A origem da Premier League e a revolução no futebol inglês

Depois de anos difíceis no futebol inglês, enfim o retorno ao topo dos campeonatos nacionais

Origem da premier league

Em 2018/19, Premier League chega à sua vigésima sétima temporada. Para isso, precisou que a Football Association (FA) trabalhasse duro no início da década de 1990, com toda a reformulação que tinha que passar depois de tantos problemas. A origem da Premier League só foi possível depois de grandes transformações (positivas e negativas) no futebol da Inglaterra.

Os principais problemas foram a presença dos hooligans no futebol inglês e as tragédias em Heysel e em Hillsborough.

O primeiro passo para a revolução no futebol da Inglaterra foi dado com o Relatório Taylor, que determinou os padrões dos estádios no Reino Unido, sendo, posteriormente, seguido em quase todas as partes no mundo.

Acompanhe a PL Brasil no Youtube

  • O que foi o Desastre de Hillsborough?

Leia mais: O título de campeão inglês do Blackburn: Dalglish, Shearer e Walker

A PL Brasil contou toda esta trajetória na Inglaterra para poder ser, atualmente, uma das maiores ligas do mundo.

A origem da Premier League

Mais do que um campeonato forte, a Inglaterra vem conseguindo ter muitos jogadores de alto nível. Eles têm uma seleção promissora, que ganha muitos títulos com os jovens, e que foi quarta colocada na última edição de Copa do Mundo.

Entretanto, para poder chegar nessa situação animadora, a Federação Inglesa teve de trabalhar muito com a criação de uma nova liga, agora, muito mais organizada e com um forte planejamento.

No dia 20 de fevereiro de 1992, os clubes da elite inglesa decidiram criar uma nova liga. A origem da Premier League previa uma competição mais organizada e com estádios padronizados e muito mais rentável para os clubes participantes por causa dos pagamentos televisivos.

Com a crescente média de públicos e de receitas advindas do estádios novos e reformados, os clubes ingleses queriam receber mais dinheiro dos direitos.

Desvincularam-se da Football League, que era a organizadora da competição desde 1888, e deixaram a FA de lado para negociarem com a Premier League livremente, impondo seus pedidos.

Deu certo. Aos poucos, o Campeonato Inglês foi retornando ao topo das melhores ligas nacionais da Europa e do mundo. Além disso, os clubes passaram, a cada nova temporada, receber mais dinheiro, contratando grandes estrelas no esporte.

Mudanças de nomes e patrocínios

Na temporada de estreia, o novo modelo tinha 24 times e nenhum patrocinador principal para dar nome a competição.

O primeiro nome da nova fase do Campeonato Inglês com patrocínio foi FA Carling Premiership na temporada seguinte. A empresa de bebidas alcoólicas Carling ficou sendo a patrocinadora oficial da competição entre 1993/94 até o ano de 2000/01.

Foi quando a Barclaycard, o serviço de cartões da Barclays, chegou para substituir a marca de cervejas. O nome do Campeonato Inglês ficou sendo Barclaycard Premiership até o ano de 2004.

Depois disso, até 2016, a Barclays, um banco britânico, passou a nomear a competição. Barclays Premiership e, de 2007 à frente, Barclays Premier League.

Atualmente, o nome da Premier League é tão grande que decidiram seguir o modelo da NBA, NFL, entre outras, tendo o nome da competição como principal marca de campeonatos nacionais no mundo.

Patrocinadores da era Premier League:

1992 – 1993 Nenhum patrocinador FA Premier League
1993 – 2001 Carling Carling Premiership
 2001 – 2004 Barclaycard Barclaycard Premiership
2004 – 2007 Barclays Barclays Premiership
2008 – 2016 Barclays Premier League
2016 em diante Nenhum patrocinador Premier League

A chegada dos estrangeiros

Se compararmos a equipe do Liverpool de 1991/92, a última vencedora da Football League First Division, com o Manchester City, atual campeão da Premier League, notaremos a quantidade elevada de estrangeiros na equipe do time de Manchester – 10 contra 19, respectivamente.

É claro que a globalização no futebol fez com que isso fosse normal nas ligas. Entretanto, a importância dos estrangeiros é muito maior do que dos nativos na Premier League.

Além disso, a supremacia de treinadores não-ingleses continuou. Só que agora um pouco mais evidente, já que nenhum técnico inglês venceu a PL até aqui.

E isso está longe de ser quebrado. Nesta próxima temporada, dos 20 treinadores que começarão a competição, apenas 4 são ingleses, sendo que nenhum comanda um dos grandes times da Inglaterra.

As finanças da Premier League

Os valores astronômicos do Campeonato Inglês não surpreendem mais. Pela quantidade de dinheiro recebido de direitos televisivos e de publicidade, as super-contratações se justificam.

A Premier League quer ter os melhores clubes, os melhores jogadores – nem que para isso precise gastar cada vez mais, batendo recordes a cada janela.

Divisão do dinheiro televisivo

divisão do dinheiro na Premier League
Clubes aumentaram receitas com renda da TV (Credit: Premier League)

Atualmente, as redes de televisão pagam valores altíssimos aos clubes da Premier League. Entretanto, diferentemente do Brasil, as receitas são bem mais igualitárias.

