Entenda por que o Project Big Picture não foi aprovado

O plano proposto por Manchester United e Liverpool não foi bem recebido na Premier League

0
289
Entenda por que o Project Big Picture não foi aprovado
Alex Pantling/Getty Images

A discussão sobre a grande disparidade de recursos entre as quatro principais divisões do futebol inglês não é novidade. Durante a pandemia, as necessidades de clubes que já sofriam algum tipo de dificuldade financeira ficaram ainda mais evidentes, principalmente nos times da Football League (EFL) – que engloba da segunda à quarta divisão. Isso porque a EFL tem maior dependência de arrecadações com a bilheteria e sofre mais com os estádios fechados ao público. No meio desse cenário, surgiu uma possível luz no fim do túnel: o Project Big Picture.

O documento de 18 páginas foi publicado pelo jornal inglês The Telegraph e vinha sendo construído há anos por Manchester United, Liverpool e pelo presidente da Football League, Rick Parry.

O objetivo: propor uma reformulação do futebol na Inglaterra para atender às dificuldades financeiras dos clubes de menores divisões com o dinheiro da Premier League.

Principais mudanças sugeridas pelo Big Picture 

1. A distribuição do dinheiro

MATTHEW CHILDS/POOL/AFP via Getty Images

Direcionar para a EFL 25% do dinheiro arrecadado na Premier League com a venda de direitos de imagens para as TVs (a maior fonte de renda do campeonato) era uma das principais propostas.

Na prática, seria um aumento de 15,5 milhões de libras para a Championship; 3,5 milhões de libras para a Football League One e 2,3 milhões de libras para a Football League Two. Além de um valor imediato de 250 milhões de libras para cobrir as perdas desta e da última temporada da EFL.

Outro ponto é a liberação de 100 milhões de libras para a Federação Inglesa, incluindo valores para a National League (quinta e sexta divisões do futebol inglês), para a Superliga Feminina da Inglaterra, para a Championship Feminina e para o futebol de base. 

Leia mais: Como funciona a divisão de dinheiro na Premier League?

2. O calendário

big picture
MATT DUNHAM/POOL/AFP via Getty Images

O Big Picture propôs uma diminuição no calendário nacional acabando com a Supercopa Inglesa (Community Shield) e, principalmente, com a Copa da Liga (Carabao Cup). A ideia era aliviar o calendário, abrir espaço para mais competições internacionais e acabar com datas que sobrecarregam, principalmente, os times da primeira divisão. Além do interesse em mais tempo de treino, descanso e, talvez, no crescimento de uma liga própria entre os principais clubes europeus ou até mesmo da Champions League.

Por outro lado, muitos clubes não têm o calendário congestionado e poderiam perder datas mesmo assim. Por isso, a proposta citou a possibilidade de manter a Copa da Liga Inglesa apenas entre os clubes que não se classificassem para as competições europeias.

3. O número de clubes na Premier League e os critérios de decisões

O Big Picture propôs que a Premier League passasse a ter 18, ao invés de 20 clubes. O que diminuiria também o número de rodadas de 38 para 34. A maior discussão em relação ao projeto aparece neste ponto. O auxílio aos clubes das outras divisões é necessário, mas será que é bom concentrar o futebol inglês nas mãos de poucos clubes? 

Atualmente, qualquer decisão da Premier League precisa do voto de 14 dos 20 clubes envolvidos na liga. Com a reformulação, seria criado um bloco dos nove clubes que estão há mais temporadas consecutivas no campeonato (O Big 6 – Manchester United, Liverpool, Manchester City, Tottenham, Arsenal e Chelsea -, o Southampton, o Everton e o West Ham) e diminuiria para seis a quantidade de votos necessários para uma aprovação. 

Ou seja, não por acaso, o poder de decisão ficaria concentrado na mão dos seis principais clubes e bastaria o Big 6 entrar em consenso para que pontos como compra e venda de clubes, nomeação do presidente da liga, regras de campo ou qualquer coisa que defina o futuro da Premier League fossem decididos. 

Para muitos fãs do futebol inglês, a jogada de poder pareceu clara. Uma tentativa de fechar as decisões e controlar o crescimento de clubes menores, o que coloca em risco uma estrutura de anos. 

4. Outros pontos importantes da proposta: 

  • Limitava os ingressos de clubes visitantes a 20 libras além de um subsídio dos clubes para os torcedores que viajam para assistir jogos fora de casa;
  • Citava o desenvolvimento de setores de “safe standing”, para que os torcedores pudessem acompanhar os jogos em pé;
  • Possibilitava a venda de até oito jogos por temporada para torcedores estrangeiros em plataformas próprias;
  • Permitia o empréstimo de 15 jogadores no país (quatro no mesmo time) que poderiam retornar em troca de treinadores.

Leia mais: 3 medidas para melhorar a festa nas arquibancadas inglesas

Alex Pantling/Getty Images

O Project Big Picture foi um dos mais emblemáticos projetos  de reformulação do futebol inglês nos últimos anos. Porém, as oposições foram muitas. Fãs fizeram declarações conjuntas contrárias às mudanças e até pediram que Rick Perry renunciasse o cargo. 

Na última quarta-feira (14), em uma reunião da Premier League, os clubes debateram o tema. Foi aprovado um valor de aproximadamente 50 milhões de libras para os clubes das terceiras e quartas divisões (o que soma aproximadamente 77 milhões de libras com um auxílio já feito anteriormente para esses times). Apesar da ajuda, o Big Picture não foi aprovado. 

Em nota, a liga destacou a importância do retorno dos torcedores aos estádios e disse que a Premier League e todos os clubes “continuam comprometidos com o retorno seguro dos fãs o mais rápido possível”. Além disso, a criação de uma proposta de auxílio aos clubes da Football League e das demais divisões inferiores continua sendo pauta entre dirigentes. 

“Além disso, os acionistas da Premier League concordaram em trabalhar juntos como um coletivo de 20 clubes em um plano estratégico para as estruturas futuras e financiamento do futebol inglês, consultando todas as partes interessadas para garantir uma pirâmide do futebol vibrante, competitiva e sustentável”, declarou a liga.