Os 10 maiores jogadores ingleses da era Premier League

Essa lista vai dar muito o que falar

3
922
Os 10 maiores jogadores ingleses da era Premier League

A principal liga nacional do mundo sempre foi representada por craques de diversas nacionalidades. Italianos, espanhóis e franceses marcaram época na Premier League. No entanto, são os ingleses que fazem dessa competição, uma das mais charmosas e competitivas do mundo. Em virtude disso, separamos os 10 maiores jogadores ingleses da história da Premier League. Desde jogadores mais antigos, até os mais recentes.

E os critérios para a montagem da lista foram: conquistas, influência e representatividade do jogador na(s) equipe(s), além da técnica de cada atleta escolhido.

Os 10 maiores jogadores ingleses da era Premier League

Leia mais: Os 10 maiores holandeses da era Premier League

Rio Ferdinand

Rio Ferdinand foi um dos principais zagueiros da era Premier League. Sempre muito preciso nos desarmes e com elegância, o defensor formou uma das defesas mais fortes da Europa, ao lado de Gary Neville, Vidic e Evra no Manchester United.

Rio Ferdinand foi revelado pelo West Ham e chegou a atuar junto com Frank Lampard. Ele estreou na temporada 95/96 pelo clube londrino e fez apenas uma partida durante toda campanha. Na temporada seguinte, foi emprestado ao Bournemouth, entretanto, logo retornou para o seu clube formador.

Em 97/98, o jovem zagueiro assumiu a titularidade dos Hammers. E desde então fez ótimas atuações, chamando atenção de outros clubes da Inglaterra.

Até que na temporada 00/01, Ferdinand foi contratado junto ao Leeds por 18 milhões de libras, valor recorde à época para um zagueiro. Lá fez 71 partidas e fez dois gols em duas temporadas. É, certamente, um dos maiores jogadores ingleses de sua geração.

 

James Rodríguez projeta grande temporada com Ancelotti no Everton

 

 

Leia mais: Listamos os 10 maiores zagueiros da era Premier League

Em 2002, o zagueiro foi contratado pelo fortíssimo Manchester United. O time de Sir Alex Ferguson vinha dominando a competição nacional nos últimos anos, e reforçava ainda mais o seu plantel ao decorrer dos anos.

Mesmo recém-chegado ao clube, Ferdinand ganhou o seu espaço logo no primeiro ano. Com o decorrer dos anos, ele logo se tornou um dos pilares da forte defesa de Ferguson. Um jogador muito preciso em suas tomadas de decisões, que limitava qualquer tipo de espaço para os principais atacantes do futebol europeu.

(Divulgação/Facebook Rio Ferdinand)

Sempre regular, Ferdinand foi uma das referências defensivas da Premier League nos últimos anos. O jogador é, sem dúvidas, um dos símbolos da última década vitoriosa do Manchester United.

O defensor ficou 12 anos nos Red Devils. Em 2014 o atleta foi negociado e foi defender as cores do Queens Park Rangers. Já em final de carreira, Ferdinand fez apenas 12 jogos com a camisa do clube londrino.

Extremamente vitorioso, Rio Ferdinand conquistou ao longo de sua carreira duas taças da Copa da Liga, seis da Premier League e o principal que foi o título da Champions League em 2008. Ao todo foram 672 jogos por clubes ingleses.

Michael Owen

Michael Owen foi um dos principais fenômenos do futebol inglês no final dos anos 1990 e início dos anos 2000. É um dos maiores jogadores ingleses quando falamos de camisa 9. Revelado pelo Liverpool, o ex-atacante fez a sua estreia com os Reds na temporada 96/97. Neste ano, ele atuou em apenas duas partidas e conseguiu balançar as redes em uma oportunidade.

No ano seguinte, Owen chamou a atenção de todo o mundo com as suas atuações. Em 36 jogos de Premier League, o veloz atacante fez 18 gols. Tanto que foi convocado para a Copa do Mundo de 1998, na França, com apenas 18 anos de idade.

Na temporada 98/99, o seu rendimento foi ainda melhor. Em 39 jogos na temporada, Owen fez 23 gols, sendo 18 deles na Premier League. Com o passar dos anos, o jovem atacante se transformava em um dos símbolos do Liverpool.

