Racismo na Itália! Veja os últimos casos dos jogadores hostilizados no futebol italiano

Racismo na Itália! Veja os últimos casos dos jogadores hostilizados no futebol italiano
Foto: Destaque/PL Brasil

Antes de mais, o Conceito Premier de hoje vai até a Terra da Bota. Afinal, o futebol do país nas últimas semanas tem estampado os noticiários sobre os recorrentes casos de racismo na Itália durante o Campeonato Italiano.

A saber, o último caso foi o do zagueiro do Napoli, Validou Koulibaly. Entretanto, semanas antes, o goleiro do Milan, Mike Maignan foi alvo de ofensas racistas por parte da torcida da Juventus enquanto aquecia para a partida. Bem como, Franck Kessié e Tiemoué Bakayoko, ambos jogadores do Milan sofreram insultos raciais de uma torcida organizada da Lazio, durante o jogo.

Decerto, o futebol italiano é um dos melhores do planeta. Aliás, a Itália é tetracampeã mundial. Bem como, a Serie A TIM é um campeonato muito disputado e nivelado por cima.

Em contrapartida, o palco de grandes duelos vem sendo ofuscado por episódios lamentáveis e cada vez mais presentes nas arquibancadas da Europa: o racismo.

Lazio x Milan – Torcida da Lazio entoa cantos racistas contra jogadores do Milan

De antemão, os jogadores Franck Kessié e Tiemoué Bakayoko, do Milan, foram alvos de coros discriminatórios durante a partida contra a Lazio, no San Siro, pela 3ª rodada da Série A.

Posteriormente, o jogador francês de origem marfinense, em suas redes sociais declarou que ele e Kessié têm “ORGULHO DA COR DA PELE”. Ademais, Bakayoko na publicação demonstrou sua confiança no clube e o desejo que os agressores fossem identificados.

Pouco tempo depois da postagem de Bakayoko, o Milan se pronunciou sobre o caso e informou que tomaria medidas:

“EM RELAÇÃO AOS GRITOS DISCRIMINATÓRIOS AO NOSSO JOGADOR BAKAYOKO, QUE VIERAM DO SETOR VISITANTE E OUVIDO POR ALGUNS JORNALISTAS E TORCEDORES, O MILAN APÓS AS DEVIDAS VERIFICAÇÕES ESTÁ CONSIDERANDO APRESENTAR UMA RECLAMAÇÃO À FEDERAÇÃO ITALIANA DE FUTEBOL (FIGC)”, escreveu o Milan.

Juventus x Milan – Racismo durante a partida

De maneira idêntica, pela 4ª rodada do campeonato, a Juventus recebeu o Milan, em Turim. Assim, o goleiro dos Rossoneri, Mike Maignan, foi alvo de insultos raciais por  uma parcela dos torcedores da Velha Senhora. Ao passo que, os insultos proferidos pelos ultras da Lazio, na substituição de Bakayoko no lugar de Kessié ecoaram pelo estádio.

Como resultado, o atleta se posicionou nas redes sociais. Ademais, afirmou não ser o primeiro nem o último a sofrer com o racismo e cobrou as autoridades italianas.

Contudo, a Juventus identificou o agressor, natural de Rovigo, através de um vídeo disseminado nas redes sociais. Assim, o homem foi banido pelo clube. Dessa maneira, ele não pode mais frequentar o estádio e as instalações da Velha Senhora.

Todavia, o “torcedor” identificado também foi indiciado por “alimentar o ódio racial” e, por conta disso, já seria proibido de frequentar estádios na Itália pelas autoridades policiais. A Juve, no entanto, se antecipou à decisão e quis banir ela própria.

Firenze x Napoli – Koulibaly injúrias raciais na partida

À princípio, o zagueiro Kalidou Koulibaly, do Napoli, em suas redes sociais, denunciou que sofreu racismo após o triunfo diante da Fiorentina, fora de casa, pelo Campeonato Italiano, no domingo (3).

