O dia em que Mourinho quase se tornou treinador da Inglaterra

2 minutos de leitura

O português José Mourinho é, certamente, um dos treinadores mais vitoriosos do futebol inglês. Com certeza, tais números apresentam a importância que o Special One tem no futebol inglês. Mas essa influência poderia ser muito maior caso ele tivesse se tornado treinador da Inglaterra.

E é essa história, contada por Luís Aguilar no livro “Mourinho Rockstar“, que o PL Brasil decidiu trazer para vocês agora. Confira!

  • Os maiores técnicos da história da Premier League

Leia mais:  Mourinho terá pressão para fazer o United jogar mais futebol

Treinador da Inglaterra?

“Quero treinar o Chelsea por doze anos e depois ser técnico na Copa do Mundo de 2026. A minha preferência seria com a seleção portuguesa. A inglesa seria uma segunda escolha”.

Esta é uma frase de José Mourinho, o Special One, relatada no livro. A primeira parte dela não foi realizada. O treinador histórico do Chelsea é o atual comandante do Manchester United; entretanto, a segunda ainda permanece viva.

Desde quando pisou em solo britânico, em 2004, para comandar o Chelsea depois de vencer a Liga dos Campeões com o Porto, e viu a paixão dos ingleses pelo futebol, Mourinho sempre disse que a Inglaterra era a sua segunda seleção preferida. Atrás apenas, é claro, de Portugal.

Embora muitos saibam deste desejo, que nunca foi escondido pelo treinador, a história de que o português quase se tornou treinador da Inglaterra é pouco conhecida.

“Estive quase, quase, quase a ponto de me tornar técnico da Inglaterra naquele momento. Mas tomei a decisão certa. Minha mulher estava certa”, disse o treinador, justificando sua recusa ao comando do time inglês.

“Ela me disse para não aceitar. Eu não posso ficar dois anos à espera de uma grande competição. Não posso passar esses dois anos jogando contra o Cazaquistão ou San Marino. Isso não é para mim”.

Tudo isso aconteceu em 2008. Na época, Mourinho tinha acabado de sair do Chelsea após briga com Abramovich, o manda-chuva da equipe azul de Londres. Já a seleção inglesa tinha acabado de ser eliminada nas eliminatórias para a Euro daquele ano.

No final de tudo, José Mourinho foi para a Inter de Milão, onde ganharia sua segunda – e última – Liga dos Campeões, na temporada seguinte. A Inglaterra não teve o português e decidiu permanecer com Fabio Capello no comando da equipe.

E a seleção portuguesa?

Mourinho já quase foi treinador da seleção portuguesa por alguns jogos. Este seria seu maior sonho como técnico de futebol, segundo ele.

Entretanto, quando o pedido chegou à sua mesa, ele tinha acabado de se tornar treinador do poderoso Real Madrid. E, mesmo que achasse que pudesse comandar o clube e a seleção simultaneamente, assim como Guus Hiddink, em 2008, com o Chelsea e com a seleção russa e, anteriormente, com PSV e Austrália, em 2006.

Ultranacionalismo?

Mesmo sem assumir o comando de uma seleção, José Mourinho já entrou em uma polêmica quando disse, em 2014, que, “se um dia ele for técnico da seleção de Portugal, levarei apenas portugueses. A seleção nacional de Portugal é de Portugal, não de ‘Portugal e Amigos'. Portugal é dos portugueses”.

Desse modo, isso poderia inviabilizar as convocações de Pepe, Bruno Alves, Deco e outros tantos estrangeiros, de maioria brasileiros, que já jogaram pela seleção portuguesa.

Além disso, ele também criticou muito as convocações de Diego Costa à Espanha na Copa do Mundo daquele ano.

Afinal, torcedor, você gostaria de ver José Mourinho comandando alguma seleção em uma Copa do Mundo? 

Rafael Brayan
Rafael Brayan

Adepto do jogo inglês, sou apaixonado pelo futebol bem jogado. A única coisa que pode ser comparado a assistir um bom jogo é uma boa conversa sobre este esporte com bola.