Os 10 clubes ingleses que mais gastaram com reforços nos últimos 5 anos

Além dos times do Big Six, quais são os outros componentes da lista?

0
2581
clubes ingleses reforços
Michael Regan/Getty Images

A Premier League é uma das ligas que mais movimentam dinheiro nos mercados de transferência. A grande estrutura do campeonato permite isso. As principais negociações envolvem os clubes do Big Six, logicamente. Porém, não são apenas essas seis instituições que têm condições de protagonizarem importantes negócios. Você sabe quais são os dez clubes ingleses que mais gastaram com reforços nos últimos cinco anos? A PL Brasil responde.

A lista leva em conta as transferências realizadas da temporada 2016/2017 até a atual, 2020/2021, e os dados foram retirados do Transfermkt.

Os 10 clubes ingleses que mais gastaram com reforços nos últimos 5 anos

1) Manchester City

  • Gastos nas últimas cinco temporadas: 942 mi. €

A partir do momento em que foi comprado, no ano de 2008, o Manchester City iniciou seu processo de mudança de status no futebol inglês. E hoje está entre os principais clubes da Inglaterra, disputando ano a ano o título da Premier League. Para isso, foram necessárias as chegadas de bons jogadores.

Desde a temporada 2016/2017, os Citizens investiram quase 1 bilhão de euros em contratações. De lá para cá, foram dois títulos ingleses, uma Copa da Inglaterra, três Copas da Liga Inglesa e duas Supercopas da Inglaterra. 

Pep Guardiola também iniciou seu trabalho a frente do City na temporada 2016/2017 e mesmo sem a conquista nacional no seu primeiro ano, o espanhol já tem dois títulos de PL no currículo, e quebrando recordes. Guardiola transformou sua equipe em quase imbatível dentro do cenário nacional.

MIGUEL A. LOPES/POOL AFP via Getty Images

Por outro lado, não são hoje as críticas a defesa do City. E desde 2016/2017, o time de Manchester investiu bastante na chegada de defensores. De lá para cá foram mais de 500 milhões de euros investidos no setor, contando zagueiros, laterais e goleiros. 

Para a defesa chegaram nomes como Benjamin Mendy, Kyle Walker, Ederson, Rúben Dias, Aymeric Laporte e John Stones. Mendy, por exemplo, ainda não teve a sequência esperada por Guardiola. E Walker ainda oscila bastante. 

clubes ingleses reforços
JAVIER SORIANO/AFP via Getty Images

Além da defesa, nomes destacáveis que chegaram desde 2016/2017 são: Riyad Mahrez, Rodri, Bernardo Silva, Leroy Sané e Gabriel Jesus. Há de se destacar também os gastos na temporada 2017/2018: foram 317,5 milhões de euros, mais que um terço do montante investido nas cinco temporadas em questão. Foi justamente em 2017/2018 que Mendy, Ederson e Walker chegaram ao clube. 

Gastos por temporada: 

2020/2021: 171,80 mi. €

2019/2020: 159,52 mi. €

2018/2019: 78,59 mi. €

2017/2018: 317,50 mi. €

2016/2017: 215,00 mi. €

Leia mais: Montamos a seleção do Manchester City no século XXI; confira

2) Chelsea

  • Gastos nas últimas cinco temporadas: 894,3 mi. €

Em segundo lugar vem o Chelsea, que sofreu processo de mudança de patamar semelhante ao vivido pelo City, mas anos antes do clube de Manchester. Da temporada 2016/2017 até a atual, os Blues investiram quase 900 milhões de euros em contratações. No período, o time londrino teve que ficar uma temporada (2019/2020) sem poder contratar. 

Se analisarmos temporada por temporada, veremos um equilíbrio de gastos do Chelsea: em três das cinco temporadas analisadas, os Blues investiram mais de 200 milhões de euros. As exceções são 2016/2017 e 2019/2020.

O caso de 2019/2020 é o seguinte: o Chelsea estava proibido pela Fifa de contratar jogadores por duas temporadas, que depois caiu apenas para uma. Porém, os Blues conseguirem efetuar a comprar definitiva de Mateo Kovacic efetuando a cláusula de compra já existente no contrato de empréstimo do meia.

Richard Heathcote/Getty Images

Além desse caso específico, há de se destacar dois outros. A temporada, dentre as últimas cinco, que o clube mais gastou não foi a atual (2020/2021), e sim 2017/2018. 

