Pai de Haaland encerrou carreira no Manchester City – e teve rixa histórica com Keane

Alf-Inge Haaland jogou nos Citizens entre 2000 e 2002, e teve lesão causada por astro do rival

0
810
Pai de Haaland encerrou a carreira no Manchester City - e teve rixa histórica com Roy Keane
(Foto destacada: Geoff Martin/Imago Images)

No confronto entre Manchester City e Borussia Dortmund pelas quartas de final da Uefa Champions League 2020/2021, a estrela norueguesa Erling Braut Haaland terá um encontro com a história do seu pai. Nem todos sabem, mas Alf-Inge Haaland foi jogador, e encerrou a carreira justamente pelos Citizens.

A jornada de Alf Haaland nos azuis de Manchester durou quatro anos, e entre bons momentos, ficou marcada por desavenças com um ídolo do rival local, que terminaram com um lance negativamente histórico.

Jornada na Inglaterra 

Fazendo boa parte da sua carreira como volante, Alf-Inge Haaland começou a carreira pelo Bryne FK, clube da cidade homônima da Noruega onde nasceu. Sem nunca ter jogado na primeira divisão local, foi para a Inglaterra em 1993 – mais precisamente, ao Nottingham Forest.

Ele foi contratado em 1993, logo após a saída do lendário treinador Brian Clough. No clube bicampeão europeu foram 75 jogos e sete gols marcados entre 1993 e 1997. Depois dos quatro anos, o pai de Erling Haaland se mudou para outro clube inglês.

Pai de Haaland encerrou a carreira no Manchester City - e teve rixa histórica com Roy Keane
(Foto: Imago Images)

Em julho de 1997, o volante foi para o Leeds United, então comandado pela lenda do Arsenal, George Graham. Uma curiosidade foi que, em dezembro do mesmo ano, ele marcou em Anfield, durante uma derrota do Leeds para o Liverpool. Vinte e dois anos depois, seu filho fez um gol no mesmo estádio, jogando pelo Red Bull Salzburg.

Também pelo Leeds, ele esteve no elenco que chegou à semifinal da Copa da Uefa de 1999/2000. Na ocasião, a equipe caiu para o Galatasaray, que viria a ser campeão. Mas foi também nos Whites que uma rivalidade entre ele e um ícone do futebol inglês se iniciou.

Rixa com Roy Keane e ida ao Manchester City

Não é segredo para ninguém que Leeds United e Manchester United fazem uma das maiores rivalidades do futebol inglês. Foi em um clássico no dia 29 de setembro de 1997, que após uma dividida entre Haaland e Roy Keane, o jogador do Man United se machucou.

O irlandês teria tentado simular um pênalti, mas no choque acabou rompendo o ligamento cruzado anterior. Na ocasião, Haaland não percebeu a gravidade da lesão, gritou na cara do rival, e afirmou que ele estava simulando uma lesão para tentar ganhar a penalidade. Não foi o caso – e Keane ficou de fora por quase um ano dos gramados.

Leia mais: Roy Keane: um leão feroz dentro das quatro linhas

Em 2000, Haaland pai deixou o Leeds e foi para outro rival dos Red Devils, o Manchester City. E Roy Keane prometeu se vingar. 

A “vingança” de Roy Keane

Alf-Inge Haaland chegou aos Citizens no ano 2000, e teve bons momentos. Foram 33 jogos e três gols marcados em um ano, tornando-se uma peça importante da equipe que, à época, brigava para permanecer na Premier League. Até que em 21 de abril de 2001, um momento definiu a passagem do volante norueguês pela Inglaterra.

Manchester United e Manchester City se enfrentaram em Old Trafford pela 34ª rodada da Premier League. Na ocasião, os Red Devils estavam a um passo do título, enquanto os Citizens viam o rebaixamento muito de perto. E aos 41 minutos do segundo tempo, com a partida empatada em 1 a 1, Keane foi cumprir a promessa. 

Após uma sobra de bola no meio de campo, Haaland chegou antes e tinha a posse. Keane, que ia em direção à mesma, observou a chegada do rival e não teve dúvidas: levantou o pé e acertou um chute no joelho direito do jogador do Man City. Ele foi imediatamente expulso, mas saiu de campo também gritando na cara do norueguês.

Keane foi multado em 5 mil libras, e recebeu uma suspensão de três partidas pelo lance. Porém, um ano depois, foi publicada a autobiografia do irlandês. E nela, ele lembrou do incidente de 1997 dizendo:

“Havia esperado muito tempo por isso. A bola estava lá e eu poderia disputá-la, mas fui em cima dele. ‘Tome, seu idiota, e nunca mais diga que estou mentindo’. Era para que ele nunca mais falasse que eu fingia lesões. Não me arrependi, nem depois do jogo. Mandei tudo à m****. O que vai, volta. Minha atitude foi olho por olho” – Roy Keane.

A revelação da declaração gerou uma nova sanção a Keane. Desta vez, na temporada seguinte, ele foi multado em 150 mil libras e levou cinco jogos de gancho.

Voltando ao jogo de 2001, Haaland ainda conseguiu terminá-lo, e depois jogou 45 minutos em um amistoso pela Noruega, e 68 na partida seguinte do Man City na PL. Os Red Devils terminaram como campeões, e os Citizens caíram para a Championship. 

Veio o verão e o pai de Erling Haaland fez uma cirurgia no joelho esquerdo. Mas na temporada 2002/2003 entrou em campo apenas quatro vezes, nenhuma como titular, e se aposentou. Seu contrato iria até o fim da temporada 2004/2005, mas tinha uma cláusula de rescisão caso ele não pudesse jogar por razões médicas.

O “mito” da aposentadoria

Desde então se criou um mito de que o lance de Roy Keane encerrou a carreira de Alf-Inge Haaland. E o próprio Manchester City alimentou a ideia, afirmando em 2002 que estudava entrar com uma ação legal contra o irlandês após o lançamento de sua autobiografia. Mas não foi bem assim.

Pai de Haaland encerrou a carreira no Manchester City - e teve rixa histórica com Roy Keane
(Foto: Imago Images)

Os problemas de Haaland que levaram à cirurgia foram no joelho esquerdo. Já o chute de Keane foi no lado direito. O norueguês chegou a afirmar em seu site que não foi atingido no lado esquerdo no lance, e que as lesões não foram causadas pela dura chegada do capitão dos Red Devils.

O que não impediu a vítima de expressar seu sentimento negativo. Uma semana depois do lance, em entrevista a um tabloide inglês, Haaland disparou:

“Ele nunca ousou me olhar nos olhos antes de uma partida. Eu realmente não gosto do Manchester United, e não suporto seus jogadores. Dizer isso [o que ele me falou na saída do campo] seria jogar petróleo no fogo, mas ele não me desejou coisas boas. Enquanto ele não me olhar nos olhos, não acho que acabou” – Alf-Inge Haaland.

Em 2011, ele saiu da aposentadoria para jogar pelo Rosseland, clube de sua cidade na terceira divisão norueguesa. No ano seguinte, aposentou-se definitivamente.

Mas se Alf-Inge Haaland, o pai, deixou os campos, o filho Erling Braut está começando uma grande história. Muito se fala sobre a ligação da família com o Manchester City, e até se especula uma possível ida do atacante sensação aos Citizens. Por enquanto, apenas boatos.

De qualquer forma, o presente é outro. Quase duas décadas depois, na temporada 2020/2021, Manchester City e Borussia Dortmund irão se enfrentar pelas quartas de final da Champions League. E Erling Braut Haaland terá um encontro com a história de seu pai.