Messi confirma qual será seu próximo clube

6 minutos de leitura

Após confirmar a saída do Paris Saint-Germain, o atacante argentino Lionel Messi confirmou nesta quarta-feira (7) qual será seu próximo clube na carreira.

Não voltarei ao Barcelona, irei para o Inter Miami“, revelou o jogador de 35 anos, em entrevista exclusiva ao “Mundo Deportivo” e ao “Sport”, dois jornais catalães.

Apesar de ter esclarecido que o contrato ainda não está “100% acertado”, o argentino descartou na entrevista uma ida para o Barcelona, clube onde passou 17 anos da carreira, ou a Arábia Saudita, que atraiu recentemente Cristiano Ronaldo e Benzema. A escolha de Messi foi pelo time de David Beckham, que compete na Major League Soccer (MLS), a liga de futebol profissional dos Estados Unidos.

Poucos minutos depois do anúncio do jogador, o próprio Inter Miami confirmou a contratação através das suas redes sociais.

Por que Messi não voltou ao Barcelona

Na entrevista, Messi deixou claro que o desejo era voltar ao Barcelona. Entretanto, o retorno dele não foi possível por, segundo o próprio, não confiar no modo como seria feita a contratação.

— Queria voltar (ao Barcelona), tinha esperança de voltar, mas depois de viver o que vivi e a saída que tive, não queria estar outra vez na mesma situação de esperar para ver o que ia acontecer e deixar meu futuro na mão de outro. Escutei que (no Barcelona) teriam de vender jogadores ou reduzir salários de jogadores, e a verdade é que eu não queria passar por isso, nem obter algo que tivesse a ver com tudo isso. Já me acusaram de muitas coisas que não foram certas em minha carreira no Barcelona — afirmou o jogador.

Messi se profissionalizou no Barça e lá fez 672 gols em 778 jogos, entre 2004 e 2021. Com a camisa culé, foi eleito seis vezes o melhor jogador do mundo. Ele saiu há dois anos por conta de problemas financeiros do Barça e, apesar do carinho, revelou não ter a certeza de que o clube se esforçou muito para trazê-lo de volta.

— É uma pergunta para eles (diretores do Barcelona). Sinceramente, não sei se fizeram tudo que era possível. Eu só sabia o que falava com o Xavi. Pelo que se diz, eles haviam conseguido a permissão de LaLiga para me contratar. Mas já te digo que não era só isso, faltavam muitas coisas. O clube, hoje, não está em condições de me trazer de volta. E é compreensível, pela situação que estão passando — completou Messi.

O jogador também declarou que “com certeza tem gente no Barcelona que não gostaria” de tê-lo de volta, embora tenha acompanhado as manifestações de carinho que vieram da torcida catalã nos últimos tempos.

“Anos difíceis no PSG”

Messi estava desde 2021 no PSG, com quem encerrou o contrato neste mês de junho. Nesse período, o craque foi bicampeão francês e venceu uma Copa do Mundo com a Argentina, mas não parece guardar muito carinho pela equipe francesa.

— O primeiro ano no PSG foi muito difícil, por diferente motivos. Nos primeiros seis meses do segundo ano eu me senti muito bem, muito confortável com clube, cidade e família. No meio dele, fui para a Copa do Mundo e acredito que isso marcou todas as equipes e a temporada como uma competição tão importante, pela primeira vez no meio do ano. Isso condicionou muito a temporada. Esperava terminar (meu ciclo no PSG) de outra maneira. Foram dois anos que, no geral, foram difíceis para mim, mas já ficaram para trás — admitiu ele.

Recusa à Arábia Saudita

Ao escolher ir para o Inter Miami, Messi recusou a proposta milionária do Al Hilal, da Arábia Saudita, onde ele ganharia cerca de 200 milhões de euros por temporada, segundo divulgado pela imprensa europeia.

O objetivo do governo saudita seria transformá-lo num embaixador do campeonato local, ao lado de Cristiano Ronaldo, para melhorar a imagem do país e sediar uma Copa do Mundo. Os sauditas só foram citados pelo argentino numa resposta onde ele garantiu que “dinheiro nunca foi um problema”.

— O lado econômico nunca foi um problema ou um obstáculo. Nunca cheguei a falar de contrato com o Barcelona agora. Falaram numa proposta, mas nunca houve algo formal, escrito, assinado, porque não sabíamos se seria possível. Havia a intenção, mas não dava para adiantar nada. Se fosse uma questão de dinheiro, eu teria ido para a Arábia Saudita. Minha decisão é por outros motivos, não por dinheiro — justificou.

Motivos para escolher a MLS

O que baseou sua ida para os EUA, segundo o próprio, é a “tranquilidade” e a possibilidade de aproveitar a MLS “de outra maneira”.

— Se não fosse para o Barcelona, eu decidi que sairia da Europa. (Queria) viver a liga dos Estados Unidos de outra maneira, (aproveitar) muito mais do dia a dia, com a mesma responsabilidade de querer ganhar e fazer as coisas bem, sempre com mais tranquilidade. (Por isso) tomei a decisão de ir a Miami. Ainda não está tudo 100% certo, faltam algumas coisas para assinar, mas queria sair do foco e pensar mais na minha família — disse Messi.

Assim, ele se torna a contratação mais impactante da história da MLS. Ele jogará pelo Inter Miami, que pertence a David Beckham e é o atual 15º colocado entre os 15 times da Conferência Leste, com 16 rodadas já jogadas. Mesmo assim, são só seis pontos a menos que o nono colocado, o último a se classificar para a próxima fase.

O site britânico “The Athletic” noticiou que uma porcentagem dos assinantes do serviço de pay-per-view da liga iria para o astro argentino, como forma de convencê-lo a jogar nos EUA. Messi ainda receberia um percentual de lucros da Adidas, fornecedora de material esportivo de todas as equipes da MLS e que também tem contrato com o astro. Os donos do Inter Miami também cederiam a Messi, segundo a publicação, a opção de ficar com uma porcentagem do clube após se aposentar.

Diogo Magri
Diogo Magri

Jornalista formado pela ECA-USP, campineiro e repórter na PL Brasil. Passagens por EL PAÍS, Revista Veja e Futebol Globo CBN.

Contato: [email protected]