Chelsea: trio fecha com a Arábia Saudita e reforça time de CR7 e algoz do Flamengo

2 minutos de leitura

Em busca de se livrar de alguns jogadores e aliviar a folha salarial para a próxima temporada, o Chelsea encontrou na Arábia Saudita o destino perfeito para alguns de seus ativos “encalhados” no mercado da bola. O clube acertou a venda de três atletas para o país e irá reforçar clubes da liga local.

De acordo com o jornalista italiano Fabrizio Romano, o Chelsea encaminhou as negociações de Hakim Ziyech, Kalidou Koulibaly e Édouard Mendy para três times diferentes da Arábia Saudita. Detalhes impedem as oficializações dos negócios, que representaram um importante alívio financeiro para os Blues visando as regras fiscais da Uefa.

O repórter informou que o marroquino Ziyech será o parceiro de luxo de Cristiano Ronaldo no Al-Nassr. O meia de 30 anos acertou com o clube amarelo e azul até 2026. Além de CR7, o destaque na Copa do Mundo de 2022 será colega dos brasileiros Anderson Talisca e Luiz Gustavo no atual vice-campeão saudita.

Já o zagueiro Koulibaly se tornará reforço do Al-Hilal por cerca de 25 milhões de euros (R$ 130 milhões). O defensor fez história no Napoli e desembarcou em Londres no início de 2022/23 cercado de expectativas, mas não conseguiu cumprir o que se esperava. Agora, irá vestir a camisa da equipe que ganhou notoriedade ao eliminar o Flamengo na semifinal do Mundial de Clubes e perder a decisão para o Real Madrid.

O goleiro Mendy, por sua vez, fechou com o Al-Ahli. Com um contrato de três temporadas, o senegalês será a primeira grande contratação nos novos moldes de investimentos sauditas dos atuais campeões da segunda divisão.

Chelsea e Arábia Saudita: uma relação que levanta suspeitas

Além do trio, o Chelsea ainda pode negociar Aubameyang e Hudson-Odoi com o futebol saudita. A debandada do Stamford Bridge rumo ao Oriente Médio tem deixado os outros clubes europeus de olhos abertos. Isso porque os rivais acusam os Blues de usarem o dinheiro saudita como forma de se desfazer de seus jogadores, gerar receita e fugir de punições do Fair Play Financeiro, após os gastos bilionários em transferências na última temporada.

Os clubes pedem uma investigação da relação entre as partes, já que a Arábia Saudita realiza investimentos volumosos na  Clearlake Capital, acionista majoritária do Chelsea. As transferências de jogadores do clube londrino para os sauditas podem superar um total de 100 milhões de euros, o que é visto pelos rivais como um valor inflacionado.

Em julho, o Ministério do Esporte da Arábia Saudita anunciou que o Fundo de Investimento Público (FIP) do país iria tomar o controle dos quatro principais times do país: Al Ahli, Al Ittihad, Al Hilal e Al Nassr. A tendência é que as grandes contratações sigam aparecendo, a fim de fomentar o futebol local e promover a Arábia Saudita como sede da Copa do Mundo de 2030.

Chelsea Arábia Saudita
Todd Boehly é um dos donos do Chelsea – Foto: Icon Sport

Sauditas focados na Premier League

Depois de assinar com Benzema, o futebol da Arábia Saudita voltou seus esforços para a Premier League, maior campeonato nacional do mundo. Além dos jogadores do Chelsea, o país está muito próximo de conseguir a contratação de Rúben Neves, volante do Wolverhampton, para o Al-Hilal. O português chegou a ser especulado em Liverpool e Barcelona, mas deve ser vendido ao novo time de Koulibaly por 47 milhões de libras (R$ 286 milhões).

Nesta segunda-feira (21), o Al-Ittihad anunciou a contratação de N’Golo Kanté, que deixou o Chelsea após término de seu contrato.

Lucas Barbosa
Lucas Barbosa

Redator da PL Brasil. Foi por meio da Premier League, na tela do antigo Esporte Interativo, em 2007, que o Jornalismo entrou na minha vida. Duas paixões que abriram portas e me fazem realizar sonhos todos os dias. Passei pelos portais Mais Minas e Esporte News Mundo.