Mario Balotelli: talentoso e polêmico atacante marcou a Premier League

Saiba um pouco sobre a vida e a carreira do atacante Mario Balotelli

0
499
Balotelli Manchester City Mancini Graham Stuart Collection AFP-min
Graham Stuart Collection AFP

Mario Balotelli é um jogador de talento inegável. Porém, somada essa qualidade, existe o seu temperamento difícil além das várias polêmicas por ele protagonizadas. Em pouco mais de uma década de carreira, o atacante soma passagens por várias equipes. Na Inglaterra, o italiano teve por momentos marcantes gigantes: Manchester City e Liverpool.

No entanto, a história desse jogador de origem humilde e que recentemente negociou com o Flamengo merece ser contado desde seu início, na ilha da Sicília.

5 VIRA-CASACAS DA PREMIER LEAGUE

O garoto de Palermo

Nascido Mario Barwuah, o jogador, que possui como pais biológicos imigrantes ganeses, nasceu em Palermo em 1990. Três anos mais tarde, já morando em Bagnolo Mella, na província de Brescia e com sua família sem condições para criá-lo, acabou indo para um orfanato.

Lá, acabaria adotado pelo casal Silvia e Francesco Balotelli, partindo para viver com sua nova família ainda Brescia, mas agora na cidade de Concesio.

LEIA MAIS: “All or Nothing: Manchester City”: série é um mergulho no trabalho de Guardiola

Inicialmente o jovem recém-adotado ainda iria conviver com seus pais biológicos e seus irmãos Abigail, Angel e Enoch durante os finais de semana.

Posteriormente, Mario passou a viver em tempo integral com sua família, adotando o sobrenome Balotelli. No entanto, o jovem conseguiu obter sua cidadania italiana somente em agosto de 2008, quando completou 18 anos uma vez que seus novos familiares não o adotaram de maneira oficial.

Início no futebol

Seus primeiros passos no futebol foi pelo Lumezzane, clube atualmente fora das ligas profissionais da Itália.

Sua estreia como jogador profissional aconteceu cedo, em maio de 2006. Aos 15 anos de idade em uma partida válida pela Série C do Campeonato Italiano contra a equipe do Padova onde o Lumezzane conseguiu uma vitória magra.

Seu talento acabou chamando a atenção de uma gigante da Bota, e no mesmo ano o jovem Mario Balotelli se juntava à Internazionale.

Sua contratação teve o respaldo e aprovação de um treinador que o acompanharia por anos: Roberto Mancini.

Recorde, polêmicas e racismo

Balotelli Brescia Marco Luzzani Collection Getty Images Sport
Marco Luzzani Collection Getty Images Sport

Sua estreia pelo clube de Milão foi em uma partida amistosa realizada em 8 de novembro de 2007 e que marcava o aniversário de 150 anos do Sheffield United que terminou com placar de 5 a 2 favorável aos italianos em pleno Bramall Lane.

Em primeira partida por seu novo clube o atacante já iniciou sua trajetória com dois gols assinalados.

A estreia em um campeonato profissional aconteceu um mês mais tarde na Serie A contra o Cagliari. Já o seu primeiro gol em uma partida oficial foi marcado somente em abril de 2008, na vitória por 2 a 0 contra a Atalanta.

Mario Balotelli entraria para a história da Inter de Milão em novembro daquele ano ao se tornar o jogador mais jovem da equipe a ir às redes em uma partida da Champions League. O jogador tinha naquela oportunidade 18 anos e 85 dias de vida.

Leia mais: Paul Scholes: a maestria e a superação do “Gênio Tímido”

No entanto, ainda que estivesse vivendo um bom momento em campo, o jogador teve de conviver com um velho mal ainda muito presente no esporte: o racismo. O primeiro episódio marcante aconteceu no clássico contra a Juventus, quando parte da torcida da equipe de Turim dirigiu a Mario insultos de cunho racista.

Mesmo com a desagradável experiência vivida, Balotelli foi uma peça importante para o conquista do título da Inter logo em sua primeira temporada na equipe.

Em sua segunda temporada em Milão, ele passou a ser treinado por José Mourinho, com quem passou a colecionar polêmicas.

Logo no início dos trabalhos com o novo treinador, Mario foi criticado pelo português por supostamente não se esforçar o suficiente.

