Liverpool: maior goleada da história sobre United enche o futuro de otimismo

6 minutos de leitura

O Liverpool passou por cima do Manchester United e aplicou, na tarde deste domingo (5), a maior goleada da história do maior clássico da Inglaterra. Na partida válida pela 26ª rodada da Premier League, a equipe de Jürgen Klopp goleou por 7 a 0 em Anfield Road. Foram dois gols para cada um do trio de ataque titular, Salah, Darwin Nuñez e Gakpo, e mais um para Roberto Firmino, que entrou no segundo tempo.

A goleada também foi marcada pelo recorde de Salah, que se tornou o maior artilheiro da história do Liverpool na Premier League. E, mais do que isso, encheu de otimismo dos torcedores em Anfield, que passaram a acreditar na classificação europeia via liga e na volta de um time competitivo e vencedor ainda nesta temporada.

Leia mais

Maior vitória da história mostra o melhor caminho para o novo Liverpool

É marcante que o Liverpool tenha feito o melhor jogo da temporada contra seu maior rival, em Anfield, uma semana depois do United comemorar o título de campeão da Copa da Liga Inglesa. Depois de passar meses desacreditado e sentido a necessidade de reformular o elenco, Klopp viu o melhor de seus jogadores na tarde de domingo.

Van Dijk e Konaté se mostraram firmes como dupla de zaga, mais uma vez. Os dois conseguiram proteger melhor o gol de Alisson que, embora não esteja no auge da confiança, fez um jogo seguro. Com Arnold inspirado e Robertson incansável, a defesa chegou ao quinto jogo seguido sem sofrer gols.

Fabinho, que vive sua pior temporada com a camisa vermelha, fez um ótimo clássico e levou a melhor no duelo particular contra Casemiro. Henderson, autor de uma assistência, também mostrou que, com dois anos de contrato, ainda tem lenha para queimar; e Harvey Elliott, que também deu uma assistência, assumiu a responsabilidade de ser o nome mais criativo do meio-campo.

Claro que a reformulação ainda está no horizonte do Liverpool. O próprio Klopp já admitiu a necessidade de trocar algumas peças na próxima janela, que deve contar pelo menos com as saídas de Keita, Oxlade-Chamberlain, Milner e Firmino.

Mas o 7 a 0 provou que outros jogadores, embora desgastados, merecem a chance de ficar e se recuperar de uma temporada decepcionante. E que não há nome melhor para montar o novo Liverpool do que o atual treinador. Algo, aliás, que é consenso entre a própria torcida. Antes do clássico, os fãs chegaram a protestar contra os donos do clube, mas garantiram apoio ao alemão que reergueu o LFC nos últimos anos. Como resumiu um cartaz que estava num avião que sobrevoou o estádio antes da bola rolar: “FSG out, Klopp in” — em tradução, “FSG fora, Klopp dentro”.

Dupla de contratados brilham

Se ainda existem incertezas sobre quais devem ser as mudanças na defesa e no meio-campo, a goleada provou que o ataque está mais resolvido. Tudo indica que o trio ofensivo da próxima temporada deve ser formado por Salah, Gakpo e Nuñez. O primeiro é intocável no time titular há cinco anos, mas os outros dois provaram que podem ser protagonistas do time.

Gakpo marcou dois golaços: um chute no canto de De Gea após cortar Varane da jogada e outro com um toque de cobertura por cima do goleiro após jogada genial de Salah. E Darwin Nuñez deixou sua marca dupla com duas belas cabeçadas, em cruzamentos de Elliott e Henderson.

Juntos, os atacantes contratados nessa temporada somam 18 gols e quatro assistências na temporada. Nuñez chegou antes do início do campeonato e sofreu um pouco com a adaptação, mas agora parece estar perto da melhor forma no Benfica. E Gakpo, que estreou em janeiro, já conta com atuações e gols importantes que empolgam para o futuro. Isso sem contar o lesionado Luis Díaz e o português Diogo Jota, que também mostraram que podem brigar pela titularidade.

Darwin Nuñez comemora gol pelo Liverpool - Foto: Twitter @LFC
Darwin Nuñez comemora gol pelo Liverpool – Foto: Twitter @LFC

Salah, o recordista

Assim que saiu o sexto gol, Alexander-Arnold simulou com as mãos colocar uma coroa na cabeça de Salah. O gesto dá uma noção do tamanho que o egípcio tem no Liverpool e no maior clássico da Inglaterra.

Salah é o maior artilheiro da história do clássico contra o Manchester United, com 12 gols. Foram 11 marcados nos últimos seis jogos. Ele já tinha esse posto desde o jogo do primeiro turno, quando marcou na derrota por 2 a 1 em Old Trafford.

