‘Novo dono’ do Manchester United tem plano ousado de novo estádio, mas esbarra em dúvida crucial

5 minutos de leitura

O bilionário inglês Sir Jim Ratcliffe, novo acionista do Manchester United, quer que o clube crie o “Wembley da região Norte” e tem “planos ambiciosos para um espetacular novo Old Trafford“, segundo o jornal britânico “The Telegraph”.

O proprietário do grupo empresarial INEOS acredita que o Norte da Inglaterra deveria ter um estádio de “classe mundial” para rivalizar com Wembley, localizado em Londres e com capacidade para 90 mil pessoas, e pode tentar fazer lobby junto ao governo do Reino Unido para obter investimento.

Ainda há uma dúvida sobre como isso pode ser feito: se reformando o atual estádio do clube, aumentando a capacidade do Old Trafford, ou construindo um novo nas proximidades. O estádio tem apresentado problemas estruturais há algum tempo e não é tão moderno quanto os dos rivais.

O Manchester United vai deixar o Old Trafford?

Ratcliffe entende, segundo fontes próximas ao empresário, que o clube precisa de um estádio “absolutamente surpreendente”, tecnológico e moderno.

O acordo de 1,03 bilhão de libras (R$ 6,43 milhões) de Ratcliffe para comprar 28,9% das ações do United deverá obter aprovação regulatória nas próximas duas semanas e vem com a garantia de um investimento inicial adicional de 237 milhões de libras (R$ 1,48 bilhão) para o Old Trafford.

Foto: Icon sport

Por outro lado, entende-se que o empresário é amplamente contra a ideia de o United ter que se mudar para outro local, mas acredita que os torcedores aceitariam bem a ideia de um novo estádio nos arredores imediatos do Teatro dos Sonhos, a casa do clube nos últimos 114 anos.

— Achamos que os torcedores ficariam bastante felizes em aceitar um novo estádio se ficarmos onde estamos — disse uma fonte próxima a Ratcliffe ao Telegraph.

A reestruturação e expansão do estádio atual — que foi internamente citada como um projeto de oito anos — continua sendo uma das opções. Cerca de 25% do espaço dentro do Old Trafford atualmente está vazio ou não utilizado.

Mas pessoas próximas expressaram preocupações sobre a perspectiva de a situação se tornar um investimento “jogado fora” se tentarem expandir a arquibancada sul e reestruturar os outros setores. “No fim, ainda é um estádio de 1910″, disseram as fontes.

Mudar de estádio ou reformar o antigo?

Segundo o jornal inglês, estima-se que a expansão do estádio atual, com capacidade para 74 mil pessoas, poderia custar pelo menos 800 milhões de libras (R$ 4,99 bilhões) e potencialmente mais, enquanto uma nova casa poderia ficar na faixa de 1,5 bilhão a 2 bilhões (R$ 9,6 bilhões a R$ 12,3 bilhões).

Ratcliffe e os chefes da INEOS já começaram as conversas com Andy Burnham, prefeito da Grande Manchester, o município, líderes do Conselho de Trafford e o distrito metropolitano, sobre o futuro do Old Trafford, ao mesmo tempo em que começaram a explorar opções financeiras.

Um estádio inovador e a possibilidade de uma vila esportiva, de entretenimento e comunitária criariam empregos e proporcionariam um grande impulso à economia local.

(Foto: Icon Sport)

Mesmo com assistência financeira do Estado, no entanto, o United teria que levantar grandes valores para financiar tal projeto. Empresa multinacional da indústria química, a INEOS está acostumada a levantar capital por meio de grandes acordos de financiamento. Atualmente, ela está construindo uma nova fábrica de 5 bilhões de libras (R$ 31 bilhões) na Antuérpia, na Bélgica.

O Old Trafford, inclusive, não foi selecionado entre as sedes da Eurocopa que o Reino Unido e a Irlanda devem sediar em 2028. O Manchester United e a Federação de Futebol da Inglaterra (FA) entraram em acordo no ano passado e entenderam que o estádio não deveria ser incluído devido à perspectiva de trabalhos de reestruturação.

Guilherme Ramos
Guilherme Ramos

Jornalista pela UNESP. Escrevi um livro sobre tática no futebol e sou repórter da PL Brasil. Já passei por Total Football Analysis, Esporte News Mundo, Jumper Brasil e TechTudo.

Contato: [email protected]