Premier League e Brexit: como o futebol inglês pode mudar?

Aconteça o que acontecer, o futebol inglês nunca mais será o mesmo

0
401
premier league e brexit
(Photo by Clive Brunskill/Getty Images)

O texto “Premier League e Brexit: como o futebol inglês pode mudar?” é uma tradução de Can the Premier League beat Brexit?”, do Independent

Richard Scudamore viu a crise chegando a quilômetros de distância. Três dias antes do referendo Brexit, em junho de 2016, o presidente-executivo da Premier League alertou que uma vitória para deixar a União Europeia estaria totalmente em desacordo com sua competição e o que ela representa.

“Há uma abertura sobre a Premier League, que acho que seria completamente incongruente se fôssemos tomar a posição oposta”, disse Scudamore.

Mais tarde naquela semana, 17,4 milhões de eleitores tomaram a posição oposta. E dois anos e meio depois, essa incongruência que Scudamore alertou está prestes a bater de frente com a Premier League.

Acompanhe a PL Brasil no Youtube

5 MÚSICOS QUE TORCEM PARA TIMES INGLESES

Aconteça o que acontecer com o Brexit nos próximos meses, o futebol inglês nunca mais será o mesmo. É impossível imaginar a ascensão da Premier League sem o clima político favorável que encontrou no Reino Unido nos anos 1990 e 2000.

Crescimento econômico estável, baixa regulamentação, melhoria da infra-estrutura e uma base de consumidores de um país que se apaixonou pelo jogo novamente após a Copa do Mundo da Itália de 1990. Dificilmente pode ter havido um melhor momento ou local para lançar um projeto como o da Premier League.

Leia mais: Arapuca? Conheça os segredos e armadilhas de Anfield

O que tudo se resume, na palavra de Scuadmore, foi “abertura”. Liga aberta a dinheiro estrangeiro, com bilhões de russos e emirados transformando o Chelsea e o Manchester City, com os super-ricos da China, Tailândia e EUA entrando também.

Aberto a ideias estrangeiras, como Arsene Wenger, José Mourinho e Pep Guardiola chegando para elevar o nível do jogo. E, o mais importante de tudo, aberto a jogadores estrangeiros, que os clubes da Premier League rapidamente perceberam serem melhores e mais baratos do que os jogadores produzidos em casa.

Essa globalizada Premier League sempre pareceu permanente, mas foi construída em bases políticas, cujo pilar era a livre circulação de pessoas para o Reino Unido. 

Quase três anos depois, é aqui que entra a Federação Inglesa de Futebol (FA). É seu trabalho supervisionar como o governo concede vistos aos futebolistas que chegam ao país de fora da União Europeia.

Ela terá um trabalho muito maior, porque muito mais jogadores precisarão de vistos para jogar aqui. A FA precisará de uma nova abordagem. 

Durante anos, eles viram o fluxo constante de atletas estrangeiros diminuir lentamente as oportunidades para atletas da Inglaterra. A presença de muitos estrangeiros na liga foi a explicação mais fácil para tentar entender o longo período de insucesso da seleção da Inglaterra.

Isso parece que está mudando. No ano passado, as seleções inglesas venceram as Copas do Mundo Sub-17 e Sub-20, assim como o Europeu Sub-19. 

Mesmo após esses recentes sucessos, a FA ainda quer abrir caminhos mais claros para os jovens jogadores ingleses na Premier League. 

Leia mais: Conheça todos os artilheiros da era Premier League

Premier League rejeita planos da FA para limitar jogadores estrangeiros após o Brexit

Há uma outra maneira que o Brexit irá inibir a Premier League, impedindo-a de fazer o que o tornou tão forte. Deixar a UE impediria as equipes da Premier League de contratarem jovens de 16 e 17 anos de outros times internacionais, o que só podem fazer agora graças à isenção da União Europeia ao artigo 19 da Fifa.

Fabregas, Pogba e Bellerin foram para a Inglaterra assim que legalmente puderam, mas esses dias acabarão em breve. A FA espera usar isso como uma oportunidade para derrubar a balança do futebol da Premier League a seu favor.

Sob as regras atuais, cada clube da Premier League pode registrar até 17 jogadores que não foram formados na Inglaterra em seu elenco de 25 atletas. Os oito restantes precisam ser formados no país. 

Mas nem todo clube é assim e, portanto, o número atual de jogadores que não se formaram na Inglaterra distribuídos pela Premier League é 262. E, agora, a FA determinou um limite.

Leia mais: Quando Tottenham e Wolverhampton protagonizaram uma final europeia

recordes de clubes

Sob sua nova proposta, cada equipe da Premier League seria limitada a 13 jogadores “não caseiros”, em vez de 17. E eles podem argumentar que nenhum time perderia muito sacrificando seus 14º, 15º, 16º e 17º mais importantes atletas “não caseiros”.

