Contra o Liverpool, ‘novo’ Chelsea de Pochettino mostra por que pode surpreender na temporada

6 minutos de leitura

O Chelsea recebeu o Liverpool para o primeiro jogo das duas equipes na atual temporada da Premier League neste domingo (13), no Stamford Bridge. Depois de um primeiro tempo frenético e com dois gols anulados, o jogo terminou em 1 a 1 com gols de Luis Díaz e Axel Disasi.

A partida contou com seis estreias oficiais: Sánchez, Disasi, Cowill e Jackson pelos Blues, além de Mac Allister e Szboszlai pelos Reds. Entre os brasileiros, Thiago Silva e Alisson, um de cada lado, começaram jogando, enquanto Andrey Santos ficou no banco dos mandantes.

Chelsea
13/08/23 - 12:30

Finalizado

1

-

1

Liverpool

Chelsea - Liverpool

England Premier League - Stamford Bridge

1° Turno

Um novo Chelsea?

Depois de fazer praticamente toda a pré-temporada em um misto de 4-2-3-1 e 4-3-3, Mauricio Pochettino levou a campo um time em 3-4-2-1. Essa era a formação usada por Thomas Tuchel nos Blues, inclusive quando foi campeão da Champions League.

Na prática, no entanto, as coisas não mudam tanto do que já vinha sendo feito na pré-temporada — quando, com bola, os Blues construíam com três atrás, geralmente com Cucurella entre os zagueiros.

Contra o Liverpool, o time defendeu em grande parte do jogo com uma linha de quatro, com James (24) voltando como lateral com mais frequência. Chiwell (21), do outro lado, ficou mais avançado — como visto no mapa de posicionamento acima.

Liverpool: de frenético a “dominado”

A posse de bola foi majoritariamente do Chelsea durante todo jogo, mas o Liverpool teve grandes oportunidades na primeira metade da etapa inicial: um chute na trave de Salah – que também teve um gol anulado – e o gol de Díaz.

Enzo Fernández e Diogo Jota duelam em Chelsea x Liverpool - Icon Sport
Icon Sport

No entanto, os Blues cresceram de produção nos 15 minutos finais do primeiro tempo, com gol de Disasi e, três minutos depois, o gol anulado de Chilwell. Isso se deve principalmente por ter explorado com sucesso o espaço entre as linhas do Liverpool.

Com Mac Allister como volante ao lado de Szoboszlai e Gakpo, meias ofensivos, e defendendo em 4-3-3, os Reds ficaram vulneráveis em defender os dois meias do Chelsea: Sterling e Chukwuemeka. Thiago Silva e Enzo Fernández foram dois principais articuladores para fazer com que o time chegasse a essas regiões em vantagem.

Apesar de ser mais passivo no segundo tempo, os Reds ainda tiveram oportunidades, principalmente na reta final e através de erros da defesa mandante, e números não transmitem grande superioridade para os Blues. Tanto que as duas equipes empataram em gols esperados (1,28) e o Liverpool teve até mais finalizações (13), mas apenas uma no alvo.

Ainda assim, Alisson teve mais influência no resultado: seu número de gols prevenidos (uma estatística que leva em consideração os gols sofridos, os gols esperados e a qualidade das finalizações sofridas por um goleiro) foi de 0,44 — ou seja, o Liverpool poderia ter sofrido outro gol se não fossem as defesas do brasileiro. Sánchez, por sua vez, teve -0,30.

Guilherme Ramos
Guilherme Ramos

Jornalista pela UNESP. Escrevi um livro sobre tática no futebol e sou repórter da PL Brasil. Já passei por Total Football Analysis, Esporte News Mundo, Jumper Brasil e TechTudo.

Contato: [email protected]