Jordan Henderson e o sonho de ter vestido a camisa do seu time

O meio-campista do Liverpool ultrapassou diversos obstáculos para chegar à seleção. Conheça sua história!

0
470
Jordan Henderson
AMSTERDAM, NETHERLANDS - MARCH 23: Captain Jordan Henderson of England looks on prior to the international friendly match between Netherlands and England at Johan Cruyff Arena on March 23, 2018 in Amsterdam, Netherlands. (Photo by Dean Mouhtaropoulos/Getty Images)

Vamos dar continuidade a nossa série especial de matérias exclusivas sobre os convocados da Inglaterra para a Copa do Mundo! Curiosidades, histórias, estatísticas e muito mais. O papo de hoje é sobre Jordan Henderson!

Quem é Jordan Henderson?

Filho de pai policial aposentado e mãe professora de Fitness, Jordan Brian Henderson, que ainda tem uma irmã mais nova, nasceu no dia 7 de junho de 1990 no condado de Tyne and Wear, mais especificamente em Sunderland, na Inglaterra.

De família de classe média, sempre viu o futebol como o caminho para um futuro melhor. Além disso, assim como toda sua família, era apaixonado pelo Sunderland, e sempre ia ao estádio assistir as partidas quando possível.

Foi quando ainda estava estudando na Escola de Esportes da Comunidade de Farringdon, aos 6 anos, que Jordan, baixinho, chegou ao time de coração para ser jogador de futebol, só que como atacante.

Ele já tinha atuado um tempo por um pequeno time chamado Fulwell. Com 7 anos, no início de sua passagem no Sunderland, passou ser utilizado na ponta-direita agora também, revezando com a posição central do ataque.

Leia também: Futebol inglês dá exemplo com torcidas LGBT+

Jordan fez parte da equipe, em 2007/08, do Black Cats, apelido do clube, sub-18. Eles conquistaram diversos títulos e fizeram boas apresentações com a camisa do Sunderland. Henderson já era um meio-campista de qualidade mesmo tão jovem.

Empréstimo à Championship e belíssimas apresentações na Premier League

Getty Images

Na temporada seguinte, teve suas primeiras oportunidades profissionais. Ainda com 18 anos, jogou uma partida da Premier League pelo Sunderland, embora tenha ficado outros 4 no banco de reservas do jogo. Ele participou também de um jogo da Copa da Liga, em que o time perdeu.

Ainda em 2008, o Coventry City o contratou em forma de empréstimo por seis meses, já que estava na metade da temporada competitiva na Inglaterra. Ficou no time do final de janeiro ao mesmo período de maio de 2009.

Em 13 jogos pelo time de Coventry, marcou um gol e deu duas assistências.

Ainda no final da temporada 2008/09, retornou à Premier League, jogando pelo Sunderland. Foi relacionado em algumas partidas, mas acabou não entrando, mesmo tendo encantado o treinador da equipe na época.

A sua segunda temporada como atleta profissional foi a todo vapor. Jogou 33 dos 38 jogos da Premier League, marcando um gol e dando cinco assistências. Mais do que isso, teve a oportunidade de jogar contra os grandes times ingleses.

Ele ficou apenas uma partida no banco, contra o Hull City na quinta rodada. As outras partidas em que Jordan Henderson ficou de fora entre o mês de fevereiro e março de 2010, nas partidas contra Porstmouth, Arsenal, Fulham e Bolton.

Mas foi a temporada 2010/11, a melhor entre as três que jogou profissionalmente, que conquistou os olhos de um time grande da Inglaterra. O Liverpool havia se encantado com o futebol apresentado do meia pelo Sunderland.

Começo difícil e reviravolta no Liverpool

Jordan sendo apresentado pelo diretor Comolli (Getty Images)

Contratado a peso de ouro, Jordan Henderson não correspondeu logo no início da sua passagem pelo clube de Anfield.