Em 2017/2018, os Blues investiram mais de 260 milhões de euros, mas as contratações não se mostraram acertadas com o decorrer do tempo. Álvaro Morata, Bakayoko, Drinkwater, Ross Barkley e Zappacosta foram alguns dos nomes que chegaram. Os cinco citados nem fazem parte do elenco atual do time. 

Por outro lado, 2020/2021 tem tudo para ser a melhor. O Chelsea, em meio a crise da pandemia do novo coronavírus, se destacou não somente no mercado inglês, como no europeu, trazendo nomes como Kai Havertz, Timo Werner, Hakim Ziyech e Ben Chilwell

clubes ingleses reforços
Mike Hewitt/Getty Images

Gastos por temporada: 

2020/2021: 247,20 mi. €

2019/2020: 45,00 mi. € (Kovacic)

2018/2019: 208,80 mi. €

2017/2018: 260,50 mi. €

2016/2017: 132,80 mi. €

Leia mais: Montamos a seleção do Chelsea no século XXI; confira

3) Manchester United

  • Gastos nas últimas cinco temporadas: 776 mi. €

O Manchester United ocupa a terceira posição. Os Red Devils não conquistam um título inglês desde a temporada 2012/2013, a última sob o comando de Sir Alex Ferguson. Desde lá, passaram David Moyes, Louis van Gaal e José Mourinho no comando técnico do time, além do atual Ole Gunnar Solskjaer, logicamente. E muito foi investido para que o clube voltasse ao topo da Inglaterra. Porém, os investimentos ainda não deram o retorno esperado.

Desde 2016/2017, primeira temporada de Mourinho no United, até a atual os Diabos Vermelhos gastaram 776 milhões de euros, aproximadamente. Importantes nomes chegaram de lá para cá, como Paul Pogba, Romelu Lukaku, Harry Maguire e Bruno Fernandes

OLI SCARFF/AFP via Getty Images

A temporada que mais gastou foi 2019/2020, quando investiu quase 230 milhões de euros. Chegaram Maguire, Bruno Fernandes, Aaron Wan-Bissaka, Daniel James e Odian Ighalo (empréstimo pago).

O português Bruno Fernandes custou 55 milhões de euros, com possíveis bônus no futuro, e chegou na janela de inverno, mas foi essencial para a mudança de rumo do clube na temporada, sendo importantíssimo para o retorno do United à Uefa Champions League.

Outro investimento a ser destacado foi o realizado na chegada de Romelu Lukaku. O United contratou o atacante belga por quase 85 milhões de euros, junto ao Everton. Porém, duas temporadas depois, Lukaku foi vendido a Inter de Milão por 74 milhões de euros. Prejuízo de 11 milhões entre compra e venda.

Além desses dois casos, na janela de verão da temporada 2019/2020, os Red Devils foram responsáveis pela contratação mais cara de um defensor na história até o momento. Harry Maguire chegou a Old Trafford pela bagatela de 87 milhões de euros.

Gastos por temporada:

2020/2021: 83,50 mi. €

2019/2020: 226,78 mi. €

2018/2019: 82,70 mi. €

2017/2018: 198,40 mi. €

2016/2017: 185,00 mi. €

Leia mais: Montamos a seleção do Manchester United no século XXI; confira

4) Arsenal

  • Gastos nas últimas cinco temporadas: 592,44 mi. €

Se o Manchester United não conquista um título inglês desde 2012/2013, o quarto colocado da lista não vence desde 2003/2004, no título dos Invencíveis. A partir do Arsenal, já percebemos uma distância razoável dos outros integrantes da lista para os três primeiros. Os Gunners gastaram quase 593 milhões de euros de 2016/2017 até o momento.

Assim como o United, o Arsenal busca voltar a disputar ativamente o título inglês. Com esse objetivo, destacam-se quatro contratações nas últimas cinco temporadas: Pierre-Emerick Aubameyang, Alexandre Lacazette, Nicolas Pépé e Thomas Partey.

DANIEL LEAL-OLIVAS/AFP via Getty Images

Os quatro citados foram contratados por 50 milhões de euros ou mais, cada um. Pépé, por exemplo, é a contratação mais cara da história do clube. Foram 80 milhões de euros investidos pelo ex-jogador do Lille, que ainda não se provou totalmente. 

A temporada na qual o clube mais gastou foi justamente a da chegada de Pépé, 2019/2020, quando os Gunners gastaram mais de 160 milhões de euros. 

