Petr Cech: um goleiro feito para bater recordes

Goleiro tcheco teve história emblemática no futebol inglês

0
422
Petr Cech: um goleiro feito para bater recordes
Adrian Dennis/AFP via Getty Images

São muitos os elogios possíveis a Petr Cech. Sua plasticidade, envergadura, reflexos, posicionamento e liderança são apenas alguns dos cumprimentos a um dos maiores e melhores goleiros da história da Premier League e do Chelsea.

Petr Cech: um goleiro feito para bater recordes

A história de superação após o acidente dentro de campo. Os recordes batidos pela seleção e pelos Blues. A verdade é que o atleta tcheco encantou os torcedores de Stamford Bridge com atuações mágicas e definitivamente ganhou respeito e conquistou o seu espaço no hall dos grandes arqueiros que já passaram pela terra da Rainha.

Acompanhe a PL Brasil no YouTube!

  • DEZIN PERGUNTA #06 | 10 CURIOSIDADES SOBRE O CHELSEA COM LUCAS SANCHES

Para quem gosta de ver gol, Cech foi um daqueles vilões terríveis pelos quais torcemos nos filmes de super-heróis. Um verdadeiro fenômeno embaixo das traves. No dia 29 de maio de 2019, exato um ano antes da publicação deste texto, o futebol ficava mais triste com a aposentadoria do goleiro.

Quis o destino, com as reviravoltas que a vida dá, que fosse justamente contra o Chelsea, clube pelo qual conquistou inúmeros títulos, incluindo a Premier League e a Champions League.

Kirill Kudryavtsev/AFP via Getty Images

Cech nasceu na cidade de Plzeň, na antiga Tchecoslováquia, no dia 20 de maio de 1982. A paixão do tcheco pelo futebol começou desde pequeno. Aos sete anos de idade, ele começou a praticar o esporte no Skoda Plzeň e posteriormente foi para o FC Viktoria Plzeň.

O que pouca gente sabe é que no início de sua trajetória, ainda nas categorias de base, Cech jogava como atacante, mas depois assumiu a vaga no gol das equipes por onde passou.

Leia mais: Os 5 melhores goleiros da década da Premier League

A estreia do arqueiro no campeonato nacional ocorreu pelo FK Chmel Blsany com apenas 17 anos, ainda em 1999. Seu time foi derrotado pelo Sparta Praga por 3 a 1. Nessa mesma equipe apareceria para o mundo alguns anos depois.

A verdade é que Petr Cech foi feito para bater recordes: independente de onde ele estivesse, o goleiro sempre dava um jeito de batê-los e essa história começou justamente no campeonato tcheco.

Após ser transferido para o Sparta Praga, um dos clubes mais tradicionais do país, Cech bateu o recorde de Theodor Reimann após ficar 855 minutos sem sofrer gols. Assim como qualquer outra grande promessa, o atleta chamou o interesse de grandes clubes da Europa após ter se destacado tanto na equipe tcheca quando na seleção do país.

O goleiro então foi contratado pelo Rennes, em 2002, para assumir a titularidade do time francês. Mesmo com uma ótima passagem, chegando a conquistar o prêmio de melhor goleiro da Ligue 1 na temporada 2003/2004, o desempenho do clube foi regular. Todos sabiam que Cech poderia jogar em um clube com melhores condições de títulos.

Cech Rennes
Derrick Ceyrac/AFP via Getty Images

Chelsea

O auge da carreira de Cech aconteceu justamente na Premier League. Em 2003, o goleiro se reuniu com o Chelsea e acertou sua chegada ao clube inglês para a temporada 2004/2005, que na época contava com Carlos Cudicini como titular.

A transferência girou em torno de 7 milhões de libras para um contrato de cinco anos, o que na época representou a contratação de um goleiro mais cara na história da equipe de Stamford Bridge.

Ao começar os treinamentos pelo time londrino, Cudicini ficou afastado dos gramados por conta de uma lesão no cotovelo durante a pré-temporada. Com isso, José Mourinho colocou Petr Cech como titular. Após isso não perdeu mais o posto.

A primeira partida do arqueiro pelos Blues foi num clássico diante do Manchester United, o qual os Blues venceram por 1 a 0, com gol de Gudjohnsen.

A primeira temporada da lenda do Chelsea não poderia ter sido melhor para o atleta e para o clube. O goleiro bateu um recorde na Premier League de incríveis 1025 minutos sem sofrer gols, o que equivale a mais de 11 jogos.

As atuações de Petr Cech e dos Blues garantiram o título do Campeonato Inglês com 95 pontos conquistados, uma derrota e apenas 15 gols sofridos. O tcheco ainda recebeu o prêmio da Luva de Ouro por ter ficado 24 partidas sem sofrer nenhum gol.

Shaun Botterill/Getty Images

Leia mais: Petr Cech e seus 24 clean sheets na temporada 2004/2005

A continuidade do trabalho no Chelsea aconteceu e foi novamente campeão da Premier League na temporada 2005/2006. Na ocasião, Cech foi o jogador com mais partidas pelo clube durante o campeonato, com 34 jogos disputados. Os números embaixo da trave também são uma referência até para os dias atuais: foram apenas 22 gols sofridos.

2006 foi de fato um excelente ano para o tcheco. A Federação Internacional de História e Estatísticas do Futebol (IFFHS) deu o prêmio de melhor goleiro a Cech pelo 2005 espetacular do arqueiro.

