As maiores quebras de jejum do Campeonato Inglês

Você sabe quais times tiveram as maiores quebras de jejum de títulos da primeira divisão inglesa?

As maiores quebras de jejum do Campeonato Inglês
Paul Ellis/AFP via Getty Images

O dia 25 de junho de 2020 ficará marcado eternamente na história do Liverpool. Com a vitória do Chelsea sobre o Manchester City por 2 a 1, os Reds conquistaram a Premier League 2019/2020 com sete rodadas de antecedência, quebrando um jejum de 30 anos sem títulos do Campeonato Inglês.

O jejum foi o maior da história do clube, mas esteve longe de ficar entre os maiores da história da primeira divisão inglesa. Foi apenas o oitavo maior jejum quebrado na Inglaterra. Ao longo de uma liga tão antiga, algumas outras secas acabaram se estendendo ainda mais.

Leia mais: Dos pesadelos à glória: Liverpool, enfim, campeão da Premier League

Os cinco maiores jejuns quebrados de títulos na liga inglesa (até a temporada 2019/2020).

5º – Manchester United: 41 anos (1911-1952)

É difícil imaginar que o maior campeão da Inglaterra e principal vencedor disparadamente da Premier League já ficou tanto tempo sem ser campeão. Mas aconteceu: entre 1911 e 1952, o Manchester United acumulou 41 anos de jejum do Campeonato Inglês.

Em 1910/1911, o United conquistou seu segundo título da primeira divisão. Com o passar do tempo, enquanto rivais como Liverpool, Arsenal e Everton foram acumulando conquistas, os Red Devils ficaram comendo poeira. A história só mudou em 1951/1952.

Após 41 anos, o time quebrou o jejum sob o comando do lendário Matt Busby. E a conquista foi especial por ter sido sobre um rival. Isso porque na última rodada, Manchester United e Arsenal chegaram separados por dois pontos para o confronto direto em Old Trafford.

Os Red Devils não tomaram conhecimento: um impiedoso 6 a 1 (três gols de Jack Rowley, dois de Stan Pearson e Roger Byrne) deu o título aos vermelhos. Com 57 pontos, o Man United ficou quatro à frente de Tottenham e Arsenal.

4º – Manchester City: 44 anos (1968-2012)

Mas não foi só o lado vermelho de Manchester que teve o sabor de quebrar um grande jejum no Campeonato Inglês. Em 1967/1968, o Manchester City conquistou o seu segundo título da primeira divisão, sob o comando de Joe Mercer e Malcolm Allison. A conquista foi até certo ponto inesperada, pois na temporada anterior o time havia ficado no meio da tabela.

Um dos jogos daquele campeonato ficou marcado até hoje: o Ballet on Ice. Na ocasião, o Man City bateu o Tottenham por 4 a 1 no antigo Maine Road. A partida, que foi televisionada, ficou marcada pela neve que cobriu o gramado. Na última rodada, a vitória por 4 a 3 sobre o Newcastle garantiu o título sobre o Manchester United.

Ali os Citizens entraram em um jejum marcado por muitas derrotas e quedas de divisão, e que foi quebrado 44 anos depois, justamente contra o rival United. Na temporada 2011/2012, já após a chegada dos investidores de Abu Dhabi e com uma campanha irretocável, os azuis conquistaram a Premier League pela primeira vez.

O jogo da taça é inesquecível: vitória épica sobre o Queens Park Rangers de virada, em casa, na última rodada. A derrota por 2 a 1 persistia até os 44 minutos do segundo tempo, mas com gols de Edin Dzeko e Sergio Agüero nos acréscimos, o City tirou a taça das mãos do United em um momento épico.

Leia mais: Manchester City 3×2 QPR: a epopeia com o gol histórico de Agüero

3º – Chelsea: 50 anos (1955-2005)

Era 1955, e o Chelsea completava 50 anos de vida. O presente não poderia ter sido melhor: a conquista inédita da primeira divisão. Foi outro título inesperado, visto que os Blues eram presença constante no meio de tabela e assim foi durante parte daquele ano.

