Os melhores zagueiros da Premier League

Os melhores zagueiros da Premier League
Foto destaque: Reprodução/Sky Sports

A princípio, todo time vencedor é composto de um setor que sempre se destaca. No entanto, para uma equipe ser campeã, o mesmo deve ter um sistema defensivo sólido, liderado por grandes atletas. Dessa forma, vários zagueiros eternizaram a sua história na liga mais competitiva do planeta.

Steve Bruce

De antemão, o zagueiro chegou do Norwich, após o Manchester United desembolsar 825 mil libras. Assim, o investimento em Bruce teve um retorno muito além do estimado, já que o defensor fez história no clube.

Em outras palavras, conquistou três Premier Leagues (1992/93, 1993/94 e 1995/96), três FA Cups (1989/90, 1993/94 e 1995/96), uma League Cup (1991/92), três Community Shields (1990, 1993 e 1994), uma Supercopa da UEFA (1991) e uma UEFA Cup Winners Cup (1990/91).

Além disso, o estilo de jogo de Steve Bruce o colocou na história do clube. Assertivo no combate, o zagueiro era muito firme nos duelos defensivos. Ainda mais, marcava muitos gols, por conta de sua habilidade na bola aérea e nas cobranças de pênalti. Um deles é o inesquecível gol contra o Sheffield Wednesday, em uma cabeçada firme, que deu o título da temporada 95/96.

Gary Pallister

Na década de 90, formou uma dupla de zaga histórica, ao lado de Steve Bruce, com a camisa dos Red Devils. Por outro lado, diferente do companheiro, Pallister era um zagueiro mais técnico, que apostava mais na leitura do jogo. Além disso, seus 1,93m marcavam presença tanto na defesa quanto no ataque.

Começou a carreira em 1984, no Middlesbrough, seu clube de coração. Pelo Boro, disputou 156 partidas, até 1989, quando foi contratado pelo Manchester United.

Nesse meio tempo, viveu uma carreira vitoriosa em Old Trafford, conquistando quatro Premier Leagues (1992/93, 1993/94, 1995/96 e 1996/97), três FA Cups (1989/90, 1993/94 e 1995/96), uma League Cup (1991/92), cinco Community Shields (1990, 1993, 1994, 1996 e 1997), uma Supercopa da UEFA (1991) e uma UEFA Cup Winners Cup (1990/91).

Dessa forma, ficou no Theatre of Dreams até 1998, quando foi vendido de volta para o Middlesbrough, onde jogou mais 56 partidas. Encerrou a sua carreira em 2001, aos 36 anos de idade. Definitivamente, Gary Pallister está no hall de melhores zagueiros da Premier League, por conta de sua carreira vitoriosa e de suas atuações seguras.

Tony Adams

Antes de mais nada, o título de Mr. Arsenal já fala por si. Tony Alexander Adams jogou a carreira inteira com a camisa dos Gunners. Assim, o grandalhão de 1,91m sempre foi um líder nato, tanto que assumiu a braçadeira do time com apenas 22 anos. Nesse sentido, o zagueiro sempre se destacou por sua leitura de jogo e desarmes firmes.

Adams atuou pelo Arsenal de 1987 até 2002, e conquistou três Premier Leagues (1997/98, 2000/01 e 2001/02) e três FA Cup's (1992/93, 1997/98 e 2001/02). Contudo, o capitão tinha holofotes fora de campo, devido à dependência alcoólica, que acompanhou a sua carreira. Foi condenado a cumprir seis meses de prisão em 1992, por conta de embriaguez ao volante.

Entretanto, nunca perdeu o status de líder e o prestígio, sempre honrando a camisa dos Gunners ao entrar em campo. O zagueiro já admitiu que chegou a jogar embriagado, e que isso nunca afetou o seu desempenho dentro das quatro linhas.

Por outro lado, a chegada de Arsène Wenger em 1996, foi fundamental para Adams equilibrar a vida profissional e a pessoal. A parceria de Le Prof com Tony rendeu muitas vitórias para os Gunners, como o Double (Premier League e FA Cup), em 1998.

Tony Adams terminou a carreira em 2002, com 35 anos, e a encerrou em grande estilo, levantando o caneco da FA Cup 2001/02, a terceira como capitão.

