Relatório Taylor: a revolução no futebol inglês em forma de escrita

Os estádios da Inglaterra precisavam de mudanças - e elas chegaram através deste documento. Veja!

0
447
relatório taylor

Quatro anos depois da Tragédia de Heysel ter chocado o mundo na final da Liga dos Campeões de 1985, o acontecido no estádio Hillsborough motivou a criação de um inquérito sobre o acontecido em 1989, que influenciara todos os esportes mundiais posteriormente. Este ficou conhecida como Relatório Taylor.

O que foi o Relatório Taylor?

O Desastre de Hillsborough deixou a história do futebol inglês mais triste. As pessoas, que já tinham medo de ir aos estádios por conta dos hooligans, motivadores da Tragédia de Heysel, agora tinham mais um motivo para não frequentar os campos de futebol: a má estrutura inglesa.

Algo precisava mudar. Uma revolução precisava nascer. O futebol na Inglaterra estava em decadência por conta dos atos extracampos. Não poderia ser aceitável isto, já que o país sempre se orgulhou de criar o futebol – ou pelo menos ter o tornado um esporte de fato.

Dentro de campo, os ingleses tinham acabado de comandar a Europa por décadas com os títulos de Copa dos Campeões seguidos. Além disso, haviam se passado apenas 23 anos do título mundial conquistado na Terra da Rainha.

Era a hora de um “Basta!”

A Inglaterra vivia momentos conturbados no futebol. Na mesma época dos acontecidos em Bruxelas e em Hillsborough, a briga generalizada em um jogo entre Luton Town e Millwall e o incêndio no estádio do Bradford City já vinham chamando atenção no país.

O escritor Nick Hornby, em um trecho no seu livro Febre de Bola, descreve bem o que sentiu quando viu as tragédias nos estádios de futebol na Inglaterra depois de relembrar que estava presente na confusão entre Arsenal e Southampton em 1980:

“No meio da confusão em Avenell Road, naquela noite havia pessoas rindo e fazendo caretas engraçadas quando ficavam sem ar; riam porque estavam apenas a poucos metros dos despreocupados guardas e oficiais montados e sabiam que isso assegurava a sua segurança. Como é que você podia morrer se o socorro estava tão perto?

“[…] me lembrei daquela noite nove anos depois, na tarde da catástrofe de Hillsborough, e me lembrei de muitas outras tardes e noites também, quando parecia que havia gente demais no estádio, ou que a multidão fora distribuída desigualmente.

“Ocorreu-me que eu podia ter morrido naquela noite, e que em algumas outras ocasiões já estive mais perto da morte do que gosto de pensar. Não havia plano algum, afinal; na verdade, estavam abusando da sorte o tempo todo”.

A então primeira ministra do Reino Unido Margaret Thatcher já vinha tentando acabar com todos estes problemas.

Elitizou a entrada nos estádios com uma forma de identificação de cada torcedor aos jogos, e acabou com os setores em que os espectadores ficavam em pé. Mas o resultado não foi de total sucesso.

O grande mentor do Relatório Taylor

Peter Taylor teve uma carreira de sucesso nos tribunais (Reprodução/Alchetron)

Foi com todo esse sentimento de indignação, que um homem decidiu mudar a história do esporte no país. É claro que não seria fácil, mas as suas decisões revolucionaram o futebol inglês, e deram início à mudança no campeonato da Inglaterra até chegar à Premier League.

Peter Murray Taylor nasceu no dia 1 de maio de 1930 em Newcastle upon Tyne. Morreu 67 anos depois, mas ficará marcado para sempre na história do futebol pelos seus grandes feitos como juiz.

Especializado em grandes casos criminais, o jovem rapaz formado em direito vinha chamando a atenção nos tabloides, mas nada ligado ainda ao futebol. Em 1967, se tornou conselheiro da rainha britânica.

Seu precoce sucesso já mostrava o seu valor. Depois de passar por diversos casos polêmicos – e sair com inúmeras vitórias deles -, foi nomeado pela rainha como Senhor da Justiça do Tribunal de Apelação da Inglaterra e do País de Gales em 1988.

Com o cargo, tinha mais liberdade e poder para agir, embora a falta disso nunca tenha o feito desistir ou ter receio de ir atrás da verdadeira justiça. Muito pelo contrário.

Foi assim que, em 1989, um ano após assumir o cargo superior, Peter Taylor chegou ao caso que o marcaria para sempre. Com a experiência de seus 59 anos depois de brilhantes vitórias no tribunal.

Contratado especialmente para o inquérito do Desastre de Hillsborough, ele foi a pessoa que comandou, idealizou e decidiu mudar tudo nos estádios ingleses.

Faleceu em 1997, depois de estar no cargo de Lorde Chefe da Justiça da Inglaterra e do País de Gales desde 1992. Com câncer, assim como sua esposa, acabou morrendo com apenas cinco anos como Lorde Peter Taylor.

Algumas conclusões importantes do Relatório Taylor

Segundo o Relatório Taylor, o controle policial foi o grande problema encontrado no desastre em Hillsborough. O grande número de pessoas que ali estavam e as poucas e pequenas catracas geraram mais tumulto e desespero que o normal.

Eles liberaram a entrada de torcedores em poucos portões. No começo, apenas no A e no B, mas logo abriram o C. Entretanto, os primeiros logo foram se enchendo de pessoas, causando superlotações.

“Deveria ter ficado claro na sala de controle onde havia uma visão das cadeiras e da multidão nas catracas que o túnel tinha que ser fechado. Se as ordens tivessem sido dadas quando o portão C fosse aberto, os fãs poderiam ter sido direcionados para as áreas vazias das asas e esse desastre ainda poderia ter sido evitado. Não dar essa ordem foi um erro da primeira magnitude”, escreveu Peter.

O relatório ainda mostrou que as acusações contra os torcedores do Liverpool eram inverdades.

Sabia que o álcool podia ter contribuído com a tragédia, mas que o fator determinante foi a falta de estrutura e organização naquela partida.

Taylor também foi contra Margaret Thatcher ao dizer que não necessariamente os setores em que os torcedores em pé causavam problemas aos espectadores – mas o governo continuou proibindo a sua existência até 1993/94.

Mudanças nos estádios ingleses

estádios
Old Trafford foi um dos estádios que passaram por reformas para após o Relatório Taylor (Foto: PAUL ELLIS/AFP/Getty Images)

Diversos estádios na Inglaterra foram demolidos, outros foram modernizados, enquanto os que não modificaram os seus campos viram sua capacidade de público diminuir com o processo até o começo da Premier League.

Com o desenvolvimento dos estádios conforme passava-se o tempo, aos poucos os setores em que os torcedores ficam em pé, haja vista a extremamente melhor organização das entradas de pessoas nos estádios.

Aos poucos, com a grande quantia em que os clubes da Premier League passaram a receber das televisões com a reforma no Campeonato Inglês, o investimento nas arenas se tornou mais forte até chegar ao nível de hoje em dia.

O Relatório Taylor transformou o futebol inglês. Para Marco Aurélio Klein, do blog Paz no Esporte, esta mudança “foi profunda, incisiva e de resultados muito significativos. […] a mim sempre pareceu o marco divisor quando se fala de prevenção da violência, segurança e conforto dos torcedores”.

Peter Taylor pegou as três décadas anteriores, cheias de violências e desastres, e mudou tudo. Com isso, deu abertura paro início de um projeto que, em menos de 10 anos, teria um êxito por completo.

Acompanhe a PL Brasil no Youtube

  • O que foi o Desastre de Hillsborough?

Leia mais: O dia em que Mourinho quase se tornou treinador da Inglaterra