Mas do meio para o fim da temporada o time arrancou, perdeu só dois dos últimos 15 jogos e superou o Wolverhampton, conquistando a taça em 1954/1955. Mal sabiam os torcedores que o clube demoraria mais meio século para vencer a divisão principal.

Assim como com o Manchester City, o Chelsea passou por tempos de vacas magras e quedas de divisão. No fim dos anos 1990, o time foi voltando aos trilhos, e disparou de vez com a chegada do magnata russo Roman Abramovich em 2003.

Na temporada 2004/2005, a grande força era o Arsenal, recém-campeão invicto. Mas com um grande elenco e a chegada de José Mourinho, o Chelsea conquistou o recorde de 95 pontos à época, sofrendo apenas 15 gols em 38 jogos – recorde até hoje da PL. Foi a conquista que quebrou o jejum de 50 anos sem título do Campeonato Inglês.

Acompanhe a PL Brasil no YouTube! 

  • ESQUADRÕES IMORTAIS | CHELSEA 2004/05

2º – Aston Villa: 71 anos (1910-1981)

Criada em 1888, a Football League teve como um de seus membros fundadores o Aston Villa. E o clube aproveitou para se tornar um dos principais das primeiras décadas, vencendo seis taças entre 1894 e 1910.

A última dessa sequência veio na temporada 1909/1910. Em uma disputa ponto a ponto com o Liverpool, os Clarets chegaram a emendar 15 jogos sem derrota e abriram vantagem no fim. Com a dupla Harry Hampton e Joe Bache (segundo e quarto maiores artilheiros da história da equipe), o Villa tornava-se ali o maior campeão nacional.

Aquele foi o começo de uma seca gigantesca na história do Aston Villa. O time viveu altos e baixos, e ressurgiu de vez nos anos 1980. E em 1980/1981, diante de forças como o futuro campeão europeu Liverpool, o Ipswich Town e o Arsenal, os Clarets venceram 26 de seus 42 jogos e quebraram o jejum de 71 anos na primeira divisão.

Aston Villa 1981
Allsport/Getty Images

Os torcedores mal sabiam que aquilo iniciaria a jornada da maior conquista do Aston Villa até hoje. Com o título inglês, o clube se classificou para a Copa dos Campeões (hoje Champions League) em 1981/1982. E em uma campanha épica, o Villa bateu o Bayern de Munique na final em Roterdã para conquistar seu único título europeu.

Leia mais: O dia em que o Aston Villa conquistou a Champions League

1º – Blackburn Rovers: 81 anos (1914-1995)

A maior quebra de jejum da história da primeira divisão inglesa é do Blackburn Rovers. O time conquistou duas vezes o campeonato na década de 1910, nas temporadas 1911/1912 e 1913/1914. A última conquista iniciou uma seca gigantesca.

Passaram-se 81 anos e algumas alternâncias entre primeira, segunda e terceira divisões. Até que o time foi comprado no começo da década de 1990 por Jack Walker, magnata da indústria do ferro e fanático pelos Rovers. E o projeto de reestruturação foi gigante.

Leia mais: Blackburn: a história, os títulos e os artilheiros dos Rovers

Em 1993/1994 (segunda temporada da história da Premier League), os Riversiders conquistaram um título inesperado. Convém lembrar que era um grande time, quarto colocado na temporada anterior e com nomes como Alan Shearer, Chris Sutton, Tom Flower e Tim Sherwood, além do treinador Kenny Dalglish, lenda do Liverpool.

Alan Shearer Blackburn
Clive Brunskill/ALLSPORT

Mas ainda assim, o título surpreendeu. Em uma briga forte com o atual campeão Manchester United, a taça veio com emoção na última rodada. Com a diferença entre ambos de dois pontos, o Blackburn perdeu fora de casa para o Liverpool por 2 a 1. Mas com o empate em 1 a 1 do United contra o West Ham em Londres, os Rovers comemoraram seu único título de PL, e primeiro da divisão principal em 81 anos.

Veja também: Quiz: O que você sabe sobre a campanha do título do Liverpool?