Sol Campbell

Nascido no Norte de Londres, Sol Campbell começou a carreira no Tottenham Hotspur. Dessa forma, o zagueiro começou a se destacar por conta de sua força física, roubadas de bola e um jogo aéreo letal. Além disso, assumiu cedo a braçadeira dos Spurs, e se tornou o principal atleta do plantel.

Arsenal

No entanto, o desejo de títulos fez Campbell tomar uma decisão, que não agradou a torcida do Tottenham. Em outras palavras, o defensor foi para o Arsenal, o principal rival. Consequentemente, a mudança de ares do zagueiro surtiu efeito logo na primeira temporada, quando o Arsenal conquistou o segundo Double, sob o comando de Arsène Wenger.

Aliás, Sol Campbell viveu o auge da sua carreira nos Gunners, sendo titular dos Invincibles da temporada 2003/04. Quase levou o clube à conquista inédita da Uefa Champions League, em 2006, abrindo o placar na final contra o Barcelona. Entretanto, o conto de fadas durou pouco, já que o Barça virou com o épico gol de Belletti.

Portsmouth

No entanto, após passar por uma fase ruim em campo, Campbell teve a titularidade ameaçada e contestada. Dessa forma, em agosto de 2006, o zagueiro foi para a sul da Inglaterra, defender o Portsmouth. A decisão gerou discussões por parte da mídia e dos torcedores, já que a Juventus chegou a manifestar interesse e saiu das negociações, um mês antes.

Assim, no Pompey se firmou como um dos principais jogadores da equipe. Foi fundamental na conquista da FA Cup da temporada 2007/08, a segunda conquista do time do sul da Inglaterra. Entretanto, após o quase rebaixamento em 2008/09, e problemas financeiros do clube, Campbell saiu do Portsmouth.

Notts County, retorno aos Gunners e Newcastle

Após uma passagem estranha pelo Notts County, onde atuou em apenas uma partida, voltou ao Arsenal, por conta da carência de zagueiros na equipe. Como resultado, o técnico Arsène Wenger solicitou a contratação do defensor. Todavia, atuou em apenas 11 partidas. Em 2010, foi para o Newcastle, que havia retornado à elite.

Na equipe do nordeste inglês, Campbell só jogou oito partidas e não marcou nenhum gol. Posteriormente, em 2012, anunciou que iria pendurar as chuteiras, aos 37 anos.

Apesar de não conseguir repetir as atuações de seu auge, Sol Campbell é considerado como um dos melhores zagueiros da Premier League, fazendo história nos dois times do Norte Londrino e no Portsmouth.

Pelos Spurs, Campbell conquistou a League Cup de 1998/99. Em contrapartida, pelo Arsenal foram duas Premier Leagues (2001/02 e 2003/04), três FA Cups (2001/02, 2002/03 e 2004/05) e dois Community Shield (2002 e 2004).

Jaap Stam

Após ser comprado pela cifra de 17 milhões de euros, junto ao PSV Eindhoven, o holandês pousou em Old Trafford, em 1998. Dessa maneira, Stam chegou assumindo a titularidade da zaga do Manchester United.

Com o seu estilo de jogo firme e extremamente físico, o grandalhão de 1,91m caiu nas graças da torcida e foi fundamental para a solidez defensiva dos Red Devils. Dono de um incrível vigor, também conseguia desempenhar a função de lateral.

Em 2007, Sir Alex Ferguson revelou que a venda de Stam, para a Lazio em 2001, foi um dos arrependimentos de sua carreira.

Dessa forma, o defensor conquistou três Premier Leagues (1998/99, 1999/00, 2000/01, uma FA Cup (1998/99), uma UEFA Champions League (1998/99) e um Torneio Intercontinental (1999).

Por fim, a passagem vitoriosa de Jaap Stam pelos Red Devils, marcou época, deixando a sua história na Premier League, como um dos melhores zagueiros da competição.

Sami Hyypia

Depois de se destacar no Willem II, o finlandês chegou à Anfield Road, em 1999. Com a imponência de seus 1,95m, e o seu estilo técnico, Hyypia passou a ter muito reconhecimento na zaga dos Reds.

Conquistou duas FA Cups (2000/01 e 2005/06), duas League Cups (2000/01 e 2002/03), dois Community Shield (2001 e 2006), uma UEFA Champions League (2004/05), uma Copa da UEFA (2000/01) e duas Supercopas da UEFA (2001 e 2005).