Apesar de sua baixa estatura, Owen era um atacante completo. Tinha uma grande presença de área, conseguia atacar os espaços para receber a bola nas costas do adversário e sair em velocidade, atuava pelos lados do campo, além de também ser um ponta de lança e jogar atrás do atacante mais adiantado.

Leia mais: Os 5 maiores jogadores bad boys da era Premier League

No um contra um era fatal. Muito veloz, colocava a bola na frente, e com a sua habilidade, criava inúmeras ocasiões de gol.

A sua melhor temporada com a camisa dos Reds foi em 2000/2001. Neste ano, Owen foi o nome do Liverpool, ele fez 28 gols em 43 partidas e foi foi fundamental na conquista da antiga Copa da Uefa em 2001.

Em 2003/2004, o ex-camisa 10 da equipe de Anfield fez a sua última campanha com a camisa vermelha. Já que na temporada seguinte, o jogador foi contratado pelo Real Madrid.

(Divulgação/Premier League)

Leia mais: Tottenham e judaísmo: uma relação centenária

Com a camisa do Liverpool, Owen fez no total 297 partidas e 158 gols. Além disso, conquistou os títulos da Copa da Uefa, da Copa da Inglaterra e duas vezes da Copa da Liga.

O inglês teve uma passagem relâmpago na Espanha. Ele jogou apenas um ano jogando com a camisa do Real Madrid, e depois voltou à terra da Rainha para atuar no Newcastle.

Mas, nos Magpies, o atacante não conseguiu viver os bons momentos de Liverpool. Owen começou a conviver com inúmeras lesões, algo que atrapalhou e muito o seu rendimento.

Somente em 2007/2008 que o “Golden Boy” conseguiu jogar uma temporada “decente”. Foram 33 jogos e 13 gols e um desempenho muito inferior em comparação aos seus anos de Reds.

Porém, mesmo sendo pouco efetivo, Owen foi contratado pelo Manchester United em 2009, irritando grande parte da torcida do Liverpool. Sem o mesmo protagonismo de outrora, o jogador foi contratado para compor o elenco dos Red Devils. Tanto que em três temporadas, Owen só fez 57 partidas, e marcou 17 gols.

Owen foi um dos grandes atacantes da Premier League, e conseguiu vencer a competição com o United. (Getty/Images)

Leia mais: 6 campeões ingleses que você talvez não saiba

No entanto, o tão sonhado título da Premier League veio. Na temporada 2010/2011, o jogador foi campeão nacional com o United, e ainda foi vice-campeão da Champions League.

Em 2012, o ex-atacante foi contratado pelo Stoke Ctiy, mas foram apenas nove partidas e apenas um gol feito. Ao final da temporada, o jogador resolveu se aposentar.

Pelos clubes ingleses, Michael fez 435 jogos e 203 gols. O ex-jogador do Liverpool é um dos maiores artilheiros da história da Premier League. Ele está na nona posição com 150 gols em 326 jogos.

David Beckham

David Beckham é outro nome importante na história da Premier League. E diferentemente de outros jogadores citados nesta lista, o ex-camisa 7 do Manchester United não atuou na competição por quase toda a sua carreira. Beckham passou por inúmeros clubes, inclusive fazendo parte dos galáticos do Real Madrid.

O meio-campista começou a sua trajetória no futebol nas categorias de base do Tottenham. Entretanto, foi transferido para a base do Manchester United em 1992, onde fez história com a camisa do clube.

Sua primeira temporada de destaque foi na campanha 95/96. Neste ano, Beckham fez 37 partidas, com oito gols e uma assistência. Nos anos seguintes, o seu protagonismo foi ainda maior. E ao lado de grandes jogadores como Roy Keane, Andy Cole, Paul Scholes, dentre outros, formou um dos times mais vitoriosos da história do futebol inglês.

Sempre muito clássico e com uma batida de bola incrível, o ex-camisa 7 dava muita dinâmica ao setor de criação dos Diabos Vermelhos.

(Divulgação/Premier League)

Leia mais: O dia em que o Arsenal venceu a seleção brasileira

E com a sua criatividade e facilidade em bater na bola, Beckham se destacou no âmbito europeu, e se tornou um dos principais jogadores da posição.

O seu ápice foi a temporada de 98/99, quando conquistou a tríplice coroa com os Red Devils. Naquele ano foram 55 jogos, nove gols, nove assistências e o título da Premier League, Copa da Inglaterra e da Champions League.