“No que me diz respeito, um garoto como ele não pode permitir-se treinar menos do que pessoas como Figo, Córdoba e Zanetti” disse José Mourinho.

Aliado aos atritos com o novo comandante da equipe, Balotelli seguia sendo alvo de insultos de torcedores rivais, principalmente os da Juventus.

Sua coleção de polêmicas aumentou março de 2010 após o jogador aparecer em um programa de TV exibindo a camisa do Milan, maior rival da Inter.

Leia mais: Eric Cantona: o bad boy que virou rei de Old Trafford 
Inter Milan Marco Balotelli New Press Collection Getty Images Sport 2-min
New Press Collection Getty Images Sport

Ele foi duramente criticado por torcedores Nerazzurri, o que o fez divulgar uma nota com pedido de desculpas.

“Lamento a situação que foi criada recentemente. Eu sou a primeira pessoa que sofreu porque adoro futebol e quero jogar, e agora estou esperando em silêncio para poder voltar a ser útil ao meu time. Quero deixar o passado para trás, olhar para o futuro e me concentrar nos próximos compromissos e me preparar”, dizia a nota.

Apesar de demonstrar arrependimento ele voltaria a dar sinais de desrespeito pelo clube. Após a partida de semifinal da Champions contra o Barcelona jogou sua camisa no chão como sinal de protesto pelas vaias que recebeu dos torcedores da Inter.

Com o cenário totalmente desfavorável para si, Balotelli se viu obrigado a mudar de ares, saindo da Itália e partindo para a Inglaterra.

A aventura em Manchester

Em 12 de agosto de 2010, após muitas especulações, Mario Balotelli era anunciado como a mais nova contratação do Manchester City. O clube inglês pagou à Internazionale o valor de 21,8 milhões de euros.

Em seu novo clube, o italiano reencontraria seu antigo treinador da época de Milão, Roberto Mancini. Sua estreia pelos Citizens aconteceu em uma partida da Europa League em 19 de agosto contra o Timisoara e que terminou com uma magra vitória por 1 a 0.

Balotelli Manchester City Mancini Graham Stuart Collection AFP-min
Graham Stuart Collection AFP

No entanto, logo em sua estreia o italiano acabou se lesionando. Ele precisou se submeter a uma cirurgia no menisco do joelho direito que o afastou até outubro.

Por ter se machucado, conseguiu fazer sua estreia na Premier League somente em 24 de outubro e logo em um clássico do Big 6. Porém, seu primeiro jogo teve um gosto amargo após uma derrota por 3 a 0 para o Arsenal.

Sempre cercado por polêmicas, Balotelli conseguiu em um mesmo jogo o seu primeiro gol e também sua primeira expulsão. Isso ocorreu na partida no The Hawthorns contra o West Bromwich por 2 a 0.

Leia mais: 5 motivos para ficar de olho no Leicester de Brendan Rodgers

Em sua primeira temporada pelo City, ele participou de 28 partidas somando todas as competições, marcando 10 gols. Nesse período teve também o seu primeiro episódio polêmico: Em março de 2011, foi punido em 100 mil libras, por atirar dardos em companheiros da equipe juvenil do City.

Na Premier League, foram 17 jogos com seis gols e uma assistência que ajudaram sua equipe a terminar o campeonato na terceira posição, garantindo a classificação do Manchester City para Champions League pela primeira vez em sua história.

Foi nessa temporada também, que Balotelli fez a sua estreia pela seleção italiana. A partida foi contra a Costa do Marfim que acabou 1 a 0 para os africanos. De quebra, para coroar sua temporada, acabaria vencendo o “Golden Boy Award”, prêmio concedido por jornalistas esportivos ao melhor jogador de até 21 anos de idade.

A coroação final daquela temporada viria com a conquista da Copa da Inglaterra pelo Manchester City. O título, que colocou um fim ao jejum de 35 anos do clube veio após a vitória por 1 a 0 contra o Stoke City, partida esse que teve Mario Balotelli eleito como o melhor em campo.

Fracassos e título

Ao final daquela temporada foi disputada mais uma edição da Eurocopa. Aquela edição foi disputada na Polônia e na Ucrânia. Balotelli estava entre os convocados, tornando-se assim o primeiro negro a defender a Itália em uma competição internacional.

Uma das preocupações naquele torneio foi com as possíveis manifestações racistas que o italiano pudesse ser alvo.

