Seleção brasileira: Ederson revela o que Guardiola pensa sobre assumir o Brasil

2 minutos de leitura

A seleção brasileira fará seu primeiro jogo pós-Copa do Catar neste sábado (25), contra o Marrocos, no Grand Stade de Tange, em Tânger. Ainda sem um treinador definido, o técnico interino Ramon Menezes é quem estará à beira do gramado comandando o time brasileiro.

Enquanto isso, muitas movimentações estão sendo feitas para definir o novo técnico definitivo da seleção. Mesmo com poucas chances, Pep Guardiola está entre os nomes especulados. Mas a possibilidade parece cada vez mais distante.

O goleiro da seleção brasileira, Ederson, que é treinado por Guardiola no Manchester City, disse, em entrevista coletiva nesta terça-feira (21), que tocou no assunto com seu treinador, que, por sua vez, rechaçou a ideia de comandar a Canarinho.

“Eu cheguei a comentar e brincar com ele (Guardiola), mas ele falou que não tem possibilidade (de assumir a seleção brasileira), porque ele tem contrato com o City. Inclusive, há pouco tempo ele renovou por duas temporadas. Então, ele falou que não tem hipótese alguma”, declarou Ederson

O goleiro do City ainda apontou que, caso Guardiola assumisse a seleção, precisaria de tempo e paciência para trabalhar. “Primeiramente, eu acho que ele precisaria de tempo, porque todo treinador tem que ter seu tempo para colocar suas ideias em prática, e isso requer tempo. Isso aconteceu com ele no City e acontece com vários treinadores. Eles precisam de tempo para implementar a ideologia”, avaliou.

Ederson complementou dizendo que, em um cenário com Guardiola na seleção, seria necessária paciência do torcedor e da imprensa para que o técnico implementasse o seu trabalho.

“Caso ele viesse, ou venha, para a seleção, necessitaria de tempo para colocar todas as ideias dele, a maneira como quer que o time jogue. Isso leva tempo e exige paciência do torcedor e da imprensa. Sabemos que na seleção a cobrança é muito grande e o treinador não tem tempo para treinar. Então, o técnico que chega tem que dar a resposta logo, e isso nem sempre acontece. Mas seria top (Guardiola assumir a seleção)”, completou.

O goleiro titular do Manchester City, que tem 34 partidas na temporada, revelou estar ansioso para a a definição de um novo técnico para a seleção brasileira.

“Claro que nós (jogadores) esperamos que anunciem logo esse treinador (do Brasil). Eu também estou ansioso. São muitas especulações, treinadores brasileiros, treinadores estrangeiros… Então, a gente também vive essa fase de ansiedade”, finalizou.

Ancelotti na seleção brasileira?

Ederson também comentou sobre a chance de Carlo Ancelotti assumir o comando da seleção brasileira. O atual campeão espanhol e europeu não vive grande momento. Na última partida, o Barcelona bateu o Real Madrid nos minutos finais do clássico e ampliou a vantagem na liderança da LaLiga para 12 pontos.

“Eu estava até comentando com o Casemiro, Vinicius Junior, Militão. É grande a possibilidade de ele (Carlo Ancelotti) vir. É claro, vamos em busca desse resultado (eliminação do Real Madrid na Liga dos Campeões) para ele vir o mais rápido possível”, disse.

A Copa do Mundo do Catar foi o último ato da era Tite na seleção brasileira, que segue sem treinador. Em dois mundiais, o técnico ex-Corinthians não conseguiu passar das quartas de final e deixou o comando da equipe, tendo rescindido seu contrato em janeiro. Agora a CBF busca um sucessor para um novo ciclo.

Os nomes cogitados para assumir a seleção são: Carlo Ancelotti (Real Madrid), Abel Ferreira (Palmeiras), Jorge Jesus (Fenerbahçe) e Fernando Diniz (Fluminense). Também, correm por fora: Dorival Júnior e Luis Enrique, ambos estão sem clube.

Romulo Giacomin
Romulo Giacomin

Formado em Jornalismo na UFOP, passou por Mais Minas, Esporte News Mundo e Estado de Minas. Atualmente, escreve para a Premier League Brasil.