Além disso, a sua habilidade de liderança lhe redeu a braçadeira de capitão do Liverpool. Ficou na terra dos Beatles até 2009, e é reconhecido como um dos melhores zagueiros da Premier League.

Jamie Carragher

Apesar de torcer para o Everton na infância, Jamie Carragher jogou a carreira inteira no Liverpool, desde os 9 anos de idade. Conhecido por sua raça e versatilidade, jogava tanto na zaga quanto na lateral direita. Ademais, prezava muito pelo jogo coletivo e se tornou símbolo da equipe vermelha de Merseyside.

Conquistou duas FA Cups (2000/01 e 2005/06), três League Cups (2000/01, 2002/03 e 2011/12), dois Community Shield (2001 e 2006), uma UEFA Champions League (2004/05), uma Copa da UEFA (2000/01) e duas Supercopas da UEFA (2001 e 2005).

Aliás, sua figura era muito presente nas convocações dos Three Lions, onde integrou o elenco nas Copas de 2006 e 2010.

Ricardo Carvalho

Após dois anos mágicos no Porto, onde conquistou a Copa da Uefa de 2002/03 e a Champions League de 2003/04, Ricardo Carvalho chegou em Stamford Bridge com uma certa desconfiança. Mesmo com o aval de José Mourinho, e boas apresentações no Dragão, o zagueiro não convencia a torcida e a imprensa inglesa, por conta de seu porte físico.

Em outras palavras, os 1,83m e o biotipo magro, não batiam com a cultura da fisicalidade dos zagueiros da liga inglesa. No entanto, logo na primeira temporada, ao lado de John Terry, formou uma zaga que concedeu apenas 15 gols, o recorde da competição até aqui. A solidez defensiva foi fundamental para o histórico Chelsea conquistar a Premier League 2004/05.

Aliás, a sua capacidade de leitura de jogo, velocidade nas antecipações, desarmes limpos e uma grande impulsão, ajudaram o Chelsea a conquistar três títulos da Premier League (2004/05, 2005/06 e 2009/10), três FA Cups (2006/07, 2008/09 e 2009/10), duas League Cups (2004/05 e 2006/07) e dois Community Shield (2005 e 2009).

John Terry

Antes de mais nada, o Mr. Chelsea é considerado por muitos, como o melhor zagueiro da história da Premier League. Assim, desde a juventude, John Terry sempre se mostrou como um líder nato, e assumiu a braçadeira após a saída de Marcel Desailly, em 2004. O zagueiro entrou na equipe juvenil em 1995, e chegou ao profissional em 1998.

Dessa forma, apesar de ser rotulado pelas disputas ríspidas, a combinação de força física com a capacidade de leitura de jogo colocou Terry como um dos melhores defensores de sua geração. Se tornou símbolo da transformação do Chelsea, ao lado de Frank Lampard e Didier Drogba, em um dos grandes times da Inglaterra e da Europa.

Além disso, o jogo aéreo letal se tornou uma de suas marcas registradas, tanto na defesa quando no ataque. Como consequência, marcou 41 gols e se tornou o defensor com mais gols na história da Premier League. De maneira geral, John Terry é um dos melhores, e um dos mais vitoriosos zagueiros do futebol inglês.

Por fim, em termos de título, The Captain, Leader, Legend, levantou cinco canecos da Premier League (2004/05, 2005/06, 2009/10, 2014/15 e 2016/17), cinco da FA Cup (1999/00, 2006/07, 2008/09, 2009/10 e 2011/12), três League Cup (2004/05, 2006/07 e 2014/15), dois Community Shield (2005 e 2009), uma Uefa Champions League (2011/12) e uma Uefa Europa League (2012/13).

Rio Ferdinand

West Ham

A princípio, o zagueiro começou nas categorias de base do West Ham, em 1992, e subiu para o profissional em 1996. Apesar do empréstimo para o Bournemouth, em sua primeira temporada, Ferdinand retornou ao Upton Park, conquistando a titularidade da zaga dos Hammers. Consequentemente, suas atuações atraíram os interesses de outras equipes.

O estilo de jogo técnico, a capacidade de leitura tática, os desarmes limpos e sua saída de jogo construtiva, indicavam que o zagueiro tinha um grande potencial.