A Itália fez uma excelente campanha, chegando até a decisão. Balotelli teve um maior destaque na vitória sobre a Alemanha onde ele foi o responsável pelos dois gols no triunfo por 2 a 1.

Leia mais: Vichai, o dono do Leicester que tornou realidade um sonho impossível 
Mario Balotelli Itália comemoração Gabriel Bouys Collection AFP-min
Gabriel Bouys Collection AFP

Em uma de suas comemorações, outra célebre que se destacou foi ao tirar a camisa e fazer pose contraindo os músculos. No entanto, ao chegar até a final, a Itália acabou sendo presa fácil para a Espanha, que não tomou conhecimento e goleou por 4 a 0.

Com relação à sua segunda temporada em Manchester também pode-se afirmar que foi marcante. A equipe do Manchester City fez a sua estreia na Champions League.

No entanto, por conta de sua inexperiência na competição aliada aos adversários como Bayern de Munique e Napoli em seu grupo, os Citizens terminaram a primeira fase somente na terceira posição daquele grupo, tendo o direito de disputar a Europa League.

Balotelli conseguiu marcar seu primeiro gol pelo City na competição no jogo do returno do grupo contra o Villarreal.

Passando a disputar a segunda competição mais importante da Europa, os comandados de Roberto Mancini voltaram a fracassar em competições continentais, visto que não conseguiram avançar até as fases finais, caindo ainda nas oitavas para o Sporting.

Foi nessa temporada, no entanto, que Mario Balotelli entrou em campo para a aquela que será a partida em que será para sempre lembrado.

Leia mais: Quem é Gláuber, ídolo cult e “jogador invisível” do Manchester City

Em 23 de outubro, o italiano entrou em campo para mais um derby de Manchester. Naquela ocasião fez uma grande exibição. Ele foi o responsável por marcar os dois primeiros gols da equipe na goleada por 6 a 1 contra o United em pleno Old Trafford. Foi ainda foi o pivô da expulsão do zagueiro rival Johnny Evans.

O ponto marcante daquele jogo foi logo em seu primeiro gol. Após abrir o placar para o visitantes, Balotelli levantou sua camisa e mostrou a mensagem que até hoje é lembrada por todos: “WHY ALWAYS ME?” (POR QUE SEMPRE EU?)

Porém, aliado as boas partidas que realizou, o italiano teve também diversos problemas disciplinares.

Durante toda a temporada foram quatro expulsões, fato esse que gerou desconforto com o técnico Roberto Mancini e com os demais jogadores do Manchester City.

Ainda assim, já na reta final daquela edição da Premier League, voltaria à equipe no última rodada da competição para ser o responsável a dar para Sergio Aguero o gol da vitória por 3 a 2 contra o Queens Park Rangers. O gol que garantiu aos azuis de Manchester o título de campeão inglês.

O City não conquistava o título inglês desde 1968. O gosto da conquista foi ainda melhor pois a equipe disputou a taça até a última rodada com o Manchester United, que terminou a competição com a mesma pontuação.

A volta para Milão

Na temporada seguinte, o jogador participou de apenas 14 partidas naquela edição da Premier League e marcou apenas um gol durante todo o período. Nas demais competições, viu a equipe cair precocemente na 4ª fase da FA Cup e na 3ª eliminatória da Copa da Liga Inglesa.

Na disputa da Champions League o desempenho do City foi péssimo, ficando na última colocação do grupo e sem conquistar nenhuma vitória em seis rodadas da competição.

Já com a imagem desgastada por conta das polêmicas por ele protagonizadas, Balotelli acabou sendo negociado pelo Manchester City durante a janela de inverno da Europa.

“Vou me lembrar dos meus brilhantes companheiros de equipe, do treinador e de todos os torcedores. Eles são os melhores, foram ótimos comigo e sempre terei um lugar muito especial no coração para o City, é um ótimo clube com um grande futuro”, disse o jogador ao se despedir do clube.

LEIA MAIS: PL Brasil entrevista Firmino: ‘Com Klopp, penso o jogo de outra forma’

Dessa forma, em 29 de janeiro de 2013, ele era anunciado como reforço do Milan. Era a sua volta à cidade de Milão. Sua chegada foi comemorada pelo então vice-presidente do clube, Adriano Galliani, que afirmou que a vinda do jogador era a concretização de um sonho e que sua contratação era desejada pelo clube, presidente e pelos torcedores “rossoneri”.