Na temporada 2001/2002, Beckham teve o seu ano mais expressivo em relação às estatísticas.  Em 43 partidas, foram 16 gols e quatro assistências, sendo 11 deles na Premier League. O que ajudou o Manchester United a levantar mais uma taça nacional.

Em 2003/2004, foi então negociado junto ao Real Madrid pelo valor de 37,5 milhões de euros e deu fim a sua carreira na Inglaterra. Em oito anos com o Manchester United, Beckham fez 385 jogos, 83 gols e 38 assistências.

Além disso, foi seis vezes campeão da Premier League, venceu duas vezes da Copa da Inglaterra, e o título mais expressivo foi o da Champions League em 1999.

Gary Neville

Um dos maiores ícones da história de um dos dois maiores clubes ingleses. O ex-lateral direito Gary Neville é um dos maiores ídolos da história do Manchester United.

Um exímio lateral, preciso em seus desarmes e muito seguro na linha de quatro defensores, o irmão mais velho de Phil Neville (que atuou junto com Gary no United) é outro jogador inglês que foi fundamental na era Premier League.

(Divulgação/Twitter Gary Neville)

Neville só defendeu as cores do Manchester United. Desde as categorias de base nos Red Devils, Gary estreou no plantel principal na temporada 92/93. Mas o defensor só atuou em uma partida.

Ele começou a se destacar mesmo na temporada 94/95. E desde então tornou-se uma das peças principais do sistema defensivo de Sir Alex Ferguson.

Na temporada 98/99, Gary Neville fez parte de uma das equipes mais importantes da história do clube. Na ocasião, o Manchester United venceu a tríplice coroa (Copa da Inglaterra, Premier League e Champions League), formando certamente um dos melhores times da década de 1990.

Leia mais: Jack Leslie: o craque que não jogou pela Inglaterra por ser negro

Gary Neville atuou em 607 partidas com a camisa do Manchester United, sendo um dos jogadores que mais entrou em campo pelos Diabos Vermelhos. Ao todo, o defensor marcou sete gols e deu 33 assistências.

Um dos jogadores mais vitoriosos da história do clube, Neville venceu 12 vezes o título da Premier League, quatro Copas da Inglaterra, três Copas da Liga, dois Mundiais de Clubes e dois títulos da Champions League (1999 e 2008).

Ao final da carreira, Gary Neville já não era mais o mesmo. Com a chegada de novos defensores, o lendário lateral direito foi perdendo espaço, e começou a conviver com algumas lesões. E em 2011, quando completou 20 anos no clube, Neville anunciou a sua aposentadoria. Atualmente, é comentarista.

Steven Gerrard

Gerrard é talvez o maior jogador da história da Premier League que não conquistou o tão sonhado troféu da competição. O ex-meia da seleção inglesa é um dos maiores ídolos do Liverpool.

Steven Gerrard estreou com a camisa dos Reds na temporada 98/99, com apenas 18 anos. Buscando o seu espaço a cada ano, o “Steve G”  se consolidou na sua segunda temporada. No começo de sua trajetória, Gerrard jogava mais adiantado, na segunda linha do meio de campo.

(Divulgação/Facebook Steven Gerrard)

Muito técnico, dono de um passe refinado e com um ótimo arremate de longa distância, o jovem jogador do Liverpool era um dos principais destaques ao lado de Michael Owen.

Na temporada 2000/2001, o Liverpool conquistou o título da Copa da UEFA. E Gerrard foi um fator importante para o título continental dos Reds. Naquele ano, o meio-campista fez 50 jogos, dez gols e cinco assistências, fazendo assim a sua principal campanha com os Reds.

Em 2004/2005, sem Michael Owen, Steven Gerrard se tornou a grande referência do clube. Ao lado de Xabi Alonso, o Liverpool tinha um dos principais meio-campos da Inglaterra. E aquela temporada foi fundamental.

Leia mais: 7 dicas para comprar na maior loja de camisas de futebol do mundo

Já capitão e pilar do time, o ex-camisa 8 conquistou o título da Champions League, depois de uma final inacreditável contra o Milan.

Naquela partida, Gerrard fez um dos gols do time, que ajudou na grande reação para vencer o troféu nas penalidades.

