‘Humilhação’: Rubiales é acusado de novo escândalo e Jenni Hermoso quebra silêncio

6 minutos de leitura

O caso de assédio sofrido por Jenni Hermoso no pódio da final da Copa do Mundo feminina de 2023 segue repercutindo na Espanha. A jogadora da seleção espanhola foi beijada à força por Luis Rubiales, presidente da federação de futebol do país (RFEF), quando recebeu sua medalha de campeã.

A repercussão negativa ganhou ainda mais força porque Tamara Ramos, ex-funcionária da Associação Espanhola de Jogadores de Futebol (AFE), que trabalhou com Luis Rubiales quando este comandava a entidade, veio a público para comentar uma denúncia de assédio e humilhação supostamente cometidos pelo dirigente uma década atrás.

Presidente da federação espanhola é acusado de outro caso de assédio

Tamara citou o caso no “Programa de Verão”, transmitido pelo canal “El Confidencial”. A ex-diretora de marketing da AFE decidiu falar publicamente agora porque, depois do que aconteceu com Jenni Hermoso, “eles vão acreditar em mim”.

— Não me surpreende nada porque o conheço há muitos anos e sofri com ele. O que me surpreendeu é ele ter feito isso em público.

Na entrevista, a atual gerente do “Futbolistas On”, sindicato de jogadores da Espanha, aparentava estar nervosa e contou que sofreu humilhações na época, além ter ouvido “palavras que não podia repetir”.

—  Ele me perguntava qual era a cor da minha roupa íntima. Nós, mulheres, por sermos poucas no mundo do futebol, era muito difícil enfrentá-lo pelo poder que possuía.

Luís Rubiales sofre denúncia de entidade na Espanha

Além de todas as críticas de autoridades do governo espanhol, Luis Rubiales foi denunciado pela Liga Profissional de Futebol Feminino. A Liga F apresentou queixa ao presidente do Conselho Superior do Esporte da Espanha, Víctor Francos, pedindo a retirada do dirigente do cargo.

Na nota divulgada pela entidade, a denúncia é justificada “pelos gravíssimos atos e condutas praticadas” por Rubiales.

— Um dos maiores feitos da história do esporte espanhol foi manchado pelo comportamento embaraçoso do mais alto representante do futebol espanhol que, mais uma vez, e guiado pelo seu contínuo e habitual desejo de liderança, provou não estar à altura do seu cargo.

A Liga F lamentou a “atitude muito distante dos valores da nossa sociedade”, que “infelizmente estará para sempre ligada” à seleção feminina do país.

Jenni Hermoso quebra silêncio sobre assédio

Depois do vídeo publicado pela RFEF, no qual Rubiales pede desculpas pelo beijo e diz que se equivocou, a federação divulgou um comunicado no qual Jenni Hermoso teria minimizado o ocorrido.

— Tem sido um gesto mútuo totalmente espontâneo devido à imensa alegria que a conquista de uma Copa do Mundo traz. O presidente e eu temos um ótimo relacionamento, o comportamento dele com todos nós tem sido de dez e foi um gesto natural de carinho e gratidão. Não se pode exagerar num gesto de amizade e gratidão, ganhamos uma Copa do Mundo e não vamos nos desviar do que é importante.

No entanto, segundo o site espanhol “O Relevo”, a fala foi falsamente atribuída a Jenni, tendo sido escrita pela assessoria de comunicação da federação.

Na tarde desta quarta-feira (23), a jogadora se pronunciou oficialmente por meio de uma nota publicada pela Associação dos Jogadores Profissionais da Espanha (Futpro). No comunicado, ela diz que a organização está encarregada de defendê-la.

— Em decorrência dos fatos ocorridos durante a final da Copa do Mundo Feminina da Fifa, envolvendo o presidente da Real Federação Espanhola de Futebol, Luis Manuel Rubiales Béjar, nossa afiliada, Jennifer Hermoso, quer expressar o seguinte: ‘O meu sindicato Futpro, em coordenação com a minha agência TMJ, encarregam-se de defender os meus interesses e ser os interlocutores nesta matéria’.

A Futpro pede que a RFEF implemente “os protocolos necessários, garanta os direitos das atletas e adote medidas exemplares”. A organização reforça a importância da atual equipe campeã do mundo ser “representada por figuras que projetem valores de igualdade e respeito em todas as áreas”.

— É necessário continuar a avançar na luta pela igualdade, luta que os nossos jogadores têm travado com determinação, conduzindo-nos à posição em que hoje nos encontramos. Apelamos também ao Conselho Superior do Desporto para que, dentro das suas competências, apoia e promove ativamente a prevenção e a intervenção face ao assédio ou abuso sexual, ao machismo e ao sexismo.

Assembleia definirá futuro de Rubiales

Apesar da pressão, Rubiales não irá pedir demissão do cargo, conforme apuração da “ESPN”. A RFEF convocou uma Assembleia Extraordinária para esta sexta-feira (25) para discutir o assunto. Dentre os 11 clubes membros da assembleia, apenas o Getafe se pronunciou contra o dirigente, por meio do presidente do clube. Ángel Torres falou sobre o tema na manhã desta quarta, durante uma café da manhã com a imprensa no qual apresentou sua nova equipe de comunicação.

— O que Rubiales tem que fazer é renunciar e sair. Seu comportamento foi lamentável . Se ele não renunciar, deverá ser sancionado e desqualificado.

Maria Tereza Santos
Maria Tereza Santos

Jornalista pela PUC-SP. Na PL Brasil, escrevo sobre futebol inglês masculino E feminino, filmes, saúde e outras aleatoriedades. Também gravo vídeos pras redes e escolhi o lado azul de Merseyside. Antes, fui editora na ESPN e repórter na Veja Saúde, Folha de S.Paulo e Superesportes.