‘Ficarão manchados de sangue’: irmão de executado na Arábia Saudita faz cobrança impactante a lendas ex-Liverpool

6 minutos de leitura

Lendas do Liverpool, Steven Gerrard e Jordan Henderson estão juntos no Al-Ettifaq, da Arábia Saudita. O time, que também conta com Georginio Wijnaldum, que também teve uma passagem vitoriosa por Anfield, venceu o Jeddah na tarde deste domingo (24), no Estádio Prince Mohamed Bin Fahd, em jogo válido pela Copa do Rei Saudita.

Apesar do bom começo do Al-Ettifaq na temporada, os resultados esportivos não cobrem os abusos aos direitos humanos na Arábia Saudita, que incluem 81 homens condenados à morte num só dia em 2022. Um dos executados era o irmão de Yasser al-Khayat, que enviou uma carta aos ídolos do Liverpool, pedindo para que se manifestassem sobre as violações dos direitos humanos no país.

O Al-Ettifaq, que conta com três ex-jogadores do Liverpool, pertence ao governo do país que é acusado de várias violações de direitos humanos e é administrado pelo Ministério dos Esportes da Arábia Saudita.

Al-Khayat alega que o seu irmão, Mustafa, foi executado apenas por participar de protestos pró-democracia. Com a Copa do Rei, disputada em homenagem à família real saudita, o cidadão saudita acredita que é o momento perfeito para as lendas do Liverpool falarem sobre as violações aos direitos humanos.

— Se vocês ganharem a Copa do Rei, as medalhas penduradas no seu pescoço ficarão manchadas com o sangue daqueles que a família governante matou. Isso é pessoal para mim, porque no ano passado meu irmão Mustafa foi um dos executados pela Arábia Saudita — diz um trecho da carta que foi enviada aos ídolos do Liverpool.

Ex-capitão do Liverpool já foi cobrado pela causa LGBTQIAP+

A cobrança por posicionamento não é novidade para Henderson, que, para além dos títulos, ficou marcado no Liverpool por apoiar a causa LGBTQIAP+, mas foi muito criticado pela comunidade por ir para a Arábia Saudita, país onde a homossexualidade é proibida. No anúncio da contratação, o Al-Ettifaq descoloriu a braçadeira de arco-íris do meia, que fazia alusão à causa.

— Eu posso entender a frustração. Eu posso entender a raiva. Entendo. Tudo o que posso dizer é que lamento que eles se sintam assim. Minha intenção nunca foi machucar ninguém. Agora, quando eu estava tomando a decisão, a maneira como tentei encarar a questão foi como se, se eu não fosse, todos nós poderíamos enterrar nossas cabeças na areia e criticar diferentes culturas e diferentes países de longe. Mas então nada vai acontecer. Nada vai mudar — disse o ex-capitão do Liverpool ao “The Athletic”.

A carta enviada aos ídolos do Liverpool na íntegra

“Caros Sr. Gerrard e Sr. Henderson (ídolos do Liverpool), Hoje seu time Al Ettifaq Football Club joga na primeira rodada da Copa do Rei da Arábia Saudita. O monarca ao qual o troféu é dedicado é o Rei Salman.

Desde que chegou ao poder com o seu filho Mohammed bin Salman, em 2015, o seu regime executou mais de 1000 pessoas. A taxa de execuções anuais quase duplicou durante o seu reinado.

A taça que disputam hoje é uma homenagem a essa família governante. Se chegarem à final e vencerem, estarão erguendo um troféu em sua homenagem. Esta não é apenas mais uma competição de taça numa longa carreira, é uma exercício de lavagem desportiva por parte da Arábia Saudita dos seus abusos dos direitos humanos.

E se você ganhar a Copa do Rei, as medalhas penduradas no seu pescoço ficarão manchadas com o sangue daqueles que a família governante matou. Isso é pessoal para mim, porque no ano passado meu irmão Mustafa foi um dos executados pela Arábia Saudita.

Ele foi uma das 81 pessoas mortas num dia, a maior execução em massa da história do país. Foi condenado à morte porque participou num protesto que apelava aos direitos humanos no país.

Alguns dos mortos eram crianças quando participavam nas manifestações, acusados ​​de crimes capitais apesar da sua idade. No momento em que lhe escrevo, dois jovens, Abdullah al-Derazi e Youssef al-Manasif, estão no corredor da morte por crimes que cometeram. acusados ​​de cometer quando eram crianças.

Ambos foram torturados e coagidos a assinar confissões forçadas. Eles poderiam ser condenados à morte a qualquer momento. Ao falar abertamente, você poderia salvar suas vidas. Como figuras públicas proeminentes no país, suas vozes poderiam exercer uma pressão real sobre a família governante saudita.

Você (Henderson, ídolo do Liverpool) não foi contratado apenas para jogar futebol, você foi contratado para lavar esportivamente sua reputação manchada de sangue. Seu fundo soberano financia a Pro League e paga seus salários, mas você não deve permitir que a família governante compre seu silêncio.

Vocês dois já tomaram posições em suas carreiras no futebol, desde condenar o racismo até apoiar os direitos LGBTQ +. Sr. Henderson, você disse recentemente que ‘estava arrependido’ à comunidade LGBTQ + pela dor que causou ao escolher jogar em um país onde sua sexualidade é ilegal.

E ainda assim você também tuitou recentemente sobre a ‘hospedagem generosa’ do Reino da Arábia Saudita. A hospitalidade que você está recebendo faz você esquecer seus valores? Só porque você se mudou para a Arábia Saudita, você não deve deixar seus valores em casa .

Esses valores dos direitos humanos e da democracia são mais importantes do que nunca, agora que vivemos num Estado autoritário. Se defendêssemos esses valores, as nossas vozes poderiam ter ainda mais poder.

Meu irmão Mustafa perdeu a vida defendendo esses valores, protestando pela democracia e pelos direitos humanos na Arábia Saudita. Ele foi executado em segredo, então nunca pudemos dizer adeus a ele, e não podemos nem mesmo lamentar adequadamente porque as autoridades sauditas irão não devolver seu corpo.

Mas porque ele defendeu os direitos de todos nós, devemos a ele continuar contando sua história, até que injustiças como sua morte sejam uma coisa do passado. Por favor, não ignore a história de meu irmão Mustafa ou do centenas de outros que foram mortos.

Ou de Abdullah al-Derazi ou Youssef al-Manasif e centenas de outros no corredor da morte. A Taça do Rei é um momento perfeito para enviar uma mensagem ao rei Salman e a Mohammed bin Salman. Poderiam aproveitar este momento para falar, e salve vidas?”

Romulo Giacomin
Romulo Giacomin

Formado em Jornalismo na UFOP, passou por Mais Minas, Esporte News Mundo e Estado de Minas. Atualmente, escreve para a Premier League Brasil.