Agora, Salah é também o maior artilheiro da história do Liverpool na Premier League. Antes da bola rolar, ele tinha 127 gols, um a menos que o recordista Robbie Fowler. Mas os dois chutes certeiros o fizeram saltar para 129 e virar o líder isolado na estatística.

Roberto Firmino incendeia de vez o Anfield Road

Não havia nome melhor para fechar a goleada história do que Roberto Firmino. Com a notícia da semana de que o brasileiro encerrará ao fim da temporada sua passagem de oito anos pelo clube, a torcida cantou a música dedicada ao seu camisa 9 desde os primeiros minutos, mesmo com ele no banco de reservas.

O estádio se levantou para aplaudir quando Firmino foi anunciado como substituto de Gakpo, aos 34 do segundo tempo. E veio abaixo dez minutos depois. O brasileiro recebeu de Salah dentro da área e virou para acertar o chute no canto e tornar a vitória a maior goleada da história do clássico. O tamanho da festa e a da comemoração do gol do atacante — que teve até invasão de campo, para o desespero de Klopp — também traduz a importância que Firmino tem como ídolo do Liverpool.

O atacante, aliás, é o terceiro artilheiro do Liverpool na Premier League, com oito gols. Ele está empatado com Nuñez e tem três a menos que Salah.

Alexander-Arnold exalta Firmino em Anfield – Foto: Twitter @LFC

O jogo: vira um, acaba sete

O primeiro tempo do clássico foi recheado de boas chances para as duas equipes. O zagueiro argentino Lisandro Martinez precisou se atirar na pequena área para evitar um gol de Darwin Nuñez. Do outro lado, Bruno Fernandes e Rashford desperdiçaram boas chances na cara de Alisson. Casemiro até fez um gol de cabeça, que foi anulado por impedimento.

Mas coube a Gakpo tirar o zero do placar com um golaço. Alisson achou Robertson na esquerda, que trouxe para dentro e achou um lindo passe para o holandês nas costas de Dalot e Fred. Gakpo “só” precisou invadir a área, cortar também Varane e acertar o canto de De Gea para abrir o placar.

Foi a sexta assistência de Robertson nesta edição da Premier League. O lateral-esquerdo é o recordista da estatística na história do campeonato, com 55 no total. Ele também foi um dos destaques do jogo de hoje, com quatro desarmes e seis duelos vencidos pelo chão.

Depois de abrir o placar somente aos 43 de uma etapa inicial equilibrada, o Liverpool resolveu o jogo nos primeiros cinco minutos do segundo tempo. Primeiro, com Elliott cruzando para Darwin Nuñez fazer 2 a 0 de cabeça. Pouco tempo depois, Salah recebeu pela direita, entortou Martínez e cruzou para Gakpo marcar outro golaço.

A partir daí virou passeio. O United ficou atordoado em Anfield, longe de reagir como nas vitórias recentes contra Barcelona e West Ham. Casemiro, destaque da temporada do clube, foi substituído. Rashford mal tocou na bola. Enquanto isso, o Liverpool desfilava tranquilo sob gritos de “olé” das arquibancadas.

E os donos da casa empilharam gols com o passar dos minutos. Salah fez 4 a 0 com passe de Elliott, Nuñez fez o 5 a 0 de cabeça, Salah marcou outro para ampliar em 6 a 0 e Roberto Firmino, para a loucura da torcida em Anfield, fechou o placar aos 43 do segundo tempo: 7 a 0.

Oito jogos sem perder para o rival em Anfield

Com a vitória, o time de Klopp também chegou ao oitavo jogo seguido sem derrota para o Manchester United em Anfield. Nessa série, o Liverpool sofreu apenas um gol do maior rival em casa.

Últimos oito jogos do Liverpool contra o Manchester United em Anfield

  • 5 vitórias
  • 3 empates
  • 18 gols marcados
  • 1 gol sofrido

Liverpool se empolga em briga pela Europa e United fica longe do título

O resultado encheu o Liverpool de moral na briga por uma vaga nas próximas competições europeias porque também representou um salto na tabela. O clube ultrapassou o Newcastle, que perdeu ontem para o Manchester City, e assumiu a quinta colocação, que classifica para a Liga Europa. Os Reds tem só três pontos e um jogo a menos que o Tottenham, atual quarto lugar — e que hoje seria o último a se classificar para a Champions.

Enquanto isso, o 7 a 0 encerra de maneira trágica uma sequência positiva do Manchester United, que em uma semana eliminou o Barcelona da Liga Europa, foi campeão da Copa da Liga Inglesa e passou pelo West Ham na FA Cup. De quebra, ainda diminuiu as chances de título red devil, que seguem em terceiro lugar, agora 14 pontos atrás do líder Arsenal.

Diogo Magri
Diogo Magri

Jornalista formado pela ECA-USP, campineiro e repórter na PL Brasil. Passagens por EL PAÍS, Revista Veja e Futebol Globo CBN.

Contato: [email protected]