Gastos por temporada:

2020/2021: 86,00 mi. €

2019/2020: 160,40 mi. €

2018/2019: 80,15 mi. €

2017/2018: 152,85 mi. €

2016/2017: 113,04 mi. €

Leia mais: Montamos a seleção do Arsenal no século XXI; confira

5) Everton

  • Gastos nas últimas cinco temporadas: 584,87 mi. €

E na quinta posição uma surpresa: o Everton, clube que não integra o Big Six inglês. Os Toffees, rivais de cidade do Liverpool, têm procurado se aproximar mais do grupo principal do futebol da terra da Rainha. E com essa meta, o Everton investiu nas últimas cinco temporadas mais que dois clubes que fazem parte do Big Six. De 2016/2017 foram quase 590 milhões de euros gastos. 

Na análise temporada a temporada, vemos que o maior gasto se deu na temporada 2017/2018, quando o Everton investiu 203,2 milhões de euros. Nas outras temporadas analisadas, os Toffees gastaram de 74,87 a 121 milhões de euros. 

Em 2017/2018, o clube fez investimentos consideráveis em nomes como Gylfi Sigurdsson, Jordan Pickford, Michael Keane e Davy Klaassen. Os três primeiros ainda integram o elenco principal, sendo Pickford e Keane titulares da equipe, porém Klaassen não se adaptou bem ao clube e a Liga e hoje integra novamente o Ajax.

E por incrível que pareça, a provável melhor contratação do clube no período foi sem custos: James Rodríguez. Outro nome importante, e que chegou por valores expressivos, é o brasileiro Richarlison

BRADLEY COLLYER/POOL/AFP via Getty Images

Gastos por temporada:

2020/2021: 74,87 mi. €

2019/2020: 121,00 mi. €

2018/2019: 99,80 mi. €

2017/2018: 203,20 mi. €

2016/2017: 86,00 mi. €

Leia mais: Os 10 maiores ídolos da história do Everton

6) Liverpool

  • Gastos nas últimas cinco temporadas: 526,08 mi. €

Jürgen Klopp chegou ao Liverpool em outubro de 2015, ou seja, na temporada 2015/2016. A sua primeira temporada inteira como técnico dos Reds foi 2016/2017, quando começa nosso recorte. 

De 2016/2017 para cá o time de Anfield investiu pouco mais de 526 milhões de euros, e conquistou a Uefa Champions League na temporada 2018/2019 e a tão sonhada Premier League na útima temporada. Com Klopp e as contratações realizadas nesse período, o Liverpool mudou de patamar.

Mohamed Salah, Sadio Mané, Alisson e Virgil van Dijk são os principais nomes que foram contratados nesse recorte de tempo. Duas temporadas chamam atenção: 2019/2020 e 2018/2019.

clubes ingleses reforços
Phil Noble/Pool via Getty Images

Em 2019/2020, o Liverpool gastou apenas 10,4 milhões de euros, e mesmo assim sagrou-se campeão inglês com incríveis 99 pontos. Já a anterior é a de mais gasto, com três chegadas que ultrapassaram os 40 milhões de euros: Alisson, Naby Keita e Fabinho. Consequentemente, os Reds conquistaram o título europeu em 2018/2019.

Gastos por temporada:

2020/2021: 79,70 mi. €

2019/2020: 10,40 mi. €

2018/2019: 182,20 mi. €

2017/2018: 173,88 mi. €

2016/2017: 79,90 mi. €

Leia mais: Montamos a seleção do Liverpool no século XXI; confira

7) Tottenham

  • Gastos nas últimas cinco temporadas: 466 mi. €

O sétimo da lista é o último integrante do Big Six. O Tottenham tem crescido nas últimas temporadas e tendo presenças constantes nas competições europeias. Melhores desempenhos geram maiores fontes de receita, e consequentemente mais investimento em contratações. 

Porém, a temporada que mais chama atenção entre as catalogadas é 2018/2019, quando o time londrino não gastou nada com reforços. Naquele momento, os Spurs ainda eram comandados por Mauricio Pochettino.

Nas outras percebe-se certo equilíbrio, com valores não ultrapassando a casa dos 150 milhões de euros por ano. No período analisado, os nomes mais caros que chegaram à equipe londrina foram Tanguy Ndombélé, Davinson Sánchez, Moussa Sissoko e Giovani Lo Celso. Inclusive, o francês Ndombélé é a contratação mais cara da história do clube. 

