Real Madrid e sua 14ª: “Final não se joga, se ganha!”

Real Madrid e sua 14ª: “Final não se joga, se ganha!”
Foto: Divulgação / Real Madrid CF

Esta foi a frase utilizada pela conta oficial do Real Madrid no Twitter após o 14º título do clube na Champions League. Aliás, essa “provocação” vem após uma das finais mais difíceis que o Merengue enfrentou em sua história. A saber, o Liverpool dominou as ações de ataque do início ao fim. Além disso, o goleiro belga Courtois só não fez chover no Stade de France. E o gol coroador de Vinícius Júnior saiu após jogada de um improvável titular.

Real Madrid e sua aula de como ganhar finais

Quando a temporada 2021/22 começou, o Real Madrid não era apontado como favorito a ganhar a Champions League. De fato, o clube passou por uma reconstrução. Mas, o experiente técnico Carlo Ancelotti juntou um elenco com espírito de vencedor. Longe de ter o melhor elenco da Europa, o Real se provou a cada jogo, e mostrou que a 14ª poderia ser possível.

Na final, o Real Madrid deu uma aula de como “ganhar finais”, parafraseando sua postagem após o jogo. Mesmo sendo o maior clube do mundo, jogou com humildade, fechado, esperando o melhor momento para marcar. O Liverpool finalizou 24 vezes, e nove bolas levaram perigo. Mas, ter um goleiro sensacional também faz parte do ShowCourtois defendeu as nove bolas inglesas, e se sagrou o nome do duelo.

Ter um grande técnico também faz parte do espetáculo. E a escalação do time já mostrou porque Carlo Ancelotti não deve ser subestimado. Em resumo, o treinador preteriu Rodrygo, colocando o volante uruguaio Valverde para jogar na ponta-direita. Ninguém entendeu de primeira.

Mas, Fede foi fundamental para fechar o lado direito do campo na variação do 4-3-3 para o 4-1-4-1 em linha baixa. Assim, Luís DíazRobertson pouco trabalharam, e o Real Madrid obrigou o Liverpool a jogar com Arnold e Salah, deixando o campo livre para Vinícius Júnior.

Ironicamente ou não, a criticada decisão de Ancelotti lhe deu o título. A saber, Valverde puxou o contra-ataque pela direita e cruzou para Vinícius Júnior livre na área fazer o gol da 14ª taça.

O maior campeão da história da Champions League

Com esse título em 2021/2022, o Real Madrid chega a ter o dobro de títulos do segundo maior campeão Milan, que tem sete. Mesmo com todos os prognósticos jogando contra desde o início da temporada, os Merengues mostraram o motivo de serem os maiores do mundo e os reis da Europa.

Real Madrid
Di Stéfano e Puskás no Real Madrid (Foto: Afton Bladet)

A história de amor entre Champions LeagueReal Madrid começa logo na estreia da competição, na temporada 1955/56, quando o clube bateu o Stade Reims, da França, na final. Naquela época, o clube contava com seus ídolos argentinos Alfredo Di StéfanoHéctor Rial.

Em seguida, chegaram mais craques como o húngaro Puskás e o brasileiro Didi. O resultado? Real Madrid penta-campeão da Champions League, até a temporada de 1959/60.

Depois voltou a erguer a taça em 1965/66, já com uma geração um tanto renovada, tendo AmancioFrancisco Gento como maiores nomes. Assim, após um grande hiato, o Real Madrid só voltou a ser campeão em 1997/98, e já emendou mais dois títulos em 1999/2000 e 2001/02. Essa era a lendária geração dos Galáticos, com Zidane sendo principal nome do time.

Real Madrid
Foto: Reprodução / O Globo

Uma geração ainda mais lendária viria à frente. Nos anos 2010 o Real Madrid juntou uma geração vitoriosa, liderada em campo pelo português Cristiano Ronaldo. A saber, juntos esse elenco venceu quatro Champions League, em cinco temporadas: 2013/14, 2015/16, 2016/17 e 2017/18. Além do craque da camisa 7, outros atletas merecem destaque nessa fase dos MerenguesMarcelo, Sérgio Ramos, Carvajal, Casemiro, Toni Kroos, Modric e Benzema.