O dia em que Mourinho quase se tornou treinador da Inglaterra

Treinador português esteve perto de comandar a seleção inglesa. Entenda essa história!

0
257
treinador da Inglaterra

O português José Mourinho é, certamente, um dos treinadores mais vitoriosos do futebol inglês. Com certeza, tais números apresentam a importância que o Special One tem no futebol inglês. Mas essa influência poderia ser muito maior caso ele tivesse se tornado treinador da Inglaterra.

E é essa história, contada por Luís Aguilar no livro Mourinho Rockstar, que o PL Brasil decidiu trazer para vocês agora. Confira!

Acompanhe a PL Brasil no Youtube

  • Os maiores técnicos da história da Premier League

Leia mais:  Mourinho terá pressão para fazer o United jogar mais futebol

Treinador da Inglaterra?

“Quero treinar o Chelsea por doze anos e depois ser técnico na Copa do Mundo de 2026. A minha preferência seria com a seleção portuguesa. A inglesa seria uma segunda escolha”.

Esta é uma frase de José Mourinho, o Special One, relatada no livro. A primeira parte dela não foi realizada. O treinador histórico do Chelsea é o atual comandante do Manchester United; entretanto, a segunda ainda permanece viva.

Desde quando pisou em solo britânico, em 2004, para comandar o Chelsea depois de vencer a Liga dos Campeões com o Porto, e viu a paixão dos ingleses pelo futebol, Mourinho sempre disse que a Inglaterra era a sua segunda seleção preferida. Atrás apenas, é claro, de Portugal.

Embora muitos saibam deste desejo, que nunca foi escondido pelo treinador, a história de que o português quase se tornou treinador da Inglaterra é pouco conhecida.

“Estive quase, quase, quase a ponto de me tornar técnico da Inglaterra naquele momento. Mas tomei a decisão certa. Minha mulher estava certa”, disse o treinador, justificando sua recusa ao comando do time inglês.

“Ela me disse para não aceitar. Eu não posso ficar dois anos à espera de uma grande competição. Não posso passar esses dois anos jogando contra o Cazaquistão ou San Marino. Isso não é para mim”.

Tudo isso aconteceu em 2008. Na época, Mourinho tinha acabado de sair do Chelsea após briga com Abramovich, o manda-chuva da equipe azul de Londres. Já a seleção inglesa tinha acabado de ser eliminada nas eliminatórias para a Euro daquele ano.

No final de tudo, José Mourinho foi para a Inter de Milão, onde ganharia sua segunda – e última – Liga dos Campeões, na temporada seguinte. A Inglaterra não teve o português e decidiu permanecer com Fabio Capello no comando da equipe.

E a seleção portuguesa?

Mourinho já quase foi treinador da seleção portuguesa por alguns jogos. Este seria seu maior sonho como técnico de futebol, segundo ele.

Entretanto, quando o pedido chegou à sua mesa, ele tinha acabado de se tornar treinador do poderoso Real Madrid. E, mesmo que achasse que pudesse comandar o clube e a seleção simultaneamente, assim como Guus Hiddink, em 2008, com o Chelsea e com a seleção russa e, anteriormente, com PSV e Austrália, em 2006.

Ultranacionalismo?

Mesmo sem assumir o comando de uma seleção, José Mourinho já entrou em uma polêmica quando disse, em 2014, que, “se um dia ele for técnico da seleção de Portugal, levarei apenas portugueses. A seleção nacional de Portugal é de Portugal, não de ‘Portugal e Amigos'. Portugal é dos portugueses”.

Desse modo, isso poderia inviabilizar as convocações de Pepe, Bruno Alves, Deco e outros tantos estrangeiros, de maioria brasileiros, que já jogaram pela seleção portuguesa.

Além disso, ele também criticou muito as convocações de Diego Costa à Espanha na Copa do Mundo daquele ano.

Afinal, torcedor, você gostaria de ver José Mourinho comandando alguma seleção em uma Copa do Mundo?