Entretanto, se olharmos os números, o meio-campista inglês foi bem. Nas duas primeiras temporadas, por exemplo, foram 92 partidas, 8 gols e 9 assistências. Mas para Brendan Rodgers e os líderes do Liverpool, uma troca com Dempsey seria uma melhor opção para todos.

O valor alto e desempenho bom, mas não conforme o esperado, já que atuava em posição diferente da sua original, rendeu ao diretor que o contratou à demissão. Para Hendo, quase lhe trouxe uma troca de ares, de clube, ainda em sua primeira temporada, quando o Fulham tentou tirar o atleta que estava na lista de transferências de Anfield.

Jordan Henderson cravou os pés no chão e disse que ficava. Iria brigar pela titularidade e estava disposto a tudo para poder mostrar aos Reds que tinha futebol para fazer história no clube.

Um companheiro de qualidade para Steven Gerrard, um dos maiores jogadores da história do Liverpool, estava sendo criado à base de talento, técnica e muita, mas muita, motivação nos treinos.

Sua garra, amor à camisa que vestia e prazer em estar em campo calaram os críticos e colocaram Henderson em outro patamar. Passou a ser convocado costumeiramente a partir dali.

Do baque familiar à faixa de capitão e campanha histórica

Michael Regan/Getty Images

Em 2014, o Liverpool sonhava com um título, seja ele uma Premier League inédita ou uma Liga dos Campeões após 9 anos depois da histórica conquista em Istambul contra o Milan nos pênaltis.

Os diretores pediam foco e determinação para todos os atletas, inclusive Gerrard e Carragher, os patrimônios históricos do clube no elenco. Hendo era um dos mais comprometidos e estava, novamente, disposto a provar que é importante para o elenco.

Mas um baque familiar poderia fazer com que todo este processo na vida de Jordan pudesse cair por terra. Seu pai, o senhor Brian Henderson, havia descoberto que estava com câncer, mas, mesmo assim não queria contar ao filho, pois não queria que ele se desfocasse.

Brian venceu a luta contra a doença; Jordan ganhou também outra guerra, a contra a desconfiança da torcida.

Em menos de quatro anos, Jordan Henderson partiu das vaias durante alguns jogos, já que muitos gostariam de ver a lenda Kuyt em campo, à faixa de capitão, herdada do seu ex-companheiro e maior nome da história do Liverpool, em 2015.

Nesta temporada, foi essencial para Klopp, Salah e cia. Muito tático, aguerrido e talentoso, foi o meia construtivo que o time inglês precisava para quase conseguir o grande feito na década do clube.

Com muitos passes para jogadores entrelinhas, que quebram a defesa e todo seu sistema defensivo, acha facilmente o trio de ataque, deixando-os cara a cara do goleiro, algo muito comum em jogos do Liverpool nesta temporada.

Em geral pelo Liverpool até aqui, foram 280 partidas, 24 gols, 40 assistências e muito amor à camisa dos Reds, com muita entrega, determinação, habilidade e técnica. Com certeza, ele colocará em prática todos esses aspectos no Mundial.

Números

Até a convocação para esta Copa do Mundo, Jordan Henderson era dado como o capitão da seleção inglesa. O nome de Harry Kane para a função surpreendeu, já que o meia foi o líder em grande parte das últimas temporadas do time inglês. Ele é o vice-capitão do elenco agora.

Participou da Eurocopa da categoria, além de amistosos. Seu desempenho rendeu ao jogador uma convocação para o time profissional da seleção ainda no ano de 2010. O treinador de estreia era Fabio Capello.

Ele esteve no Mundial de 2014 aqui no Brasil. Participou de dois dos três jogos da equipe que fora eliminado precocemente na fase de grupos da competição.

Hoje, depois de 39 partidas e ser capitão da equipe por um bom tempo, Jordan Henderson será um fator determinante no elenco inglês.

Não há posts para exibir