O dia em que o Old Trafford recebeu a final da FA Cup – e viu o Chelsea campeão

Em duas batalhas épicas, os Blues conquistaram seu primeiro título da Copa da Inglaterra

0
250
Old Trafford Chelsea

O jogo tinha tudo para ser atípico. E foi épico. Muitas coisas fora do normal aconteceram naquele dia – e muitas delas entraram para a história.

Era 29 de abril de 1970. Com numerações de 1 a 11, Chelsea e Leeds United entraram no Old Trafford para decidir quem seria o campeão da FA Cup daquela temporada.

Acompanhe a PL Brasil no Youtube
  • Os maiores técnicos da história da Premier League

Os ânimos das duas equipes estavam aflorados, já que, na partida de ida, o empate por 2 a 2 – com muita pancada dos dois lados – depois da prorrogação forçou o replay, que era a fórmula de desempate na final da Copa da Inglaterra até 2000 – hoje, ainda existe em fases preliminares.

scoredraw.com

Mas era atípico só por isso? Não, não. Aquele momento parecia ter sido escolhido a dedo para entrar para a história. Para começar, foi o primeiro replay em finais desde 1912. Foram 67 finais consecutivas sem empatezinho sequer no primeiro jogo.

Além disso, o palco também era diferente. De 1923 a 2000, um período de 77 anos, todas as finais da FA Cup, incluindo os replays, foram disputados em Wembley. Naquele dia, porém, a partida foi realizada em Old Trafford.

As expectativas para a partida se confirmaram. Mais de 28 milhões de pessoas assistiram à partida, o sexto maior público televisivo da história da Grã-Bretanha até 2005, segundo o Daily Mail – e aqui vale a nota de que, naquela época, muito menos pessoas tinham aparelho de televisão em casa do que nos dias atuais.

LEIA TAMBÉM:
Por que um bombardeio em Manchester fez com que United e City dividissem o mesmo estádio?

George Best, ascensão e queda de uma lenda esquecida
A louca história do Bournemouth

O jogo

O ímpeto das equipes em Old Trafford foi impressionante. Os atletas conseguiram fazer um jogo ainda mais violento do que a partida de ida. Tudo sob o olhar e a ciência do árbitro Eric Jennings, responsável também pelo 2 a 2 em Wembley.

Conivente, o árbitro aplicou apenas um cartão amarelo na partida – para Ian Hutchinson, do Chelsea. E a alcunha de “conivente” não é presente meu para o sr. Jennings, não.

Anos depois do jogo, o árbitro David Elleray, que apitou na elite do futebol inglês entre 1986 e 2003, reassistiu à partida e disse que, no futebol atual, seriam distribuídos nada menos que seis cartões vermelhos e 20 amarelos.

Uma virada sempre traz um tempero a mais em um jogo de futebol. Como se ainda precisasse de ingredientes, o jogo desenhou um triunfo ainda mais dramático para o Chelsea.

Aos 35 minutos do primeiro tempo, o atacante Mick Jones abriu o placar para o Leeds. Os Blues só conseguiram o empate aos 33 da segunda etapa, com Peter Osgood, de cabeça. Outra prorrogação se desenhava.

O gol de Oswood (Créditos: PA)

No último minuto do primeiro tempo extra, veio o gol da vitória do Chelsea. O zagueiro David Webb ganhou no alto dos defensores adversários, decretou o 2 a 1 e, depois de uma guerra que durou quatro horas, deu aos Blues seu primeiro título desde 1955, quando a equipe conquistou o até então também inédito título inglês.

Abaixo, o vídeo com os melhores momentos da partida. (PS: repare nas entradas “carinhosas” dos jogadores)