Caso de polícia: PSG pode perder quarteto de estrelas por um mês após denúncia de homofobia

5 minutos de leitura

O PSG parecia ter superado o início difícil de temporada, devido à crise interna relacionada à não renovação do contrato de Kylian Mbappé. Porém, a equipe parisiense agora deve enfrentar mais um problema. Quatro jogadores foram denunciados pela LFP, entidade que supervisiona o futebol profissional francês, por homofobia.

O time já havia anunciado, nesta semana, a ausência de Mbappé por algumas partidas por causa de uma entorse no tornozelo esquerdo e a de Nuno Mendes por quatro meses devido à uma cirurgia para tratar o tendão da coxa direita. Agora, com a denúncia da LFP, o técnico Luis Enrique pode perder mais quatro atletas por um mês no Campeonato Francês.

PSG pode perder quarteto por um mês por denúncia de homofobia

No fim da goleada do PSG sobre o Olympique de Marselha, por 4 a 0, no último domingo (24), a torcida do Paris emitiu cantos homofóbicos nas arquibancadas do Parque dos Príncipes contra os adversários. De acordo com a LFP, Dembele, Kolo Muani, Hakimi e Kurzawa, que foram até o espaço onde os ultras do clube ficam no estádio para comemorar a vitória, se uniram à torcida nos gritos ofensivos.

Por isso, os jogadores foram convocados para uma audiência, assim como a direção do PSG, por causa da participação da torcida do time no caso.

— Após relatos do delegado da partida e dada a natureza dos comentários feitos por alguns torcedores e jogadores do Paris Saint-Germain, o comitê disciplinar decidiu convocar o Paris Saint-Germain, bem como os jogadores Ousmane Dembele, Achraf Hakimi, Randal Kolo Muani e Layvin Kurzawa para a próxima reunião do comitê disciplinar, que acontecerá na quinta-feira, 5 de outubro — diz o comunicado da LFP

De acordo com o site alemão “DW”, caso sejam considerados culpados, os jogadores podem ficar suspensos por quatro partidas da Ligue 1.

Em suas redes sociais, a ministra dos Esportes da França, Amélie Oudéa-Castéra, se pronunciou sobre o caso, dizendo que “as música (homofóbicas) estragaram a festa no Parque”. Ela também convidou a direção do PSG a “apresentar queixa para identificar os autores e levá-los à justiça, para que sejam retirados dos estádios”.

Em um comunicado divulgado à imprensa, o PSG condenou “todas as formas de discriminação, especialmente a homofobia” e relatou que irá se reunir com seus parceiros para falar sobre seu trabalho no combate a esse preconceito.

O Paris Saint-Germain condena todas as formas de discriminação, especialmente a homofobia, e gostaria de reiterar que não tem lugar nos estádios nem na sociedade.

O Paris Saint-Germain trabalha há muitos anos com associações líderes na luta contra todas as formas de discriminação, como a SOS Homophobie, que realiza trabalhos de prevenção em centros acadêmicos e pré-acadêmicos, Sportitude, SOS Racisme e Licra, que trabalha com o clube e seus torcedores.

O clube pretende fortalecer ainda mais o seu trabalho de prevenção no combate à homofobia e nos próximos dias se reunirá com todos os seus parceiros sobre este tema essencial.

Comunicado oficial do PSG sobre o caso
Maria Tereza Santos
Maria Tereza Santos

Jornalista pela PUC-SP. Na PL Brasil, escrevo sobre futebol inglês masculino E feminino, filmes, saúde e outras aleatoriedades. Também gravo vídeos pras redes e escolhi o lado azul de Merseyside. Antes, fui editora na ESPN e repórter na Veja Saúde, Folha de S.Paulo e Superesportes.