O alento do Arsenal na derrota em Anfield tem nome e sobrenome: Nicolas Pépé

Atacante marfinense estreou como titular pela PL no clássico e foi o destaque dos Gunners

Nicolas Pépé Arsenal Liverpool Anfield agosto 2019
(Crédito: Ben Stansall AFP)

O Arsenal chegou para a terceira rodada da Premier League diante do seu grande teste. Com duas vitórias em dois jogos, os Gunners tentaram manter a invencibilidade diante do Liverpool em Anfield. A jornada, entretanto, não foi nada fácil.

Com show de Mohamed Salah, os Reds não tomaram conhecimento e venceram bem por 3 a 1. A primeira derrota dos londrinos na temporada frustrou alguns torcedores, mas diferente de casos de goleadas anteriores sofridas para times do Big 6, o time mostrou pontos positivos para evolução. E o principal deles está no ataque.

QUAL É O MAIOR TIME FORA DO BIG SIX?

Recém-chegado como a contratação mais cara da história do clube (por 72 milhões de libras, do Lille) Nicolas Pépé estreou como titular pela PL em Anfield. Depois de atuar por 19 minutos contra o Newcastle e 45 minutos contra o Burnley, foi a vez de estar em campo no apito inicial.

E o desempenho de Pépé chamou a atenção. O marfinense de 24 anos, ao lado de Pierre Emerick-Aubameyang no ataque, adaptou-se bem ao esquema de contra-ataques armado por Unai Emery. Jogando pelo lado direito, foi um perigo real, especialmente no primeiro tempo.

Dos quatro chutes na direção do gol do Arsenal no jogo, dois foram de Nicolas Pépé. Um deles foi a principal chance dos Gunners: após erro de Jordan Henderson na saída de bola, o marfinense arrancou, limpou a marcação e saiu livre, mas Adrián salvou. O lance aconteceu no primeiro tempo com o placar zerado e poderia ter mudado a história do jogo.

Além disso, o atacante finalizou outras duas vezes fora do alvo. Com quatro chutes totais, ele foi o líder do Arsenal no quesito em Anfield.

Não só nas finalizações ele foi perigoso, mas também nas jogadas de velocidade. Partindo para cima da forte defesa do Liverpool, Pépé mostrou muita personalidade e não se intimidou com a forte marcação.

Jogando pela direita e marcado por Virgil van Dijk e Andrew Robertson, ele não se intimidou e conseguiu ser relevante na partida, principalmente no primeiro tempo. Com 54 toques na bola, foi o que mais pegou nela entre os meio campistas e atacantes da equipe visitante.

Leia mais: A importância da conquista da Copa das Feiras para a história do Arsenal 
Pépé focou suas ações pelo lado direito e assustou a defesa do Liverpool (Foto: Reprodução/WhoScored)

Em um dos lances, inclusive, ele quebrou uma estatística incrível. Aos nove minutos de jogo, em uma arrancada vindo do meio de campo, ele conseguiu um drible sobre van Dijk, o temido zagueiro do Liverpool.

Van Dijk não era driblado na Premier League há impressionantes 50 jogos, desde a partida contra o Newcastle em março de 2018 – após 539 dias, Nicolas Pépé quebrou a escrita. Apesar de ter perdido para o defensor no geral da partida, incomodou o holandês com seu comportamento incisivo em campo.

Este foi um dos sete dribles que o atacante deu em campo. Ele foi disparadamente o líder do Arsenal no quesito – o segundo, Matteo Guendouzi, deu apenas dois. Foi a maior quantidade de dribles de um jogador do Arsenal em um jogo deste Jack Wilshere, contra o Brighton, em março de 2018.

É um alento para o Arsenal ter um jogador com esta característica tão evidente. Nos últimos tempos o elenco sentiu falta dessa variedade, em especial após a saída de Alexis Sánchez no começo de 2018 para o Manchester United.

Em algumas situações de jogo, especialmente no gol perdido cara a cara com Adrián, decisões melhores poderiam ter mudado o placar a favor dos Gunners. Erros que são, entretanto, naturais para um atleta tão jovem e que acabou de começar como titular pela Premier League.

Leia mais: Listamos o melhor reforço de cada time do Big 6
Nicolas Pépé Arsenal Liverpool Anfield agosto 2019
(Crédito: Ben Stansall AFP)

Muitos torcedores esperavam ver o trio entre Pépé, Aubameyang e Alexandre Lacazette. Mas a aguardada formação ficou pouco tempo em campo: Lacazette começou no banco e entrou apenas a 15 minutos do fim.

De qualquer forma, a atuação de Pépé mostrou à torcida londrina as suas principais características. O marfinense tem como grandes destaques o drible, as arrancadas de velocidade e as boas finalizações.

Na temporada 2018/19, pela Ligue 1, ele fez 23 gols e deu 12 assistências em 41 jogos disputados. Foi o artilheiro de um ano onde os Les Dogues chegaram ao vice-campeonato nacional e às oitavas de final da Copa da França.

Destes 23 gols, 22 foram na Ligue 1. Ele terminou como vice-artilheiro do Campeonato Francês, atrás apenas de Kylian Mbappé, do Paris Saint-Germain, com 33.

Pelo valor investido e pelo desempenho mostrado no futebol francês pela temporada passada, Pépé é uma grande expectativa da torcida. Sua contratação (até certo ponto surpreendente) elevou o nível da janela do Arsenal e trouxe novo ânimo para 2019/20.

Ainda não dá para dizer se ele realmente vai vingar e se tornar um jogador world class. Mas com todas as características para tal e depois de uma estreia promissora em cenário tão adverso, Nicolas Pépé certamente será ainda mais observado agora. O Arsenal e a Premier League agradecem.