Leeds United

Dessa forma, o Leeds United desembolsou 18 milhões de libras para contar com os serviços do zagueiro. Assim, a transferência de Rio Ferdinand, para o Elland Road, se tornou a mais cara de um atleta britânico e o transformou no defensor mais caro do mundo.

Após um começo pouco turbulento, o zagueirão se tornou a peça principal da defesa dos Whites. Nesse sentido, logo na primeira temporada, o Leeds chegou na semifinal da Champions League 2000/01, mas caíram para o Valencia, que seria o vice-campeão daquela edição.

Suas boas atuações lhe renderam convocações para a Seleção Inglesa, inclusive na Copa de 2002, em que foi titular da equipe de Sven Goran Eriksson. No entanto, os Three Lions padeceram nas quartas de final, para o Brasil, com o inesquecível gol de falta de Ronaldinho Gaúcho. Apesar da eliminação, o desempenho de Ferdinand foi muito elogiado.

Manchester United

Entretanto, as coisas mudariam de rumo após o Mundial. Além dos interesses fomentados por seu desempenho na Copa do Mundo, o Leeds United começou a enfrentar sérios problemas financeiros. Como resultado, os Whites venderam o seu atleta mais valioso para o rival, Manchester United.

Dessa maneira, os Red Devils pagaram cerca de 29,3 milhões de libras, tornando Ferdinand o defensor mais caro da história, pela segunda vez.

Assim, a chegada de Rio ao Old Trafford, foi vista como uma luz para os problemas defensivos que Sir Alex Ferguson encarava na época. Dito isso, o zagueiro já chegou conquistando a Premier League 2002/03, a primeira com a camisa do United.

Posteriormente, após os Invincibles do Arsenal na temporada seguinte, e o bi campeonato do Chelsea em 2005 e 2006, as coisas mudariam na defesa vermelha. Em 2006, a chegada do sérvio Nemanja Vidic, marcou a formação de uma das maiores duplas de zaga do futebol.

A técnica de Rio Ferdinand e a rispidez de Vidic, combinaram demais, fazendo com que a química moldasse a solidez defensiva do Manchester United. A presença de Rio Ferdinand era fundamental para o sistema de jogo, já que era um zagueiro técnico, que sabia sair jogando. Defendeu os Red Devils até 2014.

Firmado como um dos líderes do Manchester United, Rio Ferdinand conquistou seis Premier Leagues (2002/03, 2006/07, 2007/08, 2008/09, 2010/11 e 2012/13), duas League Cups (2005/06 e 2008/09), quatro Community Shield (2003, 2007, 2008 e 2013), uma Champions League (2007/08) e um Mundial de Clubes (2008).

Queens Park Rangers

Após uma temporada marcada por várias turbulências, como a chegada de David Moyes para o lugar de Sir Alex Ferguson, que havia saído no final da temporada 2012/13, Rio Ferdinand optou por deixar o Old Trafford, em 2014. Dessa forma, o destino foi o Queens Park Rangers.

Em Loftus Road, atuou em apenas 11 partidas e viu a equipe ser rebaixada para Championship no final da temporada. Logo depois, comunicou a todos que iria pendurar as chuteiras.

Rio Ferdinand é considerado como um dos melhores defensores da história da Premier League, com o seu desempenho sendo proporcional aos títulos conquistados. Ademais, manteve um nível alto durante boa parte da sua carreira, onde as suas habilidades técnicas lhe deram mais longevidade.

Nemanja Vidic

Estrela Vermelha

Antes de tudo, o sérvio se profissionalizou no Estrela Vermelha, em 2000. Após um empréstimo para o Spartak Subotica, Vidic voltou à equipe de Belgrado e se firmou como titular. Consequentemente, seu desempenho lhe rendeu convocações para a Seleção de Sérvia e Montenegro, onde passou a ter mais destaque.

Spartak Moscou

Posteriormente, foi vendido para o Spartak Moscou, em 2004, por um valor que não foi revelado. Na equipe moscovita, foi bem regular e se destacou. Nesse meio tempo, disputou as Eliminatórias da Copa do Mundo de 2006, em que fez parte da defesa de Sérvia e Montenegro, que tomou apenas um gol.

