4 surpresas e 4 decepções da Premier League até aqui

10 minutos de leitura

A Premier League 2023/24 chegou à oitava rodada no último fim de semana. Agora, com a pausa no calendário para mais uma data Fifa, já é possível fazer um primeiro balanço sobre o desempenho dos times e jogadores em relação ao que se esperava no início da temporada.

Nem tudo tem saído da forma que se previa antes de mais uma edição do Campeonato Inglês começar. Por isso, a PL Brasil elegeu as principais surpresas e decepções da temporada da Premier League até o momento. Confira!

As quatro grandes surpresas do início da Premier League 2023/24…

1. Tottenham

É preciso ser honesto: nem o mais otimista dos Spurs imaginaria seu time na liderança da Premier League, acima do rival Arsenal e do favorito ao título Manchester City. Se a jornada do Tottenham após a saída de Harry Kane era um grande ponto de interrogação, o técnico Ange Postecoglou mostrou que existe vida sem o maior artilheiro da história do clube.

O técnico pode até ter começado seu trabalho com um balde de água fria que foi a eliminação precoce na Copa da Liga Inglesa, contra o Fulham nos pênaltis. No entanto, Ange tem conseguido implementar seu estilo de jogo de pressão alta e laterais versáteis, e com o bom desempenho do novo camisa 10 James Maddison, Son e companhia, o treinador está arrumando a casa aos poucos.

2. West Ham

Apesar de o West Ham ter conquistado a Conference League na última temporada, depois de 43 anos sem levantar uma taça, o cenário para 2023/24 não era dos mais animadores. Afinal, a equipe de Lucas Paquetá brigou contra o rebaixamento na PL 2022/23 e terminou em 16º lugar. O brasileiro, aliás, quase foi para o Manchester City na janela de transferências do verão europeu, o que poderia ter definido um cenário de terra arrasada para os Hammers.

Por isso, é uma grata surpresa para os torcedores ver o time em sétimo lugar na tabela, com apenas duas derrotas em oito jogos. Havia desconfiança sobre o desempenho da equipe com a saída de Declan Rice para o Arsenal, mas sob a batuta do “maestro” Paquetá, o West Ham tem feito um bom trabalho em campo e colhido frutos após uma boa janela de transferências.

Paquetá comemora título da Conference League com o West Ham
Paquetá comemora título da Conference League com o West Ham (Foto: Iconsport)

3. Anthony Gordon

Havia expectativa no jovem de 22 anos por causa do valor pago em sua transferência. Anthony Gordon, no entanto, tem se superado por se mostrar um atleta decisivo nesta Premier League. Vindo do Everton por 45 milhões de euros no começo de 2023, o atacante nunca mostrou nos Toffees o mesmo desempenho das categorias de base da seleção inglesa. Em um total de 78 jogos, foram apenas sete gols e oito assistências.

No Newcastle, porém, a história tem sido outra. Em sete partidas, ele marcou dois gols e deixou duas assistências e está entre os líderes da equipe em finalizações (2,1), grandes chances criadas (5), passes decisivos (1,1), dribles certos (71%) e desarmes (2,1) por partida, segundo a plataforma Sofascore.

4. Mick van de Ven

O encaixe da equipe de Ange Postecoglou é um dos fatores por trás do sucesso inicial do Tottenham na Premier League desta temporada. E um dos destaques que surpreendeu nesse sentido é o zagueiro Mick van de Ven. O holandês tem a maior taxa de passes certos dos Spurs (95%) por partida e é um dos menos driblados (1) e que fez menos faltas (2) entre todos zagueiros da PL.

… e as quatro maiores decepções da temporada

1. Manchester United

O Manchester United prometia entregar um bom início de temporada na Premier League. Apesar de não ter se movimentado tanto quanto os rivais do Big-7 na janela de transferências, os Red Devils vinham de uma boa campanha sob o comando de Erik Ten Hag e mostraram ter superado a crise com Cristiano Ronaldo no final de 2022.

Mas, aparentemente, tudo não passou de fogo de palha. Em oito rodadas, o time precisou lidar com uma leva de novos lesionados, a investigação contra Antony por supostas agressões contra uma ex-namorada, as falhas do novo goleiro Onana, a chuva de cartões vermelhos de Casemiro e uma crise de vestiário envolvendo Jadon Sancho. Tudo isso se refletiu em uma série de “recordes” negativos inéditos na história do clube, que hoje amarga a décima posição da PL, com quatro vitórias e quatro derrotas.

2. Chelsea

O Chelsea é outro grande clube que faz um início de campeonato decepcionante na Premier League. É claro: as expectativas sobre os Blues nem se aproximavam das que foram colocadas sobre os outros integrantes do Big-7. Afinal, o time comandado por Mauricio Pochettino acabou de ser comprado por um novo dono e iniciou um período de reconstrução após fazer a pior campanha de sua história em 2022/23.

Ainda assim, esperava-se mais de um clube que gastou mais de 400 milhões de euros na janela de transferências, trazendo nomes como de Moises Caicedo e Roméo Lavia. Mas dentro de campo, a equipe ainda não demonstrou um encaixe e tem apenas um ponto a menos que o United na tabela, permanecendo na segunda metade, em 11º lugar.

enzon fernandez chelsea
Enzo Fernández em jogo do Chelsea. (Foto: Icon sport)

3. Burnley

Ao contrário de Chelsea e Manchester United, já se esperava uma campanha bem mais modesta do Burnley, já que na última temporada, o time disputou a Championship — a segunda divisão inglesa. Porém, quem acompanhou a equipe no último ano, consegue dizer que o início da Premier League tem sido decepcionante.

Se na Championship, o Burnley sobrou e viveu uma revolução sob o comando de Vincent Kompany, tornando-se um time que “propõe”, joga para frente e busca gols, não é o que se vê na Premier League — ou, ao menos, o plano não tem dado certo. Para a tristeza dos torcedores, o time conseguiu somente uma vitória em oito rodadas nesta Premier League — contra o Luton Town, outro candidato ao rebaixamento — e ocupa a 17ª posição.

4. Kai Havertz

A transferência de Kai Havertz para o Arsenal foi a terceira compra mais cara da história dos Gunners (cerca de 75 milhões de euros). Isso, por si só, já o colocou em um pedestal de expectativa nesta Premier League. Seus momentos decisivos no Chelsea nas finais da Champions League e do Mundial de Clubes em 2021 que renderam taças aos Blues também contribuíram. Por isso, seu desempenho que tem deixado a desejar o coloca entre as grandes decepções deste início de temporada.

Mesmo na última temporada do Chelsea, quando o time não estava em suas melhores condições, Havertz seguia criando oportunidades de gol para a equipe, sendo um dos líderes dos Blues nesse quesito.

Sua marca de gols esperados (xG) era de 11,6. Agora, em um equipe melhor estruturada, o alemão marcou apenas um gol, deu uma assistência, não criou nenhuma grande chance e tem apenas 1,6 de xG.

Havertz em jogo do Arsenal
Havertz em jogo do Arsenal. (Foto: Icon sport)
Maria Tereza Santos
Maria Tereza Santos

Jornalista pela PUC-SP. Na PL Brasil, escrevo sobre futebol inglês masculino E feminino, filmes, saúde e outras aleatoriedades. Também gravo vídeos pras redes e escolhi o lado azul de Merseyside. Antes, fui editora na ESPN e repórter na Veja Saúde, Folha de S.Paulo e Superesportes.