Ao longo das temporadas, seu rendimento foi cada vez melhor. No entanto, o clube não conseguiu conquistar o tão sonhado título da Premier League.

Leia mais: Elegemos os uniformes mais bonitos da era Premier League

(Divulgação/Premier League)

Nos anos seguintes, o Liverpool passou por momentos de dificuldade. E Gerrard viu seus dois principais companheiros sendo negociados, Xabi Alonso e Fernando Torres.

Porém, em 2013/2014, com Luis Suárez, Sturridge e Sterling, o clube fez uma excelente temporada, mas não levantou o troféu nacional. Gerrard novamente fez um ano sensacional, em 34 jogos de Premier League, o meia fez 13 gols e deu 15 assistências.

No entanto, uma derrota contra o Chelsea, em Anfield, ficou marcada na carreira Gerrard. O jogador escorregou em um momento decisivo, e viu na sequência o rival de Londres abrindo o placar. Aquela partida terminou em 2 a 0 para o Chelsea, e foi um dos momentos de queda dos Reds na reta final do campeonato.

Nas temporadas seguintes, a equipe não conseguiu ser competitiva como no último ano. E ao término da campanha, Steven Gerrard foi jogar no Los Angeles Galaxy, dos Estados Unidos.

Pelo Liverpool foram 710 jogos, 186 gols e 115 assistências. Ele conquistou um título da Copa da Uefa em 2001, dois da Copa da Inglaterra, três da Copa da Liga Inglesa e um da  Champions League em 2005.

É um dos maiores jogadores ingleses de todos os tempos.

Andy Cole

Mais um jogador que foi importante na história do Manchester United. O ex-atacante Andy Cole é um dos principais nomes da Premier League.

Cole tinha um faro de gol tremendo. Sua presença na pequena área era incrível, conseguia se livrar rápido dos marcadores e finalizar com extrema maestria. Uma de suas principais virtudes era atacar o espaço vazio e receber a bola em profundidade. E com a sua explosão e força física, criava os seus espaços para ficar com chances de finalizar.

(Divulgação/Premier League)

O ex-atacante passou por vários clubes ingleses em sua carreira. Foi revelado pelo Arsenal, mas nunca conseguiu se firmar nos Gunners. Sendo assim, foi emprestado para o Fulham. Depois, retornou ao time de Londres, porém, foi vendido para o Bristol City.

Cole ainda continuou com as mudanças. Do Bristol foi para o Newcastle e do Newcastle chegou ao poderoso Manchester United. E lá, finalmente, o atacante conseguiu se firmar e ser um dos jogadores fundamentais do esquema de Sir Alex Ferguson, ao lado do seu companheiro de ataque Dwight Yorke.

Leia mais Confira o Top 10 maiores vira-casaca do futebol inglês!

No Manchester United, foram sete temporadas e inúmeros títulos. Além, é claro, dos 275 jogos e 121 gols. Com os Red Devils, Cole venceu cinco vezes a Premier League, duas vezes a Supercopa da Inglaterra, duas vezes a Copa da Inglaterra e uma Champions em 1999.

Após a brilhante passagem pelo United, o ex-atacante inglês voltou a passar por diversos clubes. Blackburn, Fulham (novamente), Manchester City, Portsmouth, Sunderland, Burnley e por último o tradicional Nottingham Forest.

Cole encerrou a sua carreira em 2008. E em sua carreira, teve uma carreira consolidada como um dos maiores atacantes da Premier League. Ele é o terceiro artilheiro da história da competição, com 188 gols em 415 jogos.

Frank Lampard

Frank Lampard fez parte de uma das maiores gerações inglesas. Ao lado de Gerrard, Rooney, Ferdinand, Beckham e outros, o meio-campista inglês, que fez história com a camisa do Chelsea, também é um dos principais nomes da história da Premier League, inclusive, sendo o quinto maior artilheiro com 176 gols.

Lampard estreou na competição nacional na temporada 95/96 com a camisa do West Ham. Entretanto, os seus primeiros anos no Campeonato Inglês não foram dos mais convincentes. Chegou a ser emprestado para o Swansea City.

Um dos jogadores mais decisivos da história recente do Chelsea, Lampard é um ídolo do clube londrino. (Getty/Images)

No entanto, na temporada 98/99, ele começou a se destacar e ter mais chances no time principal. Aos poucos, o meia ganhava cada vez mais destaque. E isso chamou a atenção de um clube que ainda não tinha muito prestígio na Inglaterra, mas que tinha muita ambição.

