“Não devemos politizar o futebol”, diz Emmanuel Macron

2 minutos de leitura

O presidente da França, Emmanuel Macron, se pronunciou em entrevista sobre as críticas feitas ao Catar por não dar importância aos direitos humanos. De acordo com o político, as pessoas não deveriam “politizar” o futebol. O líder da nação ainda anunciou que deverá comparecer para assistir a jogos da Copa do Mundo caso a Seleção Francesa chegue na semifinal ou até na final.

Ocidente tenta boicotar Copa do Mundo no Catar

O mundo ocidental não aceitou ainda o modo como o Catar lida com os direitos humanos. País-sede da Copa do Mundo 2022, a primeira no Oriente Médio, o Catar tem sido criticado por diversas atitudes. Desde a condição análoga à escravidão dos trabalhadores das estruturas do Mundia até a criminalização da homossexualidade.

Muitos torcedores ocidentais decidiram que vão boicotar a Copa do Mundo no Catar. Inclusive o treinador da Seleção Holandesa deu razão a esse movimento, por entender que essa é uma questão pessoal de cada um. Mas isso pode gerar um prejuízo enorme para a FIFA, que não apoia essas situações.

Torcedores de diversas seleções do ocidente prentendem não ir aos estádios. Isso daria um impacto imediato e negativo nas bilheterias dos estádios que vão sediar a Copa do Mundo no Catar. Mas o presidente da França e um dos líderes mundiais, Emmanuel Macron, opiniou sobre a questão.

Emmanuel Macron

Emmanuel Macron defende “não-politização” do esporte

Entusiasta do futebol e grande torcedor da Seleção FrancesaEmmanuel Macron defende que as pessoas não devem ir por esse caminho. Ele não se estendeu muito na fala sobre o assunto por se tratar até de uma questão diplomática.

“o esporte não deve ser politizado. Estas questões, tens de te fazer quando atribuis o evento”, disse emmanuel macron.

Ao mesmo tempo, Emmanuel Macron anunciou que vai à Copa do Mundo para assistir a jogos da Seleção Francesa caso cheguem à semifinal e na final. Enquanto o Mundial rola no Catar, o líder francês continua gerindo o país do qual é presidente.

Relações entre Catar e futebol francês

Nasser Al-Khelaifi, dono do PSG

O dono do PSG, principal clube do futebol francês, é do Catar. O empresário bilionário Nasser Al-Khelaifi é ao mesmo tempo o maior financiador da Ligue 1, hoje o maior motivo da existência sustentável do futebol francês. Se grandes jogadores escolhem ir para a França, este homem é o grande responsável.

Nesse sentido, o capitão da Seleção Francesa, o goleiro Hugo Lloris, negou que vai usar uma braçadeira nas cores da bandeira LGBTQIA+. O arqueiro defende que “é necessário mostrar respeito pelos anfitriões” da Copa do Mundo.

Caian Oliveira
Caian Oliveira

Jornalista. Coordenador especialista em palpites, prognósticos e conteúdo para SEO da PL Brasil.