Brasileiro, titular do Arsenal e mais: o ousado mercado do Bayer Leverkusen

6 minutos de leitura

Em sétimo lugar na Bundesliga e nas semifinais da Europa League, onde disputará nesta quinta-feira (18) com a Roma uma vaga na final (perdeu a ida na Itália por 1 a 0), o Bayer Leverkusen tem planejado seu mercado de transferências de forma ousada e, para muitos, surpreendente.

Nesta terça-feira (16), o jornalista italiano Fabrizio Romano publicou que o Leverkusen deve pagar 15 milhões de libras para fechar com o volante suíço Granit Xhaka, atual titular do Arsenal. O volante de 30 anos tem mais um ano de contrato com os Gunners e foi titular em 34 dos 36 jogos na atual Premier League, onde a equipe briga pelo título com o Manchester City, mas deve fechar com os alemães até 2027.

Leverkusen também fechou com brasileiro e destaque do Benfica

Mas Xhaka não será nem a primeira grande novidade anunciada para a próxima temporada. O Bayer já acertou a contratação do lateral-direito Arthur, de 20 anos, do América-MG, por 7 milhões de euros. Arthur foi destaque do Brasil no Sul-Americano sub-20 e também jogará o Mundial da categoria.

O lateral tem só 27 jogos como profissional, mas também entrou em campo no amistoso da seleção brasileira principal contra o Marrocos, em fevereiro.

No outro lado do campo, o Leverkusen acertou a chegada de Grimaldo, que tem o contrato encerrado com o Benfica em junho após oito anos em Lisboa. O lateral-esquerdo espanhol de 27 anos, que começou na base do Barcelona, já chegou a ser cotado em vários gigantes do futebol europeu, inclusive na Premier League.

Atual elenco já mostra tendência

Reforços de peso, como Grimaldo e Xhaka, aliados à juventude de Arthur, produzem uma mescla interessante com o atual elenco alemão. O plantel atual de jogadores do Leverkusen só tem três atletas acima dos 30 anos: dois goleiros (Hradecky e Lunev) e o atacante Bellarabi, cujo contrato se encerra em junho.

Nos últimos anos, os alemães boas promessas sul-americanas, como o defensor equatoriano Hincapié (21 anos) e o volante argentino Exequiel Palacios (24 anos). Também trouxeram Mbamba, 18 anos e revelação belga do Club Brugge; Callum Hudson-Odoi, 22 anos e cria do Chelsea; e Moussa Diaby que, aos 20 anos, trocou o PSG pelo Bayer — hoje tem 23 anos e chama a atenção do Arsenal.

Ano passado, o Leverkusen também sinalizou uma proposta de 15 milhões de euros por Matheus França, revelação do Flamengo, mas não concretizou o negócio. Ao menos por enquanto.

Xabi Alonso, o comandante

O promissor plantel ainda é comandado por um treinador promissor. Xabi Alonso, de 41 anos, é o atual comandante do Bayer Leverkusen.

Depois de passagens vitoriosas por Liverpool, Real Madrid e Bayern de Munique, o volante se aposentou em 2017 e passou a trabalhar nas categorias de base do Real. Passou também pelo time B do Real Sociedad antes de assumir o Bayer em outubro de 2022, com o clube na zona de rebaixamento. Ele não só tirou os alemães da zona como também os levou para brigar por vaga nas competições europeias, além da semifinal da Europa League.

O espanhol também é frequentemente elogiado por ser um treinador que foi capaz de assimilar aprendizados durante o tempo em que trabalhou com José Mourinho, Pep Guardiola e Carlo Ancelotti — talvez os três técnicos mais notáveis da última década no futebol.

É claro que o ambicioso projeto do Bayer depende da continuidade de Xabi. Para isso, vai precisar lidar com o assédio de outros grandes clubes da europa — recentemente, o espanhol foi apontado como o nome favorito de Daniel Levy, proprietário do Tottenham, para assumir o clube na próxima temporada. Alonso tem contrato com o Leverkusen até junho de 2024.

Próxima temporada depende de classificação para as competições europeias

Além disso, a consolidação do plano também necessita de bons resultados na atual temporada. A sétima colocação atual não garante vaga em nenhuma competição europeia. Na Bundesliga, os quatro primeiros vão para a Champions; quinto para a Europa League; e sétimo para a Conference League.

Com apenas duas rodadas para o fim do campeonato, o Bayer não tem mais possibilidades matemáticas para chegar em quinto lugar, o que significa que o máximo a ser alcançado via liga é a classificação para a Conference League. O clube tem o mesmo número de pontos do Wolfsburg, sexto lugar.

Uma alternativa, no entanto, é vencer a Europa League. Para isso, teria que virar o confronto com a Roma em casa e bater Sevilla ou Juventus na decisão. Nesse caso, Xabi Alonso e cia. se classificariam direto para a Champions.

Se embalar classificações para competições europeias enquanto constrói um elenco promissor e mantém Xabi Alonso como o rosto do projeto, é capaz que o Bayer alcance um patamar no futebol alemão que poucas vezes ocupou.

O clube nunca venceu uma Bundesliga, ganhou a Copa da Alemanha só uma vez, em 1993, e a Copa da Uefa (equivalente à Europa League) também somente uma vez, em 1988. Voltar a uma final europeia, por exemplo, já o auge nos últimos 21 anos — em 2002, o clube jogou sua primeira e única decisão da Champions, mas acabou derrotado pelo Real Madrid.

Diogo Magri
Diogo Magri

Jornalista formado pela ECA-USP, campineiro e repórter na PL Brasil. Passagens por EL PAÍS, Revista Veja e Futebol Globo CBN.

Contato: [email protected]