lado direito do ataque.

Timo Werner pode fazer todas essas funções: “Ele pode jogar pela esquerda, pela direita, pelo meio. Timo nos dá essa flexibilidade de jogar com ele em qualquer lugar, dependendo do jogo. Podemos mudar também durante a partida, e esse leque de opções nos fez ter interesse em contratá-lo”, declarou o técnico Ange Potescoglou.

Ange Postecoglou, treinador do Tottenham (Foto: Icon sport)

E por falar no treinador, é fácil identificá-lo como o principal responsável por essa gigantesca mudança de ares no clube. O futebol ofensivo e ousado que ele implementou fez jogadores e torcedores se sentirem alegres, confiantes. O mundo já vê o Tottenham com outros olhos, com muito mais respeito. Vale destacar também o ótimo trabalho que o diretor esportivo Johan Lange está fazendo.

Parece que a dupla Potescoglou/Lange finalmente conseguiu convencer Daniel Levy a voltar a pensar grande…

Para encerrar a série de boas notícias, as necessárias saídas para economizar dinheiro e abrir espaço no elenco. Além do já citado Spence, o jovem Ashley Phillips foi emprestado até o fim da temporada para o Plymouth. Hugo Lloris foi para o Los Angeles FC e Eric Dier para o Bayern de Munique.

Os dois últimos merecem toda a reverência da torcida, pelos muitos anos de serviços prestados com postura e profissionalismo impecáveis. Mas, era hora de novos ares. A renovação tem de ser completa. O Tottenham finalmente mira apenas o presente e o futuro. E as perspectivas são pra lá de promissoras.

(Foto: Icon Sport)
Renato Senise
Renato Senise

Renato Senise é correspondente em Londres desde 2016. São mais de cinco temporadas cobrindo Premier League e Champions League. No currículo, duas Copas do Mundo “in loco”, além de entrevistas com nomes como Pep Guardiola, José Mourinho, Juergen Klopp, Marcelo Bielsa, Neymar, Kevin De Bruyne e Harry Kane.