Na temporada 2017/18, os valores pagos pela Premier League aos seus clubes ultrapassaram 2 bilhões de libras (cerca de 12 bilhões de reais). Este dinheiro foi dividido em três partes da seguinte maneira:

Receitas de transmissão do Reino Unido:

  • 50% igualmente compartilhadas (696,25 milhões de libras);
  • 25% divididas com base na frequência com que os jogos de um clube são transmitidos no Reino Unido (405 milhões de libras);
  • E os outros 25% repartidas com base na posição onde um clube termina na tabela de classificação, conhecido como “pagamento por mérito” (405 milhões de libras).

Receitas do Comércio Central:

  • 96,78 milhões de libras divididas igualmente entre os clubes.

Receitas de direitos de TV vendidos para países fora do Reino Unido

  • 815,22 milhões de libras repartidas igualmente entre os clubes.

Ranking dos 30 clubes mais valiosos, segundo o Football Money League

Anualmente, a empresa britânica Deloitte lista os 30 clubes mais ricos do futebol mundial com o nome de Football Money League. Em 2018, 14 times ingleses estavam na lista, sendo a liga com mais representantes disparadamente.

1.º Manchester United (Inglaterra) 676,3€

2.º Real Madrid (Espanha) 674,6€

3.º Barcelona (Espanha) 648,3€

4.º Bayern Munique (Alemanha) 587,8€

5.º Manchester City (Inglaterra) 527,7€

6.º Arsenal (Inglaterra) 487,6€

7.º Paris Saint Germain (França) 486,2€

8.º Chelsea (Inglaterra) 428,0€

9.º Liverpool (Inglaterra) 424,2€

10.º Juventus (Itália) 405,7€

11.º Tottenham (Inglaterra) 355,6€

14.º Leicester City (Inglaterra) 271,1€

17.º West Ham United (Inglaterra) 213,3€

18.º Southampton (Inglaterra) 212,1€

20.º Everton (Inglaterra) 199,2€

26.º Crystal Palace (Inglaterra) 164,0€

27.º West Bromwich Albion (Inglaterra) 160,5€

28.º Bournemouth (Inglaterra) 159,2€

29.º Stoke City (Inglaterra) 158,3€

Responsabilidade Social

Jogadores participam de ações em escolas do Reino Unido (Credit: PL_Manchester Alex_Wallace_Photography)

A PL e seus clubes financiam instalações comunitárias em toda a Inglaterra e País de Gales, operam projetos nacionais e locais de participação esportiva, e no ano passado, lançou a Premier League Primary Stars, um programa de educação primária.

O projeto usa o apelo do futebol para inspirar as crianças a aprenderem, serem ativas e desenvolverem importantes habilidades para a vida por meio de recursos didáticos gratuitos, com apoio da Premier League e outros clubes.

O programa visava envolver 10 mil escolas primárias até 2019, mas já ultrapassou essa meta, atingindo 15 mil escolas em seu primeiro ano.

Isso faz parte dos 100 milhões de libras por temporada que a Premier League investe para apoiar o desenvolvimento de instalações comunitárias, programas de participação esportiva e escolas.

Cuidado com os jovens

A Premier League é um dos poucos campeonatos que têm uma liga especial para os jogadores mais jovens. Assim como é na profissional, a Liga Juvenil é extremamente organizada e conta com duas divisões com o mesmo sistema das competições oficiais da FA.

Com o nome de Premier League 2, a liga sempre chama muita atenção do público, que faz com que os jovens jogadores já se acostumem com a pressão de uma casa cheia. Inclusive, alguns jogos são nos estádios oficiais dos clubes profissionais.

Além disso, os treinadores das equipes principais sempre acompanham os jogos para ver quem poderá usar futuramente.

Alguns números das 26 temporadas de Premier League até aqui

Alex Ferguson, escocês, é o maior vencedor da Premier League com treze troféus (Getty Images) estrangeiros
Alex Fergunson, escocês, é o maior vencedor da Premier League com treze troféus (Getty Images)

Clubes:

  • Total de equipes que já participaram: 49.
  • Equipes que participaram de todas as edições: Arsenal, Chelsea, Everton, Liverpool, Manchester United e Tottenham.
  • Clubes campeões: Manchester United (13), Chelsea (5), Manchester City (3), Arsenal (3), Blackburn (1) e Leicester (1).

Jogadores:

Curiosidades

Até a origem da Premier League, o Manchester United tinha apenas 7 dos 20 títulos do Campeonato Inglês;

O Liverpool nunca ganhou a Premier League, embora seja o segundo maior vencedor da Liga Inglesa com 18 títulos. O último título de Campeonato Inglês, inclusive, foi na temporada anterior à revolução;

Na edição de estreia, a Premier League dava apenas uma vaga para a Liga dos Campeões da Europa, destinado automaticamente ao campeão;

Dois clubes de outro país já participaram da Premier League. Cardiff City e Swansea City, ambos do País de Gales, já conquistaram títulos ingleses, mas não da Premier League.

* Para ver mais cinco curiosidades da Premier League, leia este texto