Os crônicos problemas do Arsenal na temporada 2020/2021

Falhas da defesa e a inconstância no meio-campo preocupam os Gunners

0
548
arsenal temporada
Glyn Kirk - Pool/Getty Images

Um dos graves problemas do Arsenal na atual temporada é a defesa. Encontrar uma defesa sólida e que passe segurança tem sido um grande desafio para Mikel Arteta e sua comissão técnica.

David Luiz, Mustafi, Pablo Marí, Gabriel Magalhães, Holding, Chambers… Nomes não faltam. Mas têm sido difícil extrair confiança e boas atuações.

David Luiz é um nome conhecido pelo torcedor brasileiro e já foi “protagonista” de alguns erros na defesa do Arsenal – o jogo contra o Manchester City, no retorno da Premier League, ainda não ficou esquecido pelo torcedor – Entretanto, as más atuações dele estão longe de ser o único problema.

Má posicionamento, falha de marcação, liberdade para os atacantes e diversas outras falhas têm sido a tônica do time.

Entretanto, o problema defensivo não se resume somente à zaga. A inconstância do meio-campo dos Gunners é um ponto essencial para entender a fragilidade do sistema de defesa do Arsenal na temporada.

O time joga atualmente num 4-3-3, com os dois laterais mais livres para atacar. Nesse estilo de jogo, com os laterais descendo, é necessário um primeiro volante que consiga cobrir aqueles espaços e ajudar a zaga na marcação. E aí mora o problema.

O Arsenal não consegue encontrar esse jogador, que tenha uma bola leitura de jogo, consiga interceptar situações de perigo e equilibrar o time.

Leia mais: Thomas Partey é a solução do meio-campo do Arsenal?

Logo após a Copa da Rússia, Lucas Torreira foi contratado com muita expectativa. A ideia era que ele fosse o primeiro homem na frente da zaga, ora formando um “trio” defensivo e, consequentemente, preencheria essa lacuna em aberta.

Apesar da excelente Copa com a Celeste, Torreira não foi o mesmo na Inglaterra e viu seu nível cair muito em seus últimos jogos até ser emprestado ao Atlético de Madrid.

Seguindo o caminho inverso, Thomas Partey chegou a Londres como o homem para ser a “solução”. De fato, Partey é um excelente jogador. Possui uma boa leitura de jogo, capacidade de distribuir o jogo e características defensivas, afinal, trabalhou com Diego Simeone que preza muito pela defesa.

Partey tem potencial para entregar muito e ser o homem a solucionar um dos problemas do Arsenal. Mas, ainda é uma incerteza. O ganês sofreu uma lesão no jogo contra o Aston Villa, no início de novembro, e isso atrapalhou sua evolução.

Leia mais: Gabriel Magalhães foi a contratação certeira do Arsenal

O problema é não é só a defesa…

Se há problemas na defesa do Arsenal, o ataque não tem dias fáceis também. Na atual temporada, o time londrino marcou apenas dez gols em 12 jogos.

Apesar de ter grandes goleadores no elenco como Aubameyang e Lacazette, o ataque tem sido pouco efetivo e converte pouquíssimas chances.

A grande questão do sistema de jogo do Arsenal na atual temporada é não converter o que propõe. Arteta vem da escola Guardiolista, preza por posse de bola, domínio do jogo e isso funcionou por um tempo.

O Arsenal foi campeão da FA Cup jogando bem, mas, na atual edição da Premier League, algumas lacunas aparecem e mostram falhas no sistema de jogo do técnico espanhol.

No clássico contra o Tottenham, por exemplo, o Arsenal teve quase 70% da posse de bola e não conseguiu transformar o domínio em gol.

Aubameyang, que na última temporada marcou 22 gols na Premier League, só balançou as redes por duas vezes na atual edição do campeonato – um deles de pênalti.

Em contrapartida, o momento dos Gunners na Europa League é completamente diferente. O time conquistou os 18 pontos disputados na fase de grupos, se classificou em primeiro e marcou 20 gols em seis jogos.

Özil poderia ser útil?

Além de todos os problemas em campo, o Arsenal vive um conflito político e um pouco turbulento fora dele. Mesut Özil, o jogador que possui o salário mais caro do elenco, foi afastado por Arteta e não é nem relacionado para jogos desde março.

Parte do trabalho de se defender é ter a bola e mantê-la no campo de ataque. E isso Arteta sabe como trabalhar. Mas, mais que isso, ter Özil em campo como um jogador responsável pela construção, cadenciando e distribuindo o jogo poderia ser essencial para o equilibro e a solidez que os Gunners tanto precisam.

Bons nomes à disposição

Apesar das dificuldades, nem tudo é só problema. O Arsenal encontrou no mercado um ótimo nome para sua linha defensiva. Gabriel Magalhães chegou e empolgou a torcida.

Atuações sólidas, constância, muita imposição física e velocidade fizeram o brasileiro se destacar nos primeiros meses com a camisa dos Gunners. Em setembro, ele foi eleito o melhor jogador do Arsenal no mês.

Além de Gabriel, o Arsenal também buscou Pablo Marí. O espanhol que foi campeão brasileiro e da Copa Libertadores com o Flamengo, teve um ano de 2019 muito bom e chamou atenção do time inglês. Mas, já com a camisa dos Gunners, Marí não conseguiu dar sequência ao seu bom futebol por lesão.

No jogo contra o Rapid Wien, válido pela quinta rodada da Europa League, o espanhol retornou ao time e teve uma atuação elogiável. Além disso, ainda marcou um dos gols da vitória por 4 a 1.

Ainda tem muita temporada pela frente, mas fica claro que Arteta tem grandes desafios se deseja conquistar títulos e chegar na parte de cima da tabela.

Leia mais: Montamos a seleção do Arsenal no século XXI

arsenal temporada
Glyn Kirk – Pool/Getty Images