Na temporada 01/02, Frank Lampard foi vendido por 16 milhões de euros para o Chelsea. Em seu primeiro ano com os Blues, o meia inglês teve números discretos.

Leia mais Top 10 maiores franceses da história da Premier League

Tudo começou a mudar para o jogador e para o clube no ano de 2003. O Chelsea foi comprado pelo bilionário russo, Roman Abramovich, e a partir disso o clube se tornou um novo rico e uma potência no futebol mundial.

Com o passar dos anos, Lampard se consolidou como um símbolo do Chelsea. Em 2005 e 2006, conquistou o bicampeonato da Premier League com o comando do técnico português José Mourinho. No ano de 2010, a equipe voltou a conquistar o Campeonato Inglês, em mais uma grande temporada de “Super Frankie”.

O que faltava era somente o título da Champions League. E em 2012, numa final épica, os londrinos conquistaram o tão sonhado troféu diante do Bayern de Munique, na Allianz Arena. Em 2014/2015, a era Frank Lampard no Chelsea chegou ao fim.

Leia mais: Montamos a seleção brasileira da era Premier League

(Divulgação/Facebook Frank Lampard)

Na ocasião, o astro dos Blues foi para o Manchester City, cedido por empréstimo pelo New York City. Nos Citizens ele não teve o mesmo protagonismo.

O meia até foi importante em alguns momentos, inclusive marcando um gol contra o próprio Chelsea num clássico no dia 21 de setembro de 2014. No entanto, ele já não era mais o mesmo .

Lampard, aliás, passou por três clubes na Inglaterra. Com o West Ham, foram 187 jogos, 39 gols. No Chelsea, 648 jogos, 211 gols e 150 assistências. Já no Manchester City, em final de carreira, Lampard participou de 38 partidas, marcando oito gols e quatro assistências.

Em relação aos títulos, os mais expressivos foram: as três conquistas da Premier League, os quatro da Copa da Inglaterra, as duas Copa da Liga, a Europa League em 2013, e o mais relevante foi o título da Champions League em 2012.

Individualmente, Lampard foi eleito o segundo melhor jogador do mundo no ano de 2005, ficando atrás somente do brasileiro Ronaldinho. Sem dúvidas, ele estará na lista dos melhores jogadores ingleses da história.

Wayne Rooney

Wayne Rooney é um dos símbolos da história da Premier League. Segundo maior artilheiro da competição, com 208 gols em 491 partidas, o atacante inglês fez história na liga. Com apenas 16 anos de idade, Rooney estreou com a camisa do Everton na temporada 02/03.

Em seu primeiro ano, atuou em 33 partidas na Premier League e marcou seis gols. Um ótimo rendimento para um atleta que nem havia feito 18 anos de idade. Aos poucos, Rooney foi ganhando mais destaque no cenário nacional. E na temporada 04/05 o jogador foi vendido para o Manchester United.

(Divulgação/Premier League)

Logo em seu ano de estreia, demonstrou valer o investimento. Em 43 jogos foram 17 gols e mais seis assistências. E na Premier League, o atacante mostrou ser mais efetivo ainda, com 11 tentos marcados em 29 partidas.

Ano após ano, seus números ficavam melhores. E logo, Rooney se tornou um dos principais nomes do Manchester United, time que foi dominante na última década em território nacional.

Leia mais: Top 10 maiores promessas do futebol inglês que nunca vingaram

O camisa 10 do United ainda venceu mais duas edições do Campeonato Inglês. Em 2011 e em 2013. Na última ocasião, Rooney teve um papel crucial.

Ao lado de Cristiano Ronaldo, Scholes, Giggs, Vidic e Ferdinand, Rooney conquistou um tricampeonato da Premier League em 2007, 2008 e 2009. Além, é claro, do título da Champions League diante do Chelsea em 2007/2008.

(Divulgação/Premier League)

Conhecido pela sua grande técnica e por ser um ótimo finalizador, o jogador chegou a atuar até como “camisa 10” e segundo volante nas mãos do lendário Sir Alex Ferguson.

Vale ressaltar que, na temporada 2010/2011, Wayne Rooney fez um dos gols mais marcantes da história da Premier League. No derby de Manchester, o atacante acertou uma linda bicicleta no ângulo de Joe Hart, na vitória do United diante do City pelo placar de 3 a 1.

