Com Diego Ribas e estreia de atacante ‘desconhecido’, Brasil estragou festa inglesa na reabertura do Wembley

5 minutos de leitura

Brasil e Inglaterra é um confronto que não se limita aos duelos de Copa do Mundo. Ao longo do tempo, amistosos interessantes foram disputados no clássico que se repete neste sábado (23), a partir das 16h (de Brasília).

É o caso do um confronto entre os países em 2007 que terminou empatado em 1 a 1. Na ocasião, a partida serviu de reencontro da seleção inglesa com um “novo” Wembley, teve a presença de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e contou com diversas estrelas pelos dois lados.

Jogo foi o reencontro de Wembley com a seleção inglesa

Depois de sete anos fechado para obras, Wembley foi reinaugrado em maio de 2007, com a final da Copa da Inglaterra entre Manchester United e Chelsea. Pouco menos de um mês depois, o lendário estádio pôde, finalmente, receber de nova a seleção inglesa. O Brasil foi o adversário escolhido para a festa.

Cerca de 90 mil pessoas acompanharam a partida. Além de poder conferir de perto como Wembley ficou após os mais de 640 milhões de libras investidos (cerca de R$ 1,2 bilhões na coração de 2007), o torcedor presente pôde ver de perto craques como Ronaldinho Gaúcho, Beckham e Kaká, que viria a ser o melhor jogador do mundo meses depois.

O evento ainda marcou uma série de homenagem a Alan Ball Jr., campeão do mundo pela Inglaterra em 1966 no estádio. Ele havia falecido há dois meses.

Diego Ribas brilhou e salvou o Brasil

Com Ronaldinho, Kaká e Beckham em campo, quem brilhou mesmo foi um jogador pouco cotado: Diego Ribas. Mas antes do à época meia do Werder Bremen virar herói, John Terry abriu o marcador para os ingleses. O ídolo do Chelsea mostrou sua força no jogo aéreo e marcou de cabeça após cobrança de falta, aos 23 minutos da etapa final.

Foi um jogo equilibrado e sem grandes emoções, como de praxe em amistosos. Serviu para ser a estreia do criticado atacante Afonso Alves pela seleção brasileira, comandada por Dunga na ocasião.

Diego Ribas tratou de colocar uma chama de fogo no jogo e calar o Wembley. O ex-jogador foi colocado pelo técnico verde e amarelo na etapa final e não decepcionou. O meia infiltrou na grande área, recebeu lançamento de Gilberto Silva e, como um autêntico camisa 9, cabeçeou para as redes.

Inglaterra: Paul Robinson, Jamie Carragher, John Terry (Wes Brown), Ledley King e Nicky Shorey; David Beckham (Jermaine Jenas), Steven Gerrard, Frank Lampard (Michael Carrick), Joe Cole (Stewart Downing), Alan Smith (Kieron Dyer) e Michael Owen (Peter Crouch).

Brasil: Helton, Daniel Alves (Maicon), Naldo, Juan, e Gilberto; Mineiro (Edmilson), Ronaldinho, Gilberto Silva, Vagner Love, Kaka (Afonso), Robinho (Diego).

Brasil
Gerrard, Lampard e Terry marcam Vagner Love (Foto: Icon Sport)

Assim como em 2024, Lula era o presidente da República em 2007 e esteve no jogo

Atual presidente do Brasil, Lula também chefiava o poder executivo em 2007. Era o primeiro ano de seu segundo mandato e ele acompanhou a seleção brasileira no desafio contra a Inglaterra. O político realizou escala em Londres antes de uma viagem à Índia especialmente para ver ao jogo, num aceno feito pelo Planalto à Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Lula e Kaká antes de Brasil e Inglaterra em 2007 (Foto: Ricardo Stuckert/Presidência da República)

Lula esteve no gramado antes da bola ralar e cumprimentou os atletas brasileiros e ingleses perfilados para o hino nacional. Ao longo da partida, a transmissão se dedicou a flagrar reações do presidente a cada lance importante que acontecia no gramado.

Lula Inglaterra
Lula e Beckham antes de Brasil e Inglaterra em 2007 (Foto: Ricardo Stuckert/Presidência da República)
Lucas Barbosa
Lucas Barbosa

Redator da PL Brasil. Foi por meio da Premier League, na tela do antigo Esporte Interativo, em 2007, que o Jornalismo entrou na minha vida. Duas paixões que abriram portas e me fazem realizar sonhos todos os dias. Passei pelos portais Mais Minas e Esporte News Mundo.