R$ 858 milhões: salário de Neymar na Arábia Saudita é maior que o PIB de 2 países

4 minutos de leitura

A contratação de Neymar pelo Al Hilal está confirmada. O brasileiro é mais um na leva de jogadores migrando do futebol europeu para compor o elencos de times da liga saudita. Depois de seis anos de altos e baixos no PSG, o atacante é o mais novo contratado pelo time comandado pelo português Jorge Jesus.

A negociação de Neymar é histórica não apenas pelo valor da venda — fechada em pouco menos de 100 milhões de euros, segundo o jornalista Fabrizio Romano –, mas também pelo salário acertado com o atleta. O brasileiro já era dono da contratação mais cara da história do futebol. Agora, ele se torna a maior venda realizada pelo PSG, além de ser a maior compra feita por um clube de fora da Europa.

Qual vai ser o salário de Neymar na Arábia Saudita?

Neymar assinará um contrato de duas temporadas com o atual campeão da Champions League da Ásia. De acordo com o “ge”, o brasileiro receberá 320 milhões de euros (R$ 1,7 bilhão) durante toda sua passagem no Al Hilal. Isso significa que ele receberá R$ 858 milhões por temporada.

O salário de Neymar é superior ao Produto Interno Bruto (PIB) de dois países inteiros:

  • Tuvalu (R$ 299 milhões)
  • Nauru (R$ 748 milhões)
  • Neymar no Al Hilal (R$ 858 milhões)

Diluído no ano inteiro, o brasileiro vai receber um salário mensal de 13,3 milhões de euros, cerca de R$ 72,3 milhões. A contratação foi divulgada nas redes do Al Hilal nesta terça-feira (15) e a expectativa é de que ele se apresente ao país na sexta (18).

Com este salário, Neymar se torna o terceiro jogador mais bem pago de todo o mundo. Ele fica atrás apenas de Karim Benzema, que recebe R$ 1,05 bilhão anualmente do Al Ittihad, e Cristiano Ronaldo, que ganha R$ 1,07 bilhão do Al Nassr.

Maria Tereza Santos
Maria Tereza Santos

Jornalista pela PUC-SP. Na PL Brasil, escrevo sobre futebol inglês masculino E feminino, filmes, saúde e outras aleatoriedades. Também gravo vídeos pras redes e escolhi o lado azul de Merseyside. Antes, fui editora na ESPN e repórter na Veja Saúde, Folha de S.Paulo e Superesportes.