Com a camisa do Everton, Rooney atuou em 111 partidas e marcou 26 gols. Já com os Red Devils, o atacante inglês foi um dos principais nomes do clube nos últimos nomes, e é um dos maiores jogadores da história do Manchester United.

No total, foram 559 partidas, 253 gols e 146 assistências. O ex-camisa 10 dos Diabos Vermelhos é o maior artilheiro da história do clube.

Alan Shearer

Shearer é simplesmente o maior atacante da história da competição. Com uma técnica acima da média, finalizações precisas e extremamente dominante no último terço do campo, o ex-atacante da seleção inglesa foi um ícone da competição.

Gols plásticos, gols oportunistas, Shearer tinha um repertório completo. Conseguia ser efetivo tanto fora da área, quanto dentro dela. Um goleador nato.

Shearer é o maior artilheiro da história da Premier League e marcou o seu nome na competição. (Getty/Images)

Shearer começou a sua carreira nas categorias de base do Newcastle no sub-18. Porém, o jovem atacante acabou sendo negociado com o Southampton. Mas depois de alguns anos com os Saints, Alan foi para o Blackburn Rovers.

Jogando pelo Blackburn, o ex-atacante finalmente conseguiu um grande protagonismo. Foi campeão da Premier League em 94/95 e artilheiro da competição com 34 gols em 42 jogos.

Nos anos seguintes, não conseguiu conquistar o título de campeão nacional, entretanto, foi artilheiro da competição mais uma vez, na temporada 95/96, fazendo 31 gols em 35 jogos. Foi terceiro lugar no prêmio de melhor do mundo da FIFA, ficando atrás somente de Ronaldo Fenômeno e George Weah.

Leia mais Os 5 maiores portugueses da era Premier League

Na campanha seguinte, Shearer foi então negociado. O Newcastle pagou 21 milhões de euros e levou um dos maiores atacantes daquela década. E já em seu primeiro ano ele mostrou serviço. Marcou 25 gols em 31 jogos e levou mais uma vez a chuteira de ouro. Terceira vez consecutiva que fazia tal feito.

No Newcastle, Shearer conseguiu enfim ser regular e efetivo. Mas nas temporadas seguintes, porém, não conseguiu manter o mesmo rendimento do seu primeiro ano e também dos anos de Blackburn. O jogador ficou por dez anos no Newcastle, se tornou um dos maiores ídolos da história do clube e se aposentou em 2006.

Alan Shearer é o jogador com mais hat-tricks na história da Premier League (11), o maior artilheiro da história do Newcastle e o maior artilheiro da história da Premier League, com 260 gols em 441 jogos. Seu faro de gol apurado o deixa na lista dos maiores jogadores ingleses de todos os tempos.

Paul Scholes

Outro grande nome da história da Premier League é Paul Scholes. Um dos mais talentosos meio-campistas do futebol inglês, ele marcou o seu nome na competição.

Dono de uma técnica refinada, controle de bola invejável, ótimos passes e lançamentos, além dos conhecidos arremates de longa distância, Scholes foi um dos nomes mais importantes da história do Manchester United.

Lenda do Manchester United, Scholes foi um dos jogadores mais talentosos e vitoriosos da Premier League. (Getty/Images)

Os Red Devils foram a única equipe que o meio-campista inglês defendeu em toda a sua carreira. Ao todo, Paul fez 718 jogos com a camisa do Manchester United, com 155 gols e mais 51 assistências.

Os números individuais mostram por si só a grande influência que o jogador teve na equipe de Manchester. Fora que, Scholes é um dos jogadores que mais levantaram taças com os Diabos Vermelhos.

Ele conquistou 11 títulos da Premier League, duas Champions League, três títulos da Copa da Inglaterra e dois títulos da Copa da Liga Inglesa.

3 COMENTÁRIOS

  1. Vocês fizeram uma lista com ANDY COLE e sem HENRY ? VIEIRA ? BERGKAMP ?
    Parabéns pelo clubismo ridículo, uma das maiores PIADAS que eu já li.
    E parabéns pela falta de pesquisa na hora de montar a lista, vai contra TUDO que todos os próprios analistas ingleses acreditam.

Comments are closed.