A estreia aconteceu no fim daquela semana, e foi da melhor maneira possível. Ele foi o autor dos dois gols do Milan na vitória sobre a Udinese por 2 a 1.

Nas duas partidas seguintes, foram mais dois gols, o que o fez igualar ao recorde de Oliver Bierhoff, tendo a marca de quatro gols em três partidas pelo Milan. Seu desempenho no restante da temporada continuou impressionante, tendo ele marcado 12 gols em 13 partidas pela equipe ao final da temporada.

Seu alto rendimento ajudou o clube terminar o campeonato na 3ª posição, garantindo a participação na Champions League seguinte. A temporada posterior continuou com Balotelli tendo um bom desempenho com a equipe milanista. Na Serie A entrou em campo em 30 das 38 partidas da equipe mantendo uma boa média de gols, terminando com campeonato com 14 gols além de seis assistências.

Porém, mesmo com esse bom rendimento do jogador, o Milan terminou o campeonato apenas na 8ª posição, não se classificando para nenhum torneio continental.

Foi nesse campeonato que Balotelli perdeu o primeiro pênalti em sua carreira profissional. O episódio aconteceu em na derrota para o Napoli, e o responsável por fazê-lo desperdiçar a primeira penalidade em 23 cobranças foi Pepe Reina.

De volta à Premier League

No início da temporada 2014/2015, o Liverpool perdeu o atacante Luis Suárez, que se transferiu para o Barcelona. Precisando manter o poder ofensivo, a equipe fechou em agosto de 2014 a contratação de Mario Balotelli buscando alcançar o título, que na temporada anterior escapou por detalhes.

Dessa forma, o italiano que custou ao seu novo clube 16 milhões de libras, voltava à Inglaterra e à Premier League. No entanto, sua passagem por Anfield passou longe do sucesso alcançado no Manchester City.

Comandado pelo técnico Brendan Rodgers, os Reds daquela temporada fizeram uma campanha muito abaixo daquela lhes garantiu o vice-campeonato. Balotelli seguiu o baixo rendimento do clube.

Laurence Griffiths Collection Getty Images Sport
Laurence Griffiths Collection Getty Images Sport
LEIA MAIS: A falta de sucesso está refletindo nas finanças do Manchester United?

O italiano fez sua estreia pelo novo clube em 31 de agosto, logo em confronto entre equipes do Big Six, contra o Tottenham, em jogo vencido pelo Liverpool por 3 a 0. Seu primeiro gol foi marcado contra os búlgaros do Ludogorets Razgrad, pela Champions League, em 16 de setembro.

Porém, naquela edição da principal competição continental o Liverpool terminou a fase de grupos apenas na terceira colocação do grupo, indo assim para a Europa League. Já na disputa do segundo torneio mais importante da Europa, a equipe foi eliminada logo na sua estreia na competição, ao ser superada pelo Galatasaray na disputa de pênaltis.

Tendo restado apenas as competições nacionais, a equipe continuou sua má-fase. Caiu para o Aston Villa na semifinal da FA Cup e para o Chelsea, também na semifinal da Copa da Liga.

Na Premier League, o desempenho do Liverpool e de Balotelli também seguiu abaixo do esperado. O italiano só conseguiu marcar seu primeiro e único gol em toda aquela edição contra o Tottenham, já na 25ª rodada.

Ele foi titular em apenas 10 partidas na competição, tendo entrado no decorrer de outras seis. O fim daquela temporada foi melancólico, com o Liverpool sendo goleado pelo Stoke City por 6 a 1, fazendo com que o time terminasse a Premier League somente na 6ª posição.

De quebra, Mario Balotelli acabou sendo eleito uma das piores contratações daquela temporada.

Nova volta ao Milan

Balotelli Milan Marco Luzzani Collection Getty Images Sport
Marco Luzzani Collection Getty Images Sport

Na temporada seguinte, estando fora dos planos do treinador Brendan Rodgers, o jogador não foi relacionado nas primeiras rodadas do Campeonato Inglês. Dessa forma, o italiano acertou seu retorno ao Milan por empréstimo de uma temporada.

No entanto, mesmo voltando para o clube onde viveu boa fase ele continuou com seu baixo rendimento. Aliado à seca de gols, uma pubalgia o deixou fora de boa parte da temporada. Em toda aquela temporada participou de apenas 23 partidas e marcou apenas um gol.

