“Por que eu virei torcedora… do Chelsea”

Conheça a série especial da PL Brasil sobre a paixão dos torcedores pelos times ingleses que vai ao ar todas as sextas

torcedora chelsea
Marc Atkins/Getty Images

Procure no mapa pela cidade de Petrolina. Pode buscar com calma, lá no estado de Pernambuco. Desça até o interior, mais precisamente no Sertão. Ainda não achou? Vai uma dica: fica no Sertão do São Francisco.

Se já há uma distância entre a capital Recife e os times de lá, imagine então para Londres, Inglaterra, Reino Unido. EUROPA! Mas uma coisa que aprendi nesses anos de torcedora: distância física não existe no quesito Chelsea Football Club.

Quando me fizeram a proposta de escrever esse texto, um dos questionamentos surgiu: em qual momento o Chelsea surgiu na minha vida e virei torcedora? Nossa, faz tanto tempo que eu nem me recordo. Lembro-me de ser na Era Mourinho, com aquele timaço formado por nomes como Petr Cech, John Terry, Ricardo Carvalho, Claude Makelele, Michael Essien, Frank Lampard, Didier Drogba e companhia.

Talvez tenha sido num jogo da Liga dos Campeões transmitido na TV aberta (se não me engano, na Band). Provavelmente tenha sido num duelo contra o Barcelona… Ou foi num jogo da Premier League? Honestamente, não lembro com exatidão. Fato é que desde o momento no qual vi o Chelsea, senti uma conexão.

Talvez por o azul ser minha cor favorita, talvez por gostar da Inglaterra e coisas relacionadas a Londres… Imediatamente comecei a pesquisar sobre o clube, buscava vídeos, notícias e afins. Importante destacar que isso aconteceu na metade dos 2000, então o acesso à internet não era muito fácil, muito menos TV paga (um artigo de luxo naquela época).

chelsea torcedora
Catherine Ivill/Getty Images

De vez em quando a Band exibia os jogos da Premier League, então aproveitava os momentos para ver os Blues em campo. Quando não, recorria ao tempo real em portais nacionais e internacionais, porque enfim, a conexão de alguns anos nem se compara a atual. E assim fui me familiarizando com o elenco, os nomes, as tradições, rivalidades, conquistas etc. Da Band para a Record com a Liga dos Campeões e ano após ano o Chelsea se tornava presente na minha vida.

Através do Chelsea Brasil, conheci pessoas, mesmo que de forma virtual, que até hoje são presentes na minha vida e seguimos trocando figurinhas sobre o clube. Lá formamos vínculos, uma família azul que torce, celebra, chora e corneta a nossa equipe azul. Vieram as conquistas e derrotas, algumas marcadas por lágrimas.

Títulos da Premier League, FA Cup, Carling Cup (hoje com nome de Carabao Cup), Community Shield e a tão sonhada Champions League no ano de 2012, na casa do Bayern e com emoção até o fim. As lágrimas de 2012 deram lugar ao grito engasgado e o choro de dor em 2008, naquela fatídica final da Rússia, com o capitão do time escorregando no que seria o gol da vitória.

De meados de 2000 até 2021 treinadores chegaram e saíram. Ídolos se despediram, novos jogadores vestiram a camisa azul. São muitas memórias mais antigas e outras recentes, como a Europa League em duas ocasiões, a chegada de Frank Lampard como treinador e um novo Chelsea que finalmente aprendeu a olhar para a garotada revelada na Academia. Mas devo confessar que hoje meu vínculo mais forte é o Chelsea Women.

Já faz alguns anos que acompanho a evolução do projeto das Ladies até alcançarem o patamar de Women. Os resultados ruins de um começo sem planejamento até a colheita dos frutos plantados em 2012 com a chegada de Emma Hayes. É uma alegria sem tamanho saber que a equipe é hoje uma referência na Europa.

Essa aproximação com o feminino vem de uma transformação, pois há uns três ou quatro anos voltei minha atenção aos esportes praticados por nós mulheres. E como disse acima, é muito gratificante ver atletas como Millie Bright, Melanie Leupolz, Magdalena Eriksson, Pernille Harder, Sam Kerr, Ji So-Youn, Guro Reiten e tantas outras atletas renomadas vestindo o manto. E sei que em breve esse grupo levantará a taça da Champions feminina.

Conhecer Londres sempre é e continua sendo um sonho. Saber que o Chelsea era daquela cidade fez meu coração de garotinha explodir. Sei que no futuro terei a oportunidade de ir ao Stamford Bridge e a Kingsmeadow. Enquanto isso, seguimos acompanhando as vitórias no meu querido Sertão.

por Maria Akemi

Confira outros textos da série

Por que eu virei torcedor…do Aston Villa

Por que eu virei torcedora do…Manchester City

“Por que eu virei torcedor do… Everton”

“Por que eu virei torcedora do… Arsenal”