IAN KINGTON/AFP via Getty Images

Gastos por temporada:

2020/2021: 110,50 mi. €

2019/2020: 148,50 mi. €

2018/2019:

2017/2018: 123,50 mi. €

2016/2017: 83,50 mi. €

Leia mais: Montamos a seleção do Tottenham no século XXI; confira

8) Leicester

  • Gastos nas últimas cinco temporadas: 460,7 mi. €

O campeão da Premier League 2015/2016 não é o mesmo desde o histórico título. Tanto não é que consegue ter investimentos semelhantes ao do Tottenham e estar nessa lista. Desde a épica conquista, os Foxes investiram mais de 460 milhões de euros em reforços. 

E os investimentos se aproximam dos 100 milhões por temporada, à exceção da atual, uns mais outros menos. Na temporada pós-título, por exemplo, o Leicester investiu 91,6 milhões de euros, com o objetivo de fazer mais uma grande temporada na Premier League.

No entanto, 2016/2017 é só a terceira em investimento, atrás de 2018/2019 e 2019/2020: em ambas a equipe ultrapassou a casa dos 100 milhões. E o maior gasto veio em 2018/2019, com 114,6 milhões investidos. 

Nesse período, as principais chegadas foram as de Youri Tielemans, James Maddison e Harry Maguire. Outras contratações com valores importantes como Adrien Silva e Islam Slimani não deixaram saudades no King Power Stadium

clubes ingleses reforços
MICHAEL REGAN/POOL/AFP via Getty Images

Gastos por temporada:

2020/2021: 62,00 mi. €

2019/2020: 104,30 mi. €

2018/2019: 114,60 mi. €

2017/2018: 88,20 mi. €

2016/2017: 91,60 mi. €

Leia mais: Montamos a seleção do Leicester no século XXI; confira

9) West Ham

  • Gastos nas últimas cinco temporadas: 388 mi. €

Assim como o do Everton, o objetivo do West Ham, nas últimas temporadas, é se firmar no segundo grupo de forças da Premier League. Comprado em 2010, os Hammers investiram quase 400 milhões nas últimas cinco temporadas, mas a meta segue sem ser atingida. Na última PL, por exemplo, disputou a permanência até as últimas rodadas.

A temporada com maior investimento foi 2019/2020, quando contratou o centroavante Sébastien Haller pela bagatela de 50 milhões de euros. No entanto, até o momento o francês não conseguiu se firmar como peça importante da equipe.

Stephen Pond/Getty Images

Outra contratação com valores expressivos foi a de Felipe Anderson, que chegou por aproximadamente 38 milhões de euros em 2018/2019. O meia brasileiro foi importante durante sua primeira temporada, mas perdeu espaço no ano seguinte. Atualmente está emprestado para o Porto de Portugal.

Gastos por temporada:

2020/2021: 26,60 mi. €

2019/2020: 120,20 mi. €

2018/2019: 100,90 mi. €

2017/2018: 56,80 mi. €

2016/2017: 83,50 mi. €

Leia mais: Montamos a seleção do West Ham no século XXI; confira

10) Wolverhampton

  • Gastos nas últimas cinco temporadas: 378,06 mi. €

O último da lista é o time mais português da Inglaterra e também o com menos tempo na Premier League durante as temporadas analisadas. O Wolverhampton de Nuno Espirito Santo retornou para a elite na temporada 2018/2019. Ou seja, está atualmente na terceira após a volta. E mesmo assim aparece na lista. Os Lobas retornaram e se firmaram.

Ao se analisar os investimentos temporada a temporada percebe-se que os gastos crescem justamente a partir da primeira temporada na elite após o retorno. O Wolverhamton investiu mais de 100 milhões em 2018/2019 e 2019/2020.

Nesse período, destacam-se as chegadas de portugueses. Das 36 contratações realizadas de forma definitiva pelo clube nesse período, 13 foram portugueses. Incluindo o negócio mais caro da história dos Wolves: o jovem Fábio Silva, que chegou do Porto por 40 milhões de euros. 

As principais contratações da equipe durante o período analisado foram as seguintes: Raúl Jiménez, Rui Patrício, João Moutinho e Rúben Neves

Nathan Stirk/Getty Images

Gastos por temporada:

2020/2021: 82,80 mi. €

2019/2020: 121,80 mi. €

2018/2019: 112,75 mi. €

2017/2018: 24,61 mi. €

2016/2017: 36,10 mi. €

Acompanhe a PL Brasil no YouTube!

  • OS SALÁRIOS MAIS ALTOS DA PREMIER LEAGUE