A história do capacete

Certamente você já perguntou a alguém ou foi questionado sobre o porque de Petr Cech usar um capacete nos jogos. Em outubro de 2006, durante partida contra o Reading, o goleiro sofreu um choque na cabeça pelo joelho de Stephen Hunt e fraturou o crânio.

O jogador foi levado à emergência de um hospital e precisou passar por cirurgia. Segundo um neurocirurgião que o atendeu, dois pedaços do crânio foram tirados próximos ao cérebro do atleta e foram substituídos por placas de metal. Se a colisão tivesse sido um pouco mais grave, o acidente poderia ter custado a vida do goleiro.

Adrian Dennis/AFP via Getty Images

A consagração

2012 foi o ano de consagração de Petr Cech como um dos maiores goleiros da história do Chelsea. A conquista da Champions League com certeza foi um dos momentos mais marcantes de toda a história do clube inglês.

A campanha da fase de grupos dos Blues terminou com 11 pontos conquistados, com três vitórias, dois empates e apenas uma derrota, com quatro gols sofridos. As oitavas de final foram um sofrimento e tanto para os torcedores do Chelsea. Ao encarar o Napoli, o time de Stamford Bridge perdeu a primeira partida por 3 a 1, mas conseguiu reverter o placar dentro de casa vencendo os italianos por 4 a 1.

A vida do Chelsea não ficou mais fácil depois disso. O time encarou o Benfica nas quartas de final e avançou com um placar de 3 a 1 no agregado. Nas semifinais, dois duelos marcantes contra o Barcelona. Enfrentar o Barcelona de Guardiola, então atual campeão europeu, comandado por Messi não era trabalho para qualquer um.

A primeira partida aconteceu justamente em Stamford Bridge e Cech foi importantíssimo para que o Chelsea segurasse o time espanhol. A partida terminou com vitória inglesa por 1 a 0 e os Blues precisavam apenas de um empate no jogo de volta.

Leia mais: Bayern 1×1 Chelsea: a improvável vitória dos Blues na final da Champions

No Camp Nou, o Barcelona foi para cima e abriu o placar aos 25 minutos com Sergio Busquets. No final da primeira etapa, Iniesta ampliou. Entretanto, aos 46 minutos, Ramires recebeu em velocidade e encobriu Victor Valdés, em um dos gols mais memoráveis da história do clube.

O Barcelona até tentou, mas esbarrou em uma boa partida defensiva do Chelsea. Logo aos dois minutos, Drogba derrubou Fàbregas dentro da área e o juiz deu pênalti. Messi mandou a bola na trave. Num contra-ataque mortal, El Niño Fernando Torres matou a partida aos 47 minutos da segunda etapa.

Messi pênalti e Cech
Javier Soriano/AFP via Getty Images

A final da Champions League aconteceu no dia 19 de maio, contra o Bayern de Munique, dentro da Allianz Arena. Cech deu um show. Mesmo sofrendo gol de Thomas Müller aos 38 do segundo tempo, o Chelsea foi guerreiro e arrancou um empate na marra aos 43 da segunda etapa, com Drogba.

O goleiro tcheco foi importantíssimo durante todo o jogo e chegou a defender um pênalti de Arjen Robben na prorrogação. O jogo foi para as penalidades e o arqueiro pegou duas cobranças, de Olic e Schweinsteiger. Drogba bateu o último e garantiu o título para os Blues. O goleiro do Chelsea foi eleito o melhor jogador da final.

A polêmica com Luiz Felipe Scolari

O técnico Luiz Felipe Scolari protagonizou um episódio polêmico em sua passagem pelo Chelsea, entre 2008 e 2009. Após uma série de resultados ruins, Felipão foi demitido do comando do clube londrino e culpou três jogadores pela demissão: Michael Ballack, Didier Drogba e Petr Cech.

De acordo com alguns sites de notícias, o treinador brasileiro teria se desentendido com o atacante marfinense após uma derrota para o Manchester United por 3 a 0. Além disso, houve boatos em Stamford Bridge de que “Big Phil”, como é chamado, também teria se desentendido com Cristophe Lollichon, preparador de goleiros o Chelsea, o que teria causado atritos com Cech. Na época, o goleiro disse que estava desapontado com Felipão.

Cech, Terry e Felipão
MN Chan/Getty Images

Arsenal

Com a ascensão de Thibaut Courtois no Chelsea, Cech acabou perdendo espaço no clube e pediu para deixar o time de Stamford Bridge. Ele foi contratado por um dos maiores rivais da equipe inglesa, o Arsenal. Os valores da transferência, segundo o Daily Mail, chegaram na casa dos 11 milhões de libras, o que na época foi algo próximo de 53 milhões de reais.

Por mais que tenha tido bons jogos com a camisa dos Gunners, a passagem de Cech, assim como o desempenho do Arsenal nos últimos anos, não foi tão notada como deveria. De qualquer forma, o goleiro foi duas vezes campeão da Supercopa da Inglaterra, em 2015 e 2017 e uma vez da Copa da Inglaterra, em 2016/2017.

Cech Arsenal Copa da Inglaterra
Ian Walton/Getty Images

Em 2019, Cech anunciou que se aposentaria ao final da temporada. Quis o destino que fosse justamente contra o Chelsea, pela final da Liga Europa, que acabou em 4 a 1 para os Blues, com um show a parte de Eden Hazard.

Um mês após a aposentadoria dos campos, Cech retornou ao Chelsea, sendo anunciado como assessor técnico de desempenho dos Blues. Além disso, ele começou a jogar hóquei de gelo como goleiro pelo Guildford Phoenix, time que disputa a liga inglesa da modalidade.