Vitória do Barcelona sobre o Real Madrid na Copa do Rei tem mais cartões do que chutes no alvo

3 minutos de leitura

O Barcelona saiu na frente do Real Madrid no confronto pela semifinal da Copa do Rei. Um gol contra de Militão, ainda no primeiro tempo, decidiu a partida de ida no Santiago Bernabéu. O resultado de 1 a 0 para os Culés, no entanto, foi marcado mais pela alta temperatura envolvendo os jogadores do que pelo futebol. O jogo teve mais cartões, reclamações e faltas do que chutes no alvo.

Leia mais

29 faltas, seis cartões amarelos e só dois chutes no gol

Uma chance perdida por Modric, que saiu na cara do gol logo no primeiro minuto, até deu a impressão de que El Clásico seria um grande jogo. Logo depois, Vinicius Junior criou outra boa chance pela esquerda, e Benzema marcou um gol anulado por impedimento. Mas os lances bonitos — e a superioridade merengue — logo acabou.

No meio do primeiro tempo, Vini Jr. se estranhou com De Jong e aplicou um golpe de judô no holandês (veja o vídeo). O lance acabou provocando uma pequena confusão e deixou o brasileiro indignado após levar cartão amarelo. A partir de então, o clima esquentou. A mancha da cor do gramado na camisa branca com a qual Vinicius foi para o intervalo dá uma ideia de como foi a etapa inicial. O brasileiro levou entradas fortes de Raphinha e ainda se estranhou com Busquets.

Em outros lances, Gavi deixou o braço no rosto de Militão, assim como Kessié fez em Carvajal. No total, foram seis cartões amarelos na partida: Vinicius, Nacho e Valverde para o Real, e Raphinha, Gavi e Kessié para o Barça. O clássico teve quinze vezes mais faltas do que finalizações certas: 29 a dois. Os dois chutes certos foram do Barça.

Não é de hoje que Real Madrid e Barcelona protagonizam clássicos quentes. A advertência contra Valverde, no minuto 28 da etapa final, foi a de número 800 na história do confronto. São 414 cartões (amarelos ou vermelhos) para o Real e 386 para o Barça.

O gol contra da vitória

O gol da vitória catalã foi decidido num lance de infelicidade de Militão, ainda aos 26 do primeiro tempo. Ferran Torres aproveitou a bobeira de Camavinga na saída de bola e serviu Kessié que, na cara de Courtois, teve o chute defendido pelo belga. Só que, no rebote, a bola bateu na canela de Militão e entrou no gol.

O auxiliar chegou a anular o lance por impedimento de Kessié mas, após revisão do VAR, o gol foi validado pelo árbitro.

O Real foi para cima em busca do empate, principalmente no segundo tempo, mas não teve sucesso. Carlo Ancelotti ainda tentou lançar Rodrygo, Alvaro Rodriguez e Tchouameni, que vieram do banco de reservas, mas nenhum deles conseguiu fazer a diferença.

Vinicius perde duelo contra Ronald Araujo

Fora os momentos em que estava sendo caçado ou reclamando, Vinicius não conseguiu levar a melhor em campo contra a defesa do Barça. O brasileiro ficou preso na marcação do uruguaio Ronald Araújo, escalado como lateral-direito por Xavi.

Araújo fez três desarmes, bloqueou dois chutes, ganhou dois duelos aéreos e quatro disputas pelo chão, segundo a plataforma de dados SofaScore. Foi um dos grandes destaques em campo.

Raphinha, o brasileiro do lado culé, também teve pouco destaque na partida. Depois de levar amarelo por uma falta em Vinicius, o ponta foi substituído no segundo tempo por Ansu Fati. O camisa 10 ainda conseguiu fazer pior: sem querer, tirou um gol feito de Kessié, quase em cima da linha, que mataria o jogo na etapa final.

Busquets bate recorde e Xavi mantém tabu

Outras marcas interessantes para o Barcelona envolveram o recorde de Busquets, que chegou ao 46º clássico jogado em sua carreira. Ele se torna, assim, o jogador com mais participações na história do El Clásico. Ele superou Messi e Sergio Ramos, ambos com 45. Busquets jogou a primeira vez contra o Real em dezembro de 2008, aos 20 anos de idade.

O Barça ainda esticou o tabu que tem contra o Real pela Copa do Rei — os merengues não conseguem vencer os catalães em casa por essa competição desde 1970. E o treinador Xavi é protagonista nessa história. Sempre que ele disputou um jogo contra o Madrid no Bernabéu, o Barcelona fez ao menos um gol. Foram doze jogos como atleta e três como técnico.

Jogo da volta

As equipes decidem quem irá à final da Copa do Rei no próximo dia 19 de março, em partida marcada para o Camp Nou. Na outra semifinal, o Osasuna saiu na frente do Athletic Bilbao, vencendo o jogo de ida por 1 a 0 em casa.

Diogo Magri
Diogo Magri

Jornalista nascido em Campinas, morador de São Paulo e formado pela ECA-USP. Subcoordenador da PL Brasil desde 2023. Cobri Copa América, Copa do Mundo e Olimpíadas no EL PAÍS, eleições nacionais na Revista Veja e fui editor de conteúdo nas redes sociais do Futebol Globo CBN.

Contato: [email protected]