Manchester United

Dessa forma, com o destaque no Spartak e na Seleção, Vidic atraiu o interesse da Fiorentina. No entanto, com a Viola enfrentando os entraves do limite de estrangeiros na Itália, o Manchester United deu um chapéu na equipe toscana, e desembolsou 7 milhões de libras para contar com o zagueiro, em janeiro de 2006.

Por fim, o seu estilo combativo e extremamente físico, acompanhados de uma excelente impulsão e um grande poderio de cabeceio, conquistou as graças da torcida. Aliás, a química em campo com Rio Ferdinand, lhe possibilitou a ser considerado como um dos grandes zagueiros de sua geração.

Ademais, a sua presença preencheu o problema da quarta zaga do United, que era um empecilho desde a saída de Jaap Stam, em 2001. A composição de Rio Ferdinand, na zaga central, e Nemanja Vidic, como quarto zagueiro, é considerada uma das melhores duplas de zaga dos últimos tempos.

Considerado como um dos líderes do Manchester United, chegando a ser capitão, o zagueiro sérvio conquistou cinco Premier Leagues (2002/03, 2006/07, 2007/08, 2008/09, 2010/11 e 2012/13), duas League Cups (2005/06 e 2008/09), três Community Shield (2007, 2008 e 2013), uma Champions League (2007/08) e um Mundial de Clubes (2008).

Por fim, em janeiro de 2014, Vidic assinou um pré-contrato com a Inter de Milão, o que marcou o fim do seu ciclo no United, como um dos maiores defensores da história dos Red Devils, sendo símbolo de garra e tenacidade. Posteriormente, o sérvio anunciou a aposentadoria dos gramados, em janeiro de 2016, por conta de problemas físicos.

Kolo Touré

Arsenal

A princípio, o marfinense chegou ao Arsenal depois de se destacar no ASEC Mimosas, da Costa do Marfim. No entanto, o começo da carreira de Touré, foi marcado pela sua atuação como volante ou lateral-direito. Futuramente, na temporada 2003/04, Arsène Wenger passou a usar o atleta como zagueiro.

Desde já, por ser um jogador com muito preparo físico, devido à sua versatilidade, Kolo Touré passou a se destacar ainda mais na zaga dos Gunners. Além disso, formou uma bela parceria com Sol Campbell, que também era conhecido por seu vigor atlético, dificultando a vida dos atacantes adversários.

Em sua primeira temporada como zagueiro, Touré foi uma figura fundamental nos Invicibles da temporada 2003/04, fazendo história como os únicos campeões invictos da Premier League.

Touré foi colocado como o principal zagueiro dos Gunners, após a saída de Sol Campbell para o Portsmouth, em 2006, além de ser uma das lideranças dentro de campo. No entanto, a situação ficaria desgastada no clube, após uma briga com o seu companheiro William Gallas. Como consequência, o ciclo de Kolo Touré no Arsenal terminou no final temporada 2008/09.

Manchester City, Liverpool e Celtic

Dessa maneira, o Manchester City aproveitou o entrevero, e desembolsou 14 milhões de libras para contar com o zagueiro. A contratação do zagueiro, ao lado de outros nomes como Emmanuel Adebayor e Carlos Tévez, foi uma forma de mostrar as ambições dos Citizens, com os novos investidores.

Entretanto, o defensor não repetiu a mesma regularidade dos tempos de Arsenal, e enfrentou vários problemas, que lhe fizeram perder a titularidade. Mais tarde, jogou no Liverpool de 2013 até 2016, e no Celtic, até encerrar a carreira em 2017.

Apesar de não manter o auge dos Gunners, nos outros clubes, Kolo Touré é visto como um dos principais zagueiros da Premier League, e da história do Arsenal.

Ledley King

Primordialmente, os atletas de sua geração e a imprensa da época, consideram Ledley King como um dos melhores zagueiros da Premier League. Sendo útil tanto na cabeça da área, quanto na zaga, King se estabeleceu como um dos principais atletas do Tottenham, o único clube de sua carreira.

Detentor de uma refinada leitura de jogo, desarmes firmes e imponência física, Ledley se destacou como um dos principais defensores do futebol inglês, ao lado de nomes como Rio Ferdinand, Sol Campbell e John Terry. Entretanto, as lesões do joelho foram as principais inimigas do zagueiro.

Conquistou a League Cup na temporada 2007/08, o seu único título com a camisa dos Spurs. Mesmo com as lesões crônicas, que o levaram a anunciar sua aposentadoria dos gramados em 2012, aos 31 anos, King é lembrado como um dos grandes defensores da liga inglesa.