O Tottenham, por exemplo, teria perdido um total de duas partidas e duas substituições de Paolo Gazzaniga, Michel Vorm, Georges Kevin N'Koudou e Vincent Janssen se esta regra estivesse em vigor na temporada passada. Não é exatamente a nata do talento estrangeiro importado.

A FA não deseja se associar muito fortemente com a política do Brexit, e argumentou que estaria seguindo nessa mudança mesmo que o Brexit fosse de alguma forma interrompido.

Até ofereceu outra medida liberalizadora para atenuar isso. A FA administra atualmente o esquema GBE, pelo qual os vistos para jogadores de futebol de fora do União Europeia são concedidos com base em critérios mensuráveis ​​como taxa de transferência, salário, experiência internacional e classificação da Fifa de sua equipe nacional.

E a FA está disposta a abandonar tudo isso, e a conceder um visto a qualquer estrangeiro no futuro, não importa sua idade ou nacionalidade, se a Premier League apenas atender esses números. Mas não há perspectiva iminente disso.

Leia mais: O dia em que Mourinho quase se tornou treinador da Inglaterra

Os clubes da Premier League discutiram o plano da FA em sua reunião de acionistas no mês passado. E o que surgiu foi uma rejeição clara do plano da FA. Quase acusaram-na de oportunismo, de explorar o momento político para minar suas ligas.

O comunicado dizia que “o Brexit não deveria ser usado para enfraquecer os times de futebol britânicos, nem para prejudicar a capacidade dos clubes de contratar jogadores internacionais”.

A maioria dos dados que tenho visto sugere que cotas em times não faria diferença. O foco principal foi mais em torno da última parte do desenvolvimento dos jovens de 17 a 21 anos. Isso é o que a maioria dos clubes acha que precisamos rever.

A Premier League viu estudos mostrando que o aumento das cotas de jogadores estrangeiros não necessariamente fortalece as seleções nacionais.

Mas há algo mais fundamental em jogo aqui do que debater o melhor mecanismo para ajudar os jovens na seleção. Trata-se do poder no futebol inglês.

A Premier League, tendo acumulado tanto dele por tanto tempo, simplesmente não quer ser receber ordens. Aliás, a PL não vê a necessidade de mudar o sistema, nem mesmo de ter a conversa que a FA quer agora. 

Leia mais: Confira nosso quiz de escudos de times ingleses nível HARD!

divisão do dinheiro na Premier League

Você está tirando o direito de construir o melhor elenco que puder. É por isso que isso prejudica tanto os clubes da Premier League, porque ameaça sua liberdade de definir quem eles são.

Claro que a PL sabe que tem que revidar. Não pode aceitar isso contra o que representa. Mas os clubes também devem saber, no fundo, que a FA tem vantagem.

Porque a lógica dos tempos e deste momento político está do lado deles. O Ministério do Interior autoriza a FA a executar o sistema de vistos para jogadores não pertencentes à UE.

E é muito mais provável que o governo concorde com o lado pró-Brexit, limitando o número de trabalhadores estrangeiros no Reino Unido, do que o lado que anti-Brexit.

Leia mais: QUIZ: Tente adivinhar os 20 escudos de clubes ingleses!

manchester united 8x2 arsenal - rooney

A posição da Premier League é ainda mais frágil pela ameaça de um não-acordo Brexit, na política e no futebol.

Se o Reino Unido deixar a UE no final de março de 2019, sem período de transição, e se a Premier League e a FA não concordarem com um novo plano para os jogadores estrangeiros, a Premier League será muito prejudicada.

Porque todos os jogadores europeus serão forçados a cumprir o sistema de pontos da FA, o critério GBE, que atualmente cobre jogadores não europeus. E isso marcaria o mais severo redesenho das fronteiras imagináveis.

A própria FA calcula que 65% dos atuais jogadores europeus da Premier League não teriam se qualificado através de seu atual sistema GBE. Desses, apenas 42% teriam se qualificado para uma permissão de trabalho sob as regras da GBE. 

Mas o cenário de pesadelo de um não acordo Brexit causaria tanto dano à Premier League que arriscaria afundar o navio inteiro.

Leia mais: Elegemos os uniformes mais bonitos da era Premier League

É por isso que a lógica do cenário aponta para um acordo entre a Premier League e a FA, mesmo que ambos os lados estejam atualmente se distanciando da possibilidade.

Eles não estão apenas distantes dos números sobre os quais estão discutindo, mas no próprio ponto de ter essa conversa. A Premier League preferiria que não estivesse ocorrendo.

E embora a liga possa empregar o máximo de detalhes que quiser sobre seus sucessos – os países em que o campeonato é visto, as pessoas que emprega, a receita que gera, inclusive em impostos – os fatos por si só nem sempre são decisivos.

Há também o clima do momento a considerar. E se a Premier League espera que ela possa sobreviver intacta enquanto a maré se volta contra ela, pode haver um choque.