Patrick Bamford: a consolidação do atacante na PL

Acumulando diversos empréstimos, o camisa 9 do Leeds já pensou até em largar o futebol

0
624
bamford
Lee Smith/Pool - Getty Images

Após 14 anos fora da Premier League, o Leeds United retornou à elite do futebol inglês na atual temporada. Comandada pelo argentino Marcelo Bielsa, a tradicional equipe já vem colecionando algumas histórias em 2020/2021. E talvez uma das mais interessantes seja a de Patrick Bamford.

Se hoje o camisa 9 dos Whites é unanimidade na escalação, isso não mostra o que foi a trajetória do jogador nascido na pequena Grantham, localizada a pouco menos de 40km de Nottingham. Agora, a PL Brasil vai te contar um pouco mais sobre a trajetória de Patrick Bamford e seu incrível início na Premier League 2020/2021.

Leia mais: Kalvin Phillips, o meio-campista inglês que faz tudo funcionar no jogo do Leeds

Início da carreira: Nottingham Forest e Chelsea

O pontapé inicial de Patrick Bamford no futebol se deu no tradicional Nottingham Forest, onde permaneceu até 2012, quando foi repassado ao Chelsea, uma das equipes que mais recrutam jovens jogadores.

Curiosidade à parte, ele chegou aos Blues junto de alguns outros atletas, dentre eles o brasileiro Lucas Piazón – que se firmou no futebol inglês – e um certo Kevin De Bruyne – multicampeão com o Manchester City e hoje um dos melhores jogadores do mundo.

Contudo, as únicas experiências de Bamford com a camisa do Chelsea foram com a equipe reserva, e não com o time principal. Na temporada 2011/2012, ele disputou 19 jogos e balançou a rede em nove oportunidades.

O início dos empréstimos para divisões inferiores

Mike Hewitt/Getty Images

Nas equipes inferiores dos Blues, o centroavante até demonstrou potencial, mas, assim como é de praxe com os jovens que chegam a Stamford Bridge, passou por uma sequência de empréstimos. Ao todo, Bamford foi emprestado para seis equipes, sendo apenas três delas participantes da Premier League.

Entre novembro de 2012 e janeiro de 2014, ele acumulou dois empréstimos seguidos ao MK Dons. Por lá, foram 44 jogos e 21 gols, uma média de quase um gol a cada dois jogos. Após isso, entre janeiro e maio de 2014, ele teve uma curta passagem pelo Derby County na Championship. Com os Rams, novamente uma boa média: foram 23 jogos e oito gols.

Já na temporada seguinte, Patrick Bamford continuou em sua saga dos empréstimos, sem ao menos receber um minuto na equipe principal do Chelsea. Em 2014/2015, foi então repassado ao Middlesbrough, novamente uma equipe da Championship. Com o Boro, o atacante atingiu 44 jogos e 19 gols.

Leia mais: A consolidação de Daniel Podence no Wolverhampton

A estreia de Patrick Bamford na Premier League

Bamford demorou cinco temporadas desde que se profissionalizou para estrear na Premier League. Em muitos momentos, o centroavante chegou até mesmo a cogitar uma definitiva desistência do futebol.

Na temporada 2015/2016, acumulou dois empréstimos na primeira divisão, sendo o primeiro deles ao Crystal Palace. Contudo, não empolgou a comissão técnica e deixou a equipe na metade da edição da PL, com nove jogos e nenhum gol. Na sequência, vestiu a camisa do Norwich City, onde atuou por mais sete jogos, mas novamente sem balançar as redes.

Michael Steele/Getty Images

Assim, com os baixos números na Premier League, e também com péssimas aparições em campo, muitos começaram a desacreditar no futebol de Bamford. Nesse ínterim, tendo estudado em boas escolas na infância, ele chegou até mesmo a cogitar disputar uma vaga na renomada Universidade de Harvard. O outro plano que tinha em mente era ser músico, visto que possui intimidade com o violino.

Leia mais: O início impressionante de Wesley Fofana no Leicester City

No entanto, na temporada seguinte uma nova possibilidade apareceu. O então campeão da Championship acionou o Chelsea em busca do seu empréstimo. Com isso, Bamford rumou ao Burnley.

Entretanto, sua estadia nos Clarets não durou nem um ano. Por lá, foram seis meses, seis jogos e nenhum gol. Neste período, chegou a receber fortes críticas do treinador da equipe, Sean Dyche, que disse que o atleta sempre teve tudo fácil na vida e que, portanto, não tinha garra para disputar as partidas.