Vincent Kompany

Antecipadamente, o belga chegou ao Manchester City, em agosto de 2008, após se destacar no Hamburgo. Assim, o zagueiro se tornou a figura central da defesa dos Citizens. Ao passo que se mantinha cada vez mais titular, Kompany virou um dos líderes da equipe. Consequentemente, foi eleito capitão do City, em 2011.

Dessa forma, edificado como uma das figuras do time, Kompany foi fundamental para a primeira conquista da equipe, depois de 44 anos. Em outras palavras, no dia 31 de agosto de 2012, com o City precisando da vitória para assumir a liderança, a cabeçada fulminante do zagueiro garantiu a vitória contra o Manchester United. O gol é considerado como um dos mais importantes da história do clube.

Anos mais tarde, em 2019, os Citizens precisavam de uma vitória contra o Leicester, para retomar a liderança do Liverpool. Enquanto a partida estava muito tensa, o zagueiro recebeu a bola de Laporte, e soltou o pé de fora da área, um golaço. Novamente, um gol de Kompany foi decisivo para mais uma conquista do Manchester City.

Aliás, o belga é considerado como um dos melhores defensores da última década da Premier League, sendo líder e símbolo das conquistas dos Citizens. Ficou no City of Manchester até 2019, e encerrou a sua carreira em 2020, jogando pelo Anderlecht, o clube que o revelou.

Finalmente, conquistou quatro Premier Leagues (2011/12, 2013/14, 2017/18 e 2018/19), duas FA Cups (2010/11 e 2018/19), quatro League Cups (2013/2014, 2015/16, 2017/18 e 2018/19) e dois Community Shield (2012 e 2018).

Virgil Van Dijk

Southampton

Em primeiro lugar, após um futebol de destaque no Celtic, Virgil Van Dijk foi contratado pelo Southampton, pela cifra de 13 milhões de libras. Nos Saints, o holandês se tornou uma figura da equipe, levando a equipe para disputa da Uefa Europa League. Consequentemente, atraiu o interesse das grandes equipes da Inglaterra.

Liverpool

Em síntese, Van Dijk acabou indo para o Liverpool, em janeiro de 2018, em uma transferência de 75 milhões de libras, que se tornou o valor recorde de um defensor. Desse modo, o impacto do holandês na defesa dos Reds já foi imediato, fazendo a equipe chegar na final da Champions League 2017/18, mas acabaram perdendo para o Real Madrid.

Logo após, foi fundamental na conquista da Champions League 2018/19, a sexta da história do Liverpool. O desarme em Heung-Min Son, na final, foi o lance mais marcante do duelo, que lhe rendeu o prêmio de Man of The Match. Ademais, foi titular no Mundial de Clubes de 2019, onde o Liverpool venceu o Flamengo, pelo placar de 1 x 0.

Posteriormente, na temporada 2019/20, desempenhou um papel fundamental na conquista da Premier League, o primeiro título nacional nesse formato.

Atualmente, é considerado um dos melhores defensores do mundo e figura entre os melhores zagueiros da Premier League, graças ao seu estilo técnico, leitura de jogo, senso de posicionamento e ao alto desempenho nas bolas aéreas. Ficou em segundo lugar na disputa do Prêmio de Melhor Jogador do Mundo de 2019, ficando atrás de Lionel Messi.

Rúben Dias

De antemão, o português chegou em 2020, após ser contratado junto ao Benfica. Os Citizens desembolsaram cerca de 65 milhões de libras, mais Nicolás Otamendi, para contar com os serviços do zagueiro. Logo na primeira temporada, a contratação já surtiu efeito imediato.

Ou seja, o estilo de jogo de Rúben Dias, que envolve muita combatividade e muita técnica,  chegou agregando a equipe de Pep Guardiola. Além disso, o seu senso de posicionamento, contribui para a organização da defesa dos Citizens.

Nesse meio tempo, foi fundamental para o City, na última conquista da Premier League, além de conduzir a equipe para a primeira final de Champions League de sua história. Aliás, foi eleito o Melhor Jogador da última Premier League.

Finalmente, mesmo com o pouco tempo de futebol inglês, já se estabeleceu como um dos melhores zagueiros, em atividade na Liga Inglesa.