A solitária marca veio em uma partida contra a Udinese, em 22 de setembro de 2015. Na Serie A o Milan foi o sétimo colocado, além de ter ficado com o vice-campeonato da Copa Italia após derrota na prorrogação para Juventus.

Fim da linha na Inglaterra e recomeço na França

Na volta de seu empréstimo, muita coisa havia mudado no Liverpool. A equipe era comandada pelo alemão Jürgen Klopp, que assumiu o cargo após a demissão de Brendan Rodgers em outubro de 2015.

O time conquistou dois vice-campeonatos; o da Copa da Liga e o da Europa League e terminou a Premier League apenas na oitava posição. Todo o processo de reestruturação da equipe teve seu preço para o atacante italiano.

Fora dos planos do novo treinador, ele deixou a Inglaterra no último dia de transferências para se transferir para o modesto Nice, da França. Em sua estreia pelo novo clube ele expôs todo seu descontentamento e frustração no Liverpool.

Leia mais: Roy Keane: um leão feroz dentro das quatro linhas 
Nice Balotelli Valery Hache Collection AFP
Valery Hache Collection AFP

“Foi o pior erro da minha vida. Além dos fãs, que foram fantásticos comigo, devo ser honesto, e os jogadores, com quem eu tive um bom relacionamento, não gostei do clube.”

Ele também não poupou os antigos treinadores.

“Tive dois treinadores, Brendan Rodgers e Jürgen Klopp. Como pessoas, eles não causaram uma boa impressão em mim. Eu não me dei bem com eles.”

Leia mais: Denis Law: o Rei “plebeu” de Old Trafford

No clube francês, o atacante resgatou o seu bom futebol. Em 23 partidas que disputou na Ligue 1, foi às redes 15 vezes. Logo em sua estreia, contra o Olympique de Marselha foram dois gols marcados. No derby regional contra o Monaco repetiu o feito ao marcar na goleada por 4 a 0.

Ainda que vivendo melhor fase em campo, ele continuou sendo perseguido pelas lesões. Porém, mesmo não podendo contribuir ainda mais com sua equipe, o rendimento do Nice também foi acima do esperado e o clube terminou o campeonato na terceira posição, conquistando uma vaga para a fase prévia Champions League da temporada seguinte.

Na nova temporada seu rendimento seguiu em alta. No entanto o clube não conseguiu se manter entre os primeiros colocados no campeonato local e caiu ainda na fase preliminar da competição continental.

Sem conseguir resultados expressivos, o Nice foi apenas o oitavo colocado na Ligue 1. Por outro lado, Mario Balotelli teve uma excelente média de gols naquela temporada. Em 38 partidas disputadas, o atacante marcou 26 vezes.

O momento vivido por ele também o ajudou a ser novamente convocado pela seleção italiana. Desde o Mundial realizado no Brasil em 2014 que Balotelli não era chamado.

Novo desentendimento com o comando

O início de sua terceira temporada no Nice começou conturbado. O clube passou a ser treinado pelo ex-jogador Patrick Viera. As cobranças do novo técnico em relação aos atrasos e a má forma do atacante durante os trabalhos na pré-temporada acabaram por abreviar sua passagem no clube.

Assim, depois de apenas dez jogos disputados pela equipe e já ciente da não renovação de seu contrato, o atacante acertou já no meio daquela temporada a sua transferência para o Olympique de Marselha.

Em sua nova casa, disputou apenas a metade da última temporada. Ainda assim, Balotelli conseguiu alcançar uma importante marca. Além de Josip Skoblar, ele é o único jogador a marcar nas primeiras cinco partidas do Olympique jogando em casa pela Ligue 1.

De volta ao lar

No início dessa temporada, após muitas especulações, com direito até a interesse do Flamengo, Mario Balotelli decidiu retornar ao seu lar, agora para defender o Brescia, recém-promovido à elite italiana.

O jogador comemorou sua chegada ao novo clube em suas redes sociais.

“Finalmente, estou voltando para casa”, escreveu o jogador no Instagram. “Brescia, eu estou aqui.”

Ainda é cedo para fazer previsões sobre o futuro do atacante no futebol. No entanto, pode-se afirmar sem medo que Mario Balotelli é um jogador de muito potencial.