Mbappé sofre caso de racismo no Catar

2 minutos de leitura

Nesta quinta-feira (17) aconteceu mais um caso de racismo no futebol, sendo a vítima da vez o craque Kylian Mbappé. Torcedores argentinos que estão no Catar davam entrevista à emissora argentina TyC Sports e entoaram um cântico racista contra a Seleção Francesa. Mas o ataque mais pessoal foi contra o atleta do PSG de 23 anos.

Demonstrando uma música que estão preparando para cantar na Copa do Mundo, os argentinos desferiram diversos ataques racistas e xenofóbicos contra a Seleção Francesa. Lembrando que recentemente os próprios torcedores da França atacaramCamavinga por acidente com Nkunku.

Mbappé racismo
Foto: Divulgação / PSG

Dessa vez com os argentinos o maior atacado foi o atacante Mbappé. Além de ser chamado de “mono” (macaco) na música ainda fizeram referências ao seu relacionamento com uma modelo trans.

Eles f*d*m travestis como o f*D*D* Mbappé“, entoava o grupo de torcedores argentinos.

Além disso, os argentinos não pararam a música e começaram a atacar a Seleção Francesa com xenofobia misturada com racismo. Como assim? Eles se referiam aos jogadores africanos que se naturalizaram franceses, que são negros. Mal sabem eles que esses três atletas nascidos fora da França chegaram ao país ainda crianças.

Jogam pela França, mas são todos angolanos“, provocavam os torcedores argentinos.

Os cânticos foram ao ar na TyC Sports, pois a reportagem era feita de forma ao vivo, e não gravada. Mas assim que o câmera e o repórter perceberam o teor da música já começaram a se afastar. No programa, a bancada condenou veementemente a atitude dos torcedores.

Na Copa do Mundo 2018Argentina enfrentou a França nas oitavas de final. Os franceses venceram em uma partida inesquecível com o placar de 4 x 3, e dois gols de Mbappé. Esse pode ser o gatilho do ódio desse grupo de torcedores pelo parceiro de Messi no PSG. Esse ano no Catar eles podem se enfrentar de novo, mas alguma terá que ser vice do seu grupo.

Contexto histórico de racismo na Seleção Francesa

Antes da Copa do Mundo 1998, na França, o presidente do país na época questionou a presença de africanos na seleção. Mas depois de um grande debate público todos os envolvidos na questão chegaram ao consenso de normalizar a participação desses jogadores na Seleção Francesa.

Mas a incidência de atletas nascidos na África jogando na Seleção Francesa na Copa do Catar é bem menor do que em outras épocas. E isso não quer dizer nada na verdade, porque há um pressuposto de que o técnico Didier Deschamps é pago para convocar jogadores por critérios técnicos e nunca raciais ou geopolíticos.

Caian Oliveira
Caian Oliveira

Jornalista. Coordenador especialista em palpites, prognósticos e conteúdo para SEO da PL Brasil.