Cinco motivos que fizeram de Paulo Andrade o melhor narrador para a Premier League

2 minutos de leitura

Para a tristeza dos amantes Premier League e do futebol inglês, Paulo Andrade deixará a ESPN após 21 anos. Ao longo da carreira na emissora recentemente comprada pelo Grupo Disney, o narrador tornou-se o rosto das transmissões do Campeonato Inglês no Brasil.

Paulo Andrade se juntará ao Grupo Globo, que não possui os direitos sobre qualquer competição do futebol inglês. O profissional, portanto, deixará saudosa uma geração de fans e torcedores que se apaixonaram pela Premier League a partir da marcante voz do narrador.

A PL Brasil listou cinco motivos que fizeram as transmissões do futebol inglês com Paulo Andrade tão marcantes:

1. Sem excesso de bordões

Um desafio: tente se lembrar três bordões das narrações de Paulo Andrade. Difícil, certo? Paulo é daqueles narradores que construíram uma carreira notável sem abusar dos bordões. A característica combina com a intensidade e os bons jogos do campeonato, além do respeito inglês perante à modalidade. Com Paulo Andrade, o protagonista é o jogo.

Ainda assim, as transmissões lideradas pelo agora ex-ESPN nunca perderam em personalidade ou emoção, e têm elementos marcantes sobre os quais vamos falar a seguir.

2. Mas tinha um ótimo bordão!

“DÁ NELE, BOLA!!!” É impossível falar em Paulo Andrade e não pensar em um dos mais divertidos bordões da televisão brasileira. Dos craques ao “bagres”, ninguém passa impune. Se tem engrossada, se tem lance feio, Paulo Andrade não perdoa!

3. Entonação marcante

“É do Liiiiveerpuuuuuuuuul!”
É do Aaaaaaaaarsenaaaaaal!”

Confesse: mentalmente, você leu com a voz de Paulo Andrade. A entonação ao gritar o nome do clube que acabou de balançar as redes é uma das marcas do narrador. Emoção no tom certo.

4. O informado narrador/comentarista

Paulo Andrade é um narrador/comentarista. Antes de estudar jornalismo, ele tentou ser jogador de futebol. Passou pelas categorias de base de Corinthians, Portuguesa-SP, América de São José do Rio Preto e Juventus-SP. Por isso, tem amplo conhecimento técnico do jogo e uma clara capacidade analítica dos atletas.

paulo andrade corinthians
Paulo Andrade aos 14 anos na base do Corinthians (Foto: Arquivo pessoal)

Além disso, os anos de experiência narrando Premier League e o notório estudo antes das partidas dão a Paulo Andrade um enorme conhecimento sobre a Liga – o que o narrador usa com maestria durante as transmissões.

Paulo Andrade tira da cartola números e fatos históricos da Premier League com facilidade. Inclusive na hora H…

5. Após o grito de gol, sempre algo diferente

Muito por narrar sempre bem estudado e munido de informações, e por escolher não apostar em bordões, Paulo Andrade costuma trazer elementos sobre jogos e personagens após o grito de gol. O narrador falou sobre esta sua característica ao “Flow Podcast”:

— Eu não sou de bordões. Então eu gosto de brincar com os elementos que envolvem o jogo. Mas isso custa. O elemento é muitas vezes a informação, e se eu não tiver a informação, a narração pode não ser tão rica. Um exemplo:

‘O Salah não faz gol há oito jogos'. Então eu só posso gritar: ‘SAI ZIKA! Aí está ele!' Porque eu tenho a informação. Eu dei a informação antes, o cara que tá em casa já sabe. Eu me desafio a isso, eu gosto da transmissão rica.

João Vítor Castanheira
João Vítor Castanheira

Coordenador e editor-chefe da PL Brasil. Passou por Lance, Esporte News Mundo e Grupo Globo. Jornalista pela UFRJ, ex-goleiro da Associação Atlética de Comunicação e Artes com orgulho. Contra todo tipo de conservadorismo - inclusive o esportivo. De Uberaba-MG, radicado no Rio Janeiro-RJ, em São Paulo-SP.