“’Macaco de m…’. FOI ASSIM QUE ELES ME CHAMARAM. ESSAS PESSOAS NÃO TÊM NADA A VER  COM ESPORTE. ELAS PRECISAM SER IDENTIFICADAS E MANTIDAS FORA DOS ESTÁDIOS: PARA SEMPRE”, escreveu o senegalês.

Entretanto, o jornal italiano “Gazzetta dello Sport” noticiou que Victor Osimhen e Andre-Frank Zambo Anguissa também foram alvos de injúria racial após a derrota para o Napoli, líder da Série A.

Como resultado, o caso repercutiu nas mídias do mundo todo. Dessa maneira, o capitão da seleção italiana e jogador da Juventus, Chielini, se pronunciou sobre o caso de racismo na Itália. Assim, o zagueiro condenou os atos de racismo e disparou: SINTO VERGONHA COMO ITALIANO. 

Envergonhado!

Ademais, o defensor não hesitou dizer que fica envergonhado com um novo episódio de discriminação.

“ACHO QUE FOI INACEITÁVEL. É PRECISO UM ESFORÇO EXTRE DE TODOS NÓS. MAS, NO FIM DO DIA, PRECISAMOS DE REGRAS QUE SEJAM APLICADAS e REFORÇADAS. ISSO É O MAIS IMPORTANTE. EU SINTO VERGONHA COMO ITALIANO E TOSCANO”, disse Chiellini.

Nesse sentido, em nota publicada nesta segunda-feira, a Federação Italiana de Futebol (FIGC) informou que abriu uma investigação sobre o caso. O Ministério Público Federal escutou o relato do jogador e apurou os laudos de seus fiscais.

“NAS PRÓXIMAS HORAS, OUTROS ATOS DE INVESTIGAÇÃO SERÃO REALIZADOS, ADQUIRINDO OS DOCUMENTOS RELEVANTES NA SEDE DA POLÍCIA DE FIRENZE”, publicou a FIGC.

Joe Barone, diretor-geral da Fiorentina, se encontrou com Koulibaly após o jogo e fez um pedido de desculpas em nome do clube. A Viola disponibilizou à polícia imagens e vídeos que possam ajudar na identificação dos agressores.

No entanto, não foi a primeira vez que o defensor sofreu racismo na Itália. Em 2018, Koulibay foi alvo da torcida da Inter de Milão. Dessa maneira, o clube foi punido na época e teve que jogar com portões fechados sem torcida.

O Futebol é o esporte da inclusão

Em suma, além das condenações penais aplicadas pelas autoridades, os clubes devem combater extremistas nas arquibancadas. Assim, como fez de forma acertic a Juventus em banir a entrada em suas dependências ao identificar o agressor e assim combater o racismo na Itália.

Aliás, a FIFA em 2004 apresentou seu Código de Ética proibindo “dirigentes, jogadores e agentes de agir de forma discriminatória em relação a etnia, raça, cultura, política, religião, gênero ou idioma”, código esse atualizado em 2020, apontando multas e interrupção de práticas esportivas quando da violação de algum direito referido no documento.

Esporte de inclusão, não exclusão!

Acima de tudo, o futebol é o esporte da inclusão, dentro e fora de campo. Ou seja, uma prática esportiva que agrega a todos, independente de raça, religião, política, opiniões, entre outros.  Assim, como é dentro de campo existem jogadores de estatura baixa, alta, pesos variados, religiões diversas, etnias de todo o planeta jogando futebol pelo mundo todo. 

Dessa forma, nas arquibancadas, a atmosfera das torcidas dá todo o tempero. A torcida apoiando seu time do coração em um estádio lotado é experiência de sentir um pertencimento a algo maior e, assim faz com que o futebol seja o esporte mais popular do planeta. 

Afinal, o futebol é de todos e para todos. É alegria, bola na rede e sorriso no rosto.