Fim da relação! Neymar e Mbappé deixam de se seguir e reaquecem rixa antiga entre craques

6 minutos de leitura

Neymar e Mbappé começaram suas carreiras no PSG juntos. O primeiro chegando como a transferência mais cara da história do futebol e o segundo por empréstimo, na mesma temporada – um ano depois, seria comprado em definitivo e se tornaria a segunda maior compra de todos os tempos. Mas a relação dos dois nem sempre foi positiva.

Em seis anos, os dois dividiram o campo 136 vezes e, tinham, em média 75% de aproveitamento quando jogavam juntos. Além disso, se ajudaram em 54 gols: Neymar assistiu a 27 gols de Mbappé e vice-versa. Mas além da parceria, colecionaram diversas rusgas.

Neymar e Mbappé “terminam relacionamento”

Os dois deram um último abraço na despedida do brasileiro do clube francês e foi essa a mensagem do francês para o camisa 10, com quem dividiu o campo por seis anos. Agora, Neymar deixou de seguir Mbappé nas redes sociais.

Silenciosamente, mas simbolicamente, após parar de seguir a conta do PSG, o brasileiro “cortou laços” com o camisa 7. A recíproca foi verdadeira: o campeão do mundo também deixou de seguir seu “ex-amigo”.

Neymar e Mbappé np PSG - Icon Sport
Foto: Icon Sport

O antigo capitão do clube parisiense escolheu ficar apático em relação ao brasileiro recentemente. E não fez nenhuma menção sobre sua saída ao Al-Hilal até o momento. Ele deixou uma mensagem recentemente nas redes sociais:

— Um jogador e pessoa excepcional. Ter tido o privilégio de estar ao seu lado todos esses anos foi um prazer imenso. Seu tempo aqui nunca será esquecido ou menosprezado. Um dos melhores jogadores que já vi. OBRIGADO, meu amigo. Vou sentir muito a sua falta.

Esse agradecimento de “adeus”, claro, não foi para Neymar, mas sim para Marco Verratti, que deixou o clube nos últimos dias para ir ao futebol do Catar.

Início de conto de fadas e fim ‘tóxico’

Quando chegaram à capital francesa, em 2017, os dois eram inseparáveis, marcando gols juntos e comemorando felizes. Na época, as rusgas de Neymar começaram com Cavani, principalmente por cobranças de pênalti, e o jovem Mbappé era seu “escudeiro”.

A dupla durante sua primeira temporada no PSG, em 2017/18 (Foto: Icon Sport)

Depois de ganhar uma Copa do Mundo com a França em 2018 e aproveitar o período sem Neymar, por conta de suas lesões, para tomar o protagonismo para si, Mbappé amadureceu e a relação dos dois foi mudando ao longo dos anos.

Neymar ainda era a grande estrela quando levou o PSG à final da Champions League em 2020, mas foi derrotado para o Bayern de Munique. A “troca de protagonismo oficial” mudaria com a renovação do atacante francês.

Mbappé com carta branca no PSG

O camisa 7 renovou seu contrato em maio do ano passado. Ele era grande alvo do Real Madrid e aumentou sua estadia até 2024, com a opção de estendê-la até 2025 (o que comunicou, no início dessa temporada, que não faria).

Neymar já havia sido grandemente criticado por torcedores, que pediram sua saída antes da temporada 2019/20, e o francês não se pronunciou. Quando renovou, Mbappé recebeu “carta branca” do presidente do clube, Nasser Al-Khelaifi.

Foto: Icon Sport

O então jogador de 23 anos foi prometido voz ativa e mais liderança no elenco e nas decisões da direção. Entre essas decisões estavam, inclusive, as demissões de Mauricio Pochettino e do diretor Leonardo.

As promessas de voz ativa, no entanto, fizeram com que Mbappé passasse a pedir a saída de alguns de seus companheiros de equipe. Ele reclamou da “indisciplina” de Neymar e pediu à direção que negociasse o jogador. O PSG estava disposto a vender o brasileiro, que ficou e fez um ótimo início de temporada.

Discussões e ‘birras’ em campo

Enquanto sua relação com Mbappé se deteriorava, Neymar ganhou um grande amigo no elenco: Lionel Messi. Ao lado de Paredes, outro amigo próximo do brasileiro, e Di Maria, formavam um grupo que “protegia” o camisa 10 e que o francês não era tão fã. Os dois últimos, inclusive, deixaram o clube no início da temporada passada.

Na última temporada, inclusive, o camisa 7 teve diversos episódios de discussões com Neymar e Messi. Flagras de insatisfação por cobranças de pênalti e até um caso específico, contra o Montpellier, quando o brasileiro cobrou o primeiro pênalti do jogo e converteu, mas, quando ia cobrar o segundo, o francês “roubou” a bola e cobrou — e perdeu.

Foto: Icon Sport

No mesmo jogo, ocorreu um lance que viralizou: em um contra-ataque, Mbappé pede a bola, não recebe, reclama efusivamente e vira as costas para o lance. Bastidores deste jogo, inclusive, revelaram que o vestiário “ferveu”, com os jogadores irritados com o francês.

Além disso, vários episódios em que Mbappé foi “fominha” chamaram a atenção, principalmente quando tinha a opção de dar assistências para Neymar e Messi, mas não o fazia e, às vezes, perdia os gols.

O “L’Equipe” comentou, em setembro do ano passado, que a relação do brasileiro e do francês era “fria e distante no dia a dia”, bastante diferente dos primeiros anos, quando um pregava pegadinhas no outro e viviam sorrindo fora dos campos.

Guilherme Ramos
Guilherme Ramos

Jornalista pela UNESP. Escrevi um livro sobre tática no futebol e sou repórter da PL Brasil. Já passei por Total Football Analysis, Esporte News Mundo, Jumper Brasil e TechTudo.

Contato: [email protected]