Patrick Bamford durante seu curto período no Burnley
Ben Hoskins/Getty Images

O retorno à Championship: Middlesbrough e o pedido de Bielsa no Leeds

Com incertezas na cabeça, Bamford estava com a carreira muito atrelada aos bons números na segunda divisão e aos péssimos na primeira. Em janeiro de 2017, uma porta se reabriu ao atacante após deixar o Burnley.

Bamford retornou ao Middlesbrough, agora com um contrato em definitivo, enfim deixando o Chelsea. No Boro, dessa vez ficou um ano e meio, disputando 53 jogos, nos quais balançou as redes em 14 oportunidades.

Paralelo a isso, no início da temporada 2018/2019, o Leeds United começava a montar um projeto para retornar à Premier League. E, para tanto, contratou o treinador Marcelo Bielsa, que remodelaria o elenco.

O argentino, ao chegar nos Whites, pediu a contratação de Bamford. Era um salto não somente em projeto, mas também na autoestima do atleta. Afinal, após tantos nãos, um sim de alguém tão importante no esporte melhora a carreira.

Stu Forster/Getty Images

Leia mais: O último título inglês do Leeds, conquistado em 1991/1992

No entanto, na primeira temporada no Elland Road, o centroavante teve uma séria lesão no joelho. Mesmo assim, disputou 25 jogos e até foi bem, balançando as redes 10 vezes. Mas o projeto do Leeds não colheu os frutos esperados e a equipe foi eliminada nos playoffs da Championship, não retornando à elite inglesa.

Logo na sequência, por outro lado, a temporada 2019/2020 iniciou e terminou de forma perfeita para a equipe de Bielsa. Com 93 pontos, 28 vitórias e nove empates em 46 jogos, os Whites foram campeões da segunda divisão.

No entanto, os números de Patrick Bamford, embora bons, não foram excepcionais. Foram 45 jogos na Championship, 16 gols e duas assistências. Assim, ele ficou a 10 gols do artilheiro da competição, Aleksandar Mitrovic, do Fulham.

Bamford fez muitos gols na Championship
Lewis Storey/Getty Images

Patrick Bamford enfim desencanta na Premier League

Para o retorno após 14 anos afastado da elite inglesa, o Leeds United trouxe um pacote de contratações. Dentre os nomes, o espanhol Rodrigo Moreno, ex-Valencia, e que poderia brigar por posição com Bamford.

Até por isso, muitas especulações seguiam em torno do nome do camisa 9 dos Whites. Alguns jornalistas ingleses questionavam se ele seria o nome certo para o comando de ataque na elite.

No entanto, logo na primeira partida da temporada, frente ao Liverpool, atual campeão da Premier LeaguePatrick Bamford tratou de quebrar a seca de gols na elite, ou melhor, de marcar o seu primeiro gol. Na derrota por 4 a 3 para os Reds, ele marcou o segundo gol do Leeds.

Patrick Bamford e sua comemoração característica
Molly Darlington – Pool/Getty Images

Com um início arrasador, e não se prendendo apenas ao centro a área, Bamford balançou em outras nove oportunidades nos 16 jogos seguintes de Premier League, além de ter contribuído com duas assistências.

É o ápice de jogador que teve que se moldar – e se provar – em sua carreira para chegar ao patamar que está hoje. Ora, com uma média de 0.6 gol por partida, e na elite inglesa, ele definitivamente está em sua melhor temporada como profissional.

Leia mais: Curtis Jones: uma joia que o Liverpool tem nas mãos

E se pode dizer que o auge desse momento foi na partida contra o Aston Villa, em 23 de outubro. Com a equipe de Birmingham na liderança, os comandados de Bielsa aplicaram um sonoro 3 a 0, no Villa Park. Para Bamford, uma noite pra lá de especial, pois fez todos os gols, o seu primeiro hat-trick na elite inglesa.

Além disso, tornando ainda mais doce a sua trajetória na elite, com os 10 gols em 15 jogos na PL ele atingiu uma marca que não era registrada desde 1999, a de um jogador chegar a esse número de gols por uma equipe recém promovida. O último a fazer foi Kevin Phillips, pelo Sunderland, em 1999/2000.

Para Bamford, o futuro é incerto. Aos 27 anos, para um jogador que já pensou em largar o futebol e ir para a faculdade, ou até mesmo virar músico, cada partida com a camisa do Leeds na elite é uma chance de provar aos antigos clubes que ele é sim um jogador de Premier League.