Luis García: “Acabamos de chegar de uma derrota dura, mas a situação é idílica”

RCD Mallorca
Foto: Reprodução RCD Mallorca

Como quase todos os treinadores, Luis García Plaza não quer prolongar o drama. O treinador de Mallorca considera que a desastrosa atuação da sua equipe no Santiago Bernabéu terminou, pela qual assume total responsabilidade, e está totalmente concentrado no jogo deste domingo contra Osasuna. Depois de tirar apenas um ponto dos últimos três jogos, está na altura de se recomporem.

“O principal culpado da derrota no outro dia sou eu”, disse Luis García na sala de imprensa em Son Moix no sábado, pouco antes da última sessão de treino da semanA. “Estava errado na minha abordagem porque não podemos jogar Madrid como iguais. Fizeram 20 faltas, o que é normal, e nós fizemos oito. Não cortamos a peça e não fomos forçados e isso é culpa minha porque tínhamos de ser muito mais fortes defensivamente. Mas concentraram-se mal na questão das rotações, porque eu só fiz quatro e não sete como foi dito”, respondeu, apontando para a imprensa e para os críticos. “Tem de nos servir de experiência para visitarmos outros campos”. Aceito o meu erro e a minha parte da culpa.

COLETIVA PARA O JOGO DESTE DOMINGO (26)

Olhando para a partida contra Osasuna, Luis García Plaza está otimista. “Consigo ver que a equipe está entusiasmada. O povo está ansioso”, continuou o treinador. “Há um desejo de o ir buscar”, assegura ele. “Estamos a ser visitados por uma equipa que se está a sair muito bem longe de casa. Temos de ser verticais e fazê-los correr, mas será um jogo difícil e seria bom evitar outra derrota”, explicou ele. “Estou convencido de que a equipa dará tudo de si”, resumiu ele. “Viemos de uma derrota dura, mas a nossa situação é idílica.

Nesse sentido, trará de volta Galarreta e Ángel e decidirá este sábado se inclui Franco Russo no plantel no caso de ele precisar de o chamar urgentemente. Mas o treinador continuará sem Raíllo, Take e Sedlar, bem como Maffeo, que espera trazer para o jogo da próxima semana contra o Levante. “Temos tantos ausentes que qualquer contratempo que nos seja dado parece maior do que é. Se eu puder ter quatro defensores, ficarei feliz com isso”, admitiu ele.