Nasser Al-Khelaifi, presidente do PSG, pode ser preso?

Nasser Al-Khelaifi, presidente do PSG, pode ser preso?
Foto Destaque Divulgação: ESPN

Nesta manhã de quarta-feira (9), no dia do confronto Real Madrid x PSG pela Champions League saiu uma notícia que preocupa os torcedores. Segundo o Globo Esporte, o Ministério da Justiça da Suíça pediu a prisão do presidente do PSG, Nasser Al-Khelaifi. Como também, do ex-secretário geral da FIFA, Jerôme Valcke. Acompanhe tudo aqui na Premier League Brasil sobre essa situação que precede a partida decisiva.

A saber, eles estão sendo acusados de um provável acordo ilegal pelos direitos da Copa do Mundo de 2026 e 2030, segundo investigações do Fifagate. Com isso, a beIn Media poderia transmitir as duas copas e claro, sendo feito sem o consentimento da FIFA.

Entretanto, após uma das maiores entidades do futebol (FIFA) fechar um acordo com Nasser Al-Khelaifi em Janeiro de 2020, retirando assim, a sua queixa. Dessa forma, eles não poderiam ser condenados. E ainda alegaram que seria mais benéfico para a entidade, recebendo 60% das ações em relação as duas Copas anteriores.

Em resumo, a Justiça Suíça havia pedido 28 meses de prisão ao presidente do Paris Saint-Germain e as autoridades do país, 35 meses ao Jerôme Valcke. Logo, o Tribunal Penal Federal da Suíça avalia sobre Valcke ter concordado com tais ações em troca de uma mansão na Sardenha, Itália.

Nasser Al-Khelaifi e Valcke sofrem reflexo do Fifagate

Portanto, Fifagate (traduzido como Caso FIFA) se tornou o maior escândalo de corrupção da história mundial do futebol. Em suma, se tratava de uma operação dos policiais suíços e norte-americanos, onde sete dirigentes da FIFA foram presos em Zurique, em 2015.

Do mesmo modo, essa investigações gerou 34 réus, com uma devolução de milhões de dólares. Podendo servir como reflexo no mundo atual, como estamos acompanhando.

Isso afetaria o importante jogo do PSG hoje?

Por último, é esperado que isso interfira muito pouco nesse jogo de volta quem define quem avança para as quartas de final. Tanto que na terça-feira o Nasser Al-Khelaifi (junto com o diretor esportivo, Leonardo) estava presente no treino do PSG e o clima não mudou. Dessa maneira, a parte política dentro do clube não chega aos jogadores, interferindo quase nada nessa partida da Champions.