Pochettino dá solução para lesões e calendário cheio do Chelsea: ‘Treinadores e jogadores precisam mudar a mentalidade’

2 minutos de leitura

Não, o Chelsea não está no Mundial de Clubes de 2023. Mas a equipe de Mauricio Pochettino entra em campo nesta terça-feira (19) para enfrentar o Newcastle, pelas quartas de final da Copa da Liga Inglesa.

Mesmo não sendo o representante europeu da vez, Pochettino foi perguntado na entrevista coletiva pré-jogo sobre o novo formato da competição, que irá englobar mais times e, consequentemente, inflar ainda mais o calendário do futebol da Europa, exigindo mais do físico dos times.

Mais lesões à vista no Chelsea?

Mesmo antes da mudança no calendário, o número de lesões já cresceu nesta temporada, deixando jogadores fora dos gramados desde os primeiros jogos. Para Pochettino, não dá para apontar um único culpado, são muitas razões por trás.

— Muitos fatores que influenciam a lesão. Perfis em clubes diferentes, eles analisam de forma diferente. A competição ficou muito cheia depois da Copa do Mundo no inverno. É difícil porque os treinadores ou clubes estão sob pressão e às vezes é preciso usar jogadores que não estão nas melhores condições.

A “Copa do Mundo no inverno” citada pelo treinador foi a última edição do Mundial, em 2022, realizada em um período diferente do ano por causa das condições climáticas do Catar. Ela ocorreu no final do ano, durante o inverno na Europa, ao contrário de como acontece normalmente (em julho, quando é verão no Velho Continente).

O argentino relata que vive um conflito no Chelsea para mostrar para as pessoas que quer vencer as competições, ao mesmo tempo em que poupa certos jogadores para não arriscar novos machucados.

— Depois, você precisa confirmar que estava certo (em poupar o atleta), porque se estiver errado, as pessoas perguntam ‘por que você não colocou esse cara para jogar?'. O mais importante é tentar ser honesto com o jogador. Se acharmos que eles não estão em condições e quisermos correr algum risco, talvez não seja o melhor para o jogador ou para a equipe.

“Até os jogadores precisam mudar a mentalidade”

Hoje, o Mundial de Clubes conta com a participação de apenas sete clubes. A partir de 2025, porém, esse número irá saltar para 32 equipes.

Mesmo com o temor de um possível aumento de lesões, Pochettino vê uma saída em meio a mudança. Para o técnico do Chelsea, é preciso mudar a mentalidade de todos os envolvidos no mundo do futebol (jogadores, torcedores e imprensa) sobre a necessidade de rodar jogadores no elenco.

— O que podemos fazer é apoiar a competição porque nada vai mudar. Muitas competições, sim, mas talvez precisemos mudar nossa mentalidade para rodar jogadores, para usar mais o elenco. Mas os torcedores, os jornalistas, as pessoas perguntam ‘por que você não está jogando'?

— Talvez precisamos aceitar que temos que rodar, ter espaço para usar todo o elenco. Os jogadores também precisam aceitar porque também querem jogar. Eles querem jogar, mas se não jogam, ‘eu estava cansado'. Até os jogadores precisam mudar de mentalidade. O equilíbrio é o mais importante.

Maria Tereza Santos
Maria Tereza Santos

Me formei em Jornalismo pela PUC-SP em 2020. Antes de escrever para a PL Brasil, fui editora na ESPN e repórter na Veja Saúde